Avançar para o conteúdo principal

Porque é que risquei o fiambre da minha lista de compras?


Muitos de vocês já devem saber a resposta a esta pergunta mas hoje vou falar um bocadinho deste assunto. Não esperem de mim grandes fundamentalismos ou mesmo reprovação a comportamentos. Vou dar a minha opinião esclarecida sobre o assunto com uma dica ou sugestão de alternativa alimentar a este produto.

Vamos então ver como é composto o fiambre. E vou dar um exemplo dum dito fiambre “bom”, o de perú:

Lista de ingredientes: Peito de peru (53 %), água, sal, amido, estabilizador (E420), dextrose, lactose, proteínas do leite, emulsionantes (E451, E450), aromas, açúcar, gelificantes (E407, E415, E412), intensificador de sabor (E621), antioxidante (E316), cloreto de potássio, aroma de fumo, conservante (E250). Cobertura decorativa: água, gelatina de suíno, corante (E150). Pode conter vestígios de: soja.
Informação retirada do produtor: Ver outras informações.

Assim sendo: temos duas vezes no mesmo alimentos adição de dois açúcares (Dextrose + Sacarose), Sal e com os seguintes "E´s":
E-420 - Usado aqui para estabilizar e dar volume ao fiambre. É também ele produzido através da Dextrose;
E-451 - Produzido exclusivamente de um modo sintético é usado com estabilizante, mas também para tornar o Fiambre mais fofinho;
E-407 - É um polissacarídeo, e é um agente espessante e estabilizante. Pode provocar inchaço e flatulência, devido à fermentação pela flora intestinal;
E-621 - Usado para melhorar e intensificar o sabor. Faria algum sentido se com isso diminuíssem o sal, mas pelo contrário, neste produto até o adicionaram;
E-250 - Conservante que poder ser extraído ou produzido quimicamente a partir de nitrato de sódio. Os nitritos são precursores de nitrosaminas carcinogénicas, que são formados no estômago a partir de nitritos e proteínas. Altas concentrações podem reagir com a hemoglobina.
Informação retirada daqui

Adiante, todos os produtos processados fazem mal mas todos sabem bem. É por isso que se tornam fáceis e agradáveis de comer. Há coisas que bani totalmente da minha casa, as salsichas são uma delas, mas o fiambre e a charcutaria fina (presunto, paio, mortadela, entre outros) chegam de vez em quando. E quando digo de vez em quando é muito de vez em quando.

Como já referi, não sou fundamentalista e há tanta coisa que faz mal que se parássemos para fazer um reset e só comer saudável, acabaríamos a beber água e a trabalhar na agricultura para termos a certeza do que estávamos a comer. Ora isso não é a vida real na qual eu me encaixo. Talvez para uns seja e terá as suas vantagens se assim o considerarem.

Voltando ao fiambre, eu gosto, os meus filhos gostam, marido gosta, irmãos gostam, primos gostam, pais gostam, toda a família gosta. É saboroso, fresco e é um ingrediente muito versátil na cozinha. Desde as sandes, às salada, às pizas, aos recheios até ao comer à fatia é tudo muito prático e bom.
Todavia, não deve ser comido todos os dias como se fazia cá em casa. E se querem comer fiambre o melhor é optarem sempre por um onde no rótulo conste o menor número possível de ingredientes, como refere a minha amiga e nutricionista Nádia Brazão.

E ok! Já falaste, já disseste mal, já sabemos que tens a mania das coisas boas. Qual é então a tua opção? – Estou a transcrever o vosso pensamento 😁

A minha sugestão é fiambre de frango caseiro. Fácil de fazer e uma boa opção para ter no frigorífico guardado num tuperware e pronto a ser usado sempre que apetecer uma fatia de fiambre. A única diferença é a sua conservação, ou seja, como não tem conservantes deve ser comido num máximo de 4 dias. Como tal, sugiro que não se façam grandes quantidades de uma só vez.
Vamos lá então começar!

Para 400gr de fiambre de frango (simples):

- 400 gr de peitos de frango
- sal
- pimenta
- azeite
- 1 limão
- orégãos secos
- 5 dentes de alho

Como fazer:
Ligar o forno a 120º

Temperei bem os peitos de frango com sal e pimenta preta. Podem usar mais especiarias a gosto.

Depois forrei um tabuleiro de ir ao forno com uma folha de papel vegetal onde fiz uma cama com limão, alho e orégãos.

Alourei os peitos de frango numa frigideira com um fio de azeite só mesmo para ganharem cor.

Coloquei-os em cima da cama e levei ao forno a 120º durante meia hora. 


Aqui a diferença á assá-los a uma baixa temperatura durante mais tempo para ficarem suculentos e ganharem mais sabor.
Retirei do forno e deixei arrefecer totalmente. Isto vai facilitar o corte.

Agora é só afiar uma faca e usarem da vossa melhor técnica para fazer fatias o mais finas possíveis.

Guardei num tuperware fechado e acreditem que ninguém tem reclamado da falta do outro fiambre!
Espero que gostem da sugestão e que de certa forma melhores alimentos entrem na nossa rotina sem muitos dramas.

p.s.- podem melhorar o sabor do “fiambre” fazendo uma marinada e deixando a ganhar sabor durante mais tempo. Fica à vossa consideração.

p.s.1- Tenho receitas com fiambre e talvez venha a ter mais, mas como vos disse: é de vez em quando.

Bom fim-de-semana.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…