Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2020

Pudim de chia com cobertura de fruta

A RTP Madeira e o nutricionista Bruno Sousa estão a realizar, durante o mês de maio, vários programas dedicados aos produtos regionais. Tive o privilégio de ser incluída num lote de chefes, que muito admiro, e dar o meu contributo com uma sobremesa que tivesse como ingrediente principal a fruta. É sempre com muito gosto que vos transmito todas estas sugestões que espero que gostem e que as ponham em prática pois este pudim de chia é uma ótima opção para diferentes refeições ao longo do dia. O melhor mesmo é verem o vídeo e já sabem: alguma dúvida é só dizer e não se esqueçam de subscrever o canal e já agora o blogue, o insta e o facebook (@mafabulouscook). Carreguem na imagem para ver o vídeo! Podem ver os outros episódios carregando na imagem. Mafalda

“Soube-me a pato”😃🦆

E a laranja, que isto de comer pato sem laranja é como o “avião sem asas, fogueira sem brasas, lá lá lá lá….” Existem combinações que resultam tão bem que pouco se devem mexer. E claro está, se ambos os ingredientes tiverem qualidade, só temos de os tratar com carinho e elevar o seu potencial. O que vos quero sugerir, hoje, é muito simples, mas delicioso, um truque que podem ter na manga para impressionar a vossa família e amigos. Então vamos lá saber como se fazem os peitos de pato com laranja. O que vão precisar: - 1 peito de pato por pessoa - 1 laranja por pessoa - sal - pimenta preta - molho de ostra ou teriaki Como fiz: Comecei por dar uns golpes na pele do pato e temperei com sal e pimenta. Entretanto pré-aqueci o forno a 200º e forrei um tabuleiro com uma folha de papel vegetal. Numa frigideira coloquei o pato com a pele virada para baixo. Deixei estar assim uns 6 minutos. Depois virei-os e deixei estar mais 3 minutos. Transferi o pato para o ta

Maionese de Soja Caseira (com vídeo)

Ora boa semana minha gente! Nada melhor que começá-la com um vídeo supimpa. Nós cá por caso somos muito gulosos e este molho é dos nossos preferidos. Simples e fácil de fazer é também muito versátil na sua utilização. Não querendo ser spoiler , acho que não o podem perder pois para além de uma receita, tem um momento digno de comédia ao estilo “a vida é assim mesmo”. Vá, nem que seja para verem a minha cara aparvalhada.😂 Vale mesmo a pena! Carreguem na imagem para ver o vídeo! Espero que gostem, que partilhem e já sabem, não se esqueçam de subscrever o canal! Mafalda

Cavalas com molho de “vilhão”

Ou em inglês “mackerel with vilon sauce” (tradução livre da minha autoria). Seja em que língua for, esta forma de comer a cavala é das minhas preferidas e este molho tão típico da minha terra, se bem equilibrado, penso que está no nível de molho de categoria internacional, e caso nos descubram os alienígenas, será elevado a molho de referência entre galáxias. Digo eu, sei lá! Pronto, pronto, já parei e voltei à terra. Não sei se conseguem perceber no discorrer das minhas palavras, mas, por vezes, entusiasmo-me e se não paro começo a divagar em catadupa. Voltemos à cavala e à forma como a fiz. Devo dizer que estavam boas que boas e se tivesse feito o dobro da quantidade tinham ido todas, sem dó nem piedade. Para estas cavalas inspirei-me na receita original, claro, e no programa “Comtradição” do Chefe Henrique Sá Pessoa e que partilho agora com vocês. O que vão precisar (referência 4 pessoas que comem bem): - 4 filetes de cavala (grandes) - 2 cebolas grandes cortadas às rod

Como é que os scones com mirtilos puseram esta malta em sintonia (com vídeo)

Minto-vos se disser que isto tudo está a ser um mar de rosas. Conjugar a quarentena com teletrabalho, tarefas domésticas e atividades escolares está a ser durinho como um caroço de azeitona. Não serei a única, como é óbvio, nem este tema está a ser abordado por mim em primeira mão. Muita coragem minha gente! Carreguem na imagem para ver o vídeo!   Mas, eu acredito piamente, que nada acontece por acaso. As descobertas e os sinais da vida chegam-nos sem qualquer aviso prévio e pronto, de repente, algumas coisas começam a fazer sentido. O Vasco tinha uma atividade proposta pela professora de inglês que seria fazer scones com referência ao “Chá das 5” e teríamos de enviar uma fotografia com o resultado final. Até aqui tudo pacífico era isso que iria fazer até que o Manuel lembrou-se de “fazer um vídeo para o Youtube”. Ele acha que sou youtuber mas que sou pouco moderna na abordagem, que devia ir mais além. Em vez de dizer logo que não ouvi o que me tinha a dizer e