Avançar para o conteúdo principal

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe


O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente.

A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos.

A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D
Pré-aquecer o forno a 200º.

Comecei por fazer o tempero do peixe:
Numa trituradora juntei:
-6 tomates secos
- 2 dentes de alho
- 1 pitada de sal
- uma mão cheia de mistura de especiarias
- duas mãos cheias de manjericão fresco
- azeite e vinagre
Tudo triturado até ficar uma pasta.

Coloquei os peixes num tabuleiro de ir ao forno forrado com uma folha de papel vegetal e sequei-os bem, usei papel absorvente.

Depois enchi a barriga com o preparado, barrei ambos os lados e deixei marinar durante uns 10 minutos, o tempo que levei a descascar as cebolas.

As mini cebolas fizeram de mim uma mulher que chora. Não há maneira de não se dar este dilúvio mas, também, quem me manda gostar tanto de cebola? É a vida e adiante. Depois de descascadas meti-as no copo onde tinha feito o tempero e deixei que o absorvessem.

Dispus no tabuleiro junto com o peixe e forno durante uns 15 a 20 minutos. Fiquem de olho e o termómetro é o peixe começar a libertar líquido borbulhante, ou seja, quando o líquido do peixe começa a ferver.

Retirei do forno, acrescentei cebolinho fresco e o jantar ficou pronto. Tinha ainda puré de batata-doce e sopa.

Vamos então à empreitada:

Meus ricos filhos logo que chegam a casa a primeira pergunta que fazem é?

1- Mãe querida que bom te ver, como foi o teu dia?

Ou

2- Mãe o que é o jantar?

Acertaram? Pois sim, é a segunda. E logo após a pergunta vem: Peixe!!! Outra vez peixe, sabes que não gosto de peixe não sei porque é que todos os dias fazes peixe!!!
Como é óbvio não faço peixe todos os dias mas o que fazer? Dizem que ainda piora com a adolescência.

Sentados à mesa pensei que o drama já tinha passado até que começa:

- Ó Mãe até estou com vontade de chorar. Mataste o peixe! Ele aqui coitadinho, todo morto por tua causa.
- Ao que respondi, mas quando é bife ou hambúrguer ninguém reclama da vaca.
- Porque tu não pões a vaca aqui na mesa. Não vou comer mais peixe. Vou ser verduriano e de vez em quando como hambúrguer.

Muita calma, muita calma que depois comeram e gostaram os safados.
Espero que gostem também.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…