Avançar para o conteúdo principal

O Lado Doce da Europa – Viagem a Bruxelas: dia 2 e meio


Depois de uma noite de sono a recuperar do dia anterior (podem ler aqui sobre o dia 1), acordamos entusiasmadas com o dia livre que tínhamos pela frente. Fizemos o percurso dois minutos antes de adormecermos e em dois minutos programamos o dia. Ainda há um mito que as mulheres são complicadas, eu muito sinceramente acho que não.😁

Pequeno almoço tomado, dentinhos lavados, casaco vestido pusemo-nos a caminho do Atomium. Para minha surpresa estava um dia lindo, com muito sol e céu azul, nada típico desta cidade. Foi a minha terceira vez em Bruxelas mas nunca tinha apanhado sol. E não me queixo nada de ter levado roupa a mais. Foi muito melhor assim.

O Atomium foi construído em 1958 em Bruxelas no âmbito da Expo 58. Com 103 metros de altura, o Atomium representa um cristal elementar de ferro ampliado 165 milhões de vezes, com tubos que ligam as 9 partes formando 8 vértices. As esferas de ferro com cerca de 18 metros de diâmetro estão ligadas por tubos com escadas no seu interior com um comprimento de aproximadamente 35 metros.

É considerado por alguns um ícone nacional e eu acho que se vão a Bruxelas é um local de passagem obrigatória. Vale mesmo a pena tanto pela sua beleza e imponência exterior como depois lá dentro as vistas são fantásticas e as exposições itinerantes são sempre de grande qualidade.


A entrada custa 15 euros e podem ainda comprar um bilhete combinado para o Little Europe que é ali logo ao lado, mas meus queridos, esta foi uma viajem de meninas grandes e não houve desvios para atividades infanto-juvenis. Hehehe!

Daqui seguimos para a Avenida de la Toison D´Or. Para quem vai com disponibilidade de tempo e dinheiro esta avenida é um sonho. Está repleta de lojas para todos os gostos. Andamos por ali num entra e sai divertido que nem demos conta que a hora do almoço já tinha passado, fazia algumas horas.

Os almoços foram quase sempre no EXKi, uma cadeia de restaurantes internacional de restaurantes fast-casual "grab-and-go" saudáveis. Bom que bom. A comida é mesmo boa. Fica a sugestão!

Daqui fomos a pé para a Grand Place (1.6km) com passagem pelo Parc de Bruxelles ,e ainda com paragem obrigatória nas Galeries Royales. Logo depois rumo à Grande Place e consequente visita à estátua do “Manneken”.







O Hotel era ali perto e resolvemos descansar um pouco antes de irmos para o jantar, mas sobre este assunto vou falar num post à parte, porque é um restaurante de que gosto muito e que é tão bom que até começo a salivar só de pensar. Para além da boa comida estive em ótima companhia a matar saudades da Guida e da Gerry.

Fiquem por aí e se tiverem vontade de comentar não se sintam envergonhados.
Bom fim de semana.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e

Peitos de Frango com manteiga de amendoim

A receita é do grande Jamie Oliver, a execução é minha. E este post vai abordar várias temáticas. Aconselha-se uma cadeira confortável, um chá quente e muita paciência, mas vai valer a pena. Confiem 😃 Se calhar falo primeiro de como se faz e depois do resto. O que acham? Acho que ouvi um sim desse lado. Então aqui vai: Pré-aquecer o forno a 190º na função grelhador. Ingredientes: - três peitos de frango - um limão - duas colheres de sopa de manteiga de amendoim - um dente de alho - malagueta a gosto - água - sal - pimenta -azeite Preparação: Comecei por golpear os peitos de frango e temperei com sal, pimenta, raspas de limão e azeite. Reservei. Para o molho misturei duas colheres de sopa de manteiga de amendoim, com sumo de meio limão, um alho ralado e um pouco de água. A água serve para deslaçar o molho que tem de ficar com uma consistência mais cremosa, diria tipo iogurte. A receita dizia para usar uma frigideira que depois fosse ao forno.