Avançar para o conteúdo principal

Porque é que risquei o fiambre da minha lista de compras?


Muitos de vocês já devem saber a resposta a esta pergunta mas hoje vou falar um bocadinho deste assunto. Não esperem de mim grandes fundamentalismos ou mesmo reprovação a comportamentos. Vou dar a minha opinião esclarecida sobre o assunto com uma dica ou sugestão de alternativa alimentar a este produto.

Vamos então ver como é composto o fiambre. E vou dar um exemplo dum dito fiambre “bom”, o de perú:

Lista de ingredientes: Peito de peru (53 %), água, sal, amido, estabilizador (E420), dextrose, lactose, proteínas do leite, emulsionantes (E451, E450), aromas, açúcar, gelificantes (E407, E415, E412), intensificador de sabor (E621), antioxidante (E316), cloreto de potássio, aroma de fumo, conservante (E250). Cobertura decorativa: água, gelatina de suíno, corante (E150). Pode conter vestígios de: soja.
Informação retirada do produtor: Ver outras informações.

Assim sendo: temos duas vezes no mesmo alimentos adição de dois açúcares (Dextrose + Sacarose), Sal e com os seguintes "E´s":
E-420 - Usado aqui para estabilizar e dar volume ao fiambre. É também ele produzido através da Dextrose;
E-451 - Produzido exclusivamente de um modo sintético é usado com estabilizante, mas também para tornar o Fiambre mais fofinho;
E-407 - É um polissacarídeo, e é um agente espessante e estabilizante. Pode provocar inchaço e flatulência, devido à fermentação pela flora intestinal;
E-621 - Usado para melhorar e intensificar o sabor. Faria algum sentido se com isso diminuíssem o sal, mas pelo contrário, neste produto até o adicionaram;
E-250 - Conservante que poder ser extraído ou produzido quimicamente a partir de nitrato de sódio. Os nitritos são precursores de nitrosaminas carcinogénicas, que são formados no estômago a partir de nitritos e proteínas. Altas concentrações podem reagir com a hemoglobina.
Informação retirada daqui

Adiante, todos os produtos processados fazem mal mas todos sabem bem. É por isso que se tornam fáceis e agradáveis de comer. Há coisas que bani totalmente da minha casa, as salsichas são uma delas, mas o fiambre e a charcutaria fina (presunto, paio, mortadela, entre outros) chegam de vez em quando. E quando digo de vez em quando é muito de vez em quando.

Como já referi, não sou fundamentalista e há tanta coisa que faz mal que se parássemos para fazer um reset e só comer saudável, acabaríamos a beber água e a trabalhar na agricultura para termos a certeza do que estávamos a comer. Ora isso não é a vida real na qual eu me encaixo. Talvez para uns seja e terá as suas vantagens se assim o considerarem.

Voltando ao fiambre, eu gosto, os meus filhos gostam, marido gosta, irmãos gostam, primos gostam, pais gostam, toda a família gosta. É saboroso, fresco e é um ingrediente muito versátil na cozinha. Desde as sandes, às salada, às pizas, aos recheios até ao comer à fatia é tudo muito prático e bom.
Todavia, não deve ser comido todos os dias como se fazia cá em casa. E se querem comer fiambre o melhor é optarem sempre por um onde no rótulo conste o menor número possível de ingredientes, como refere a minha amiga e nutricionista Nádia Brazão.

E ok! Já falaste, já disseste mal, já sabemos que tens a mania das coisas boas. Qual é então a tua opção? – Estou a transcrever o vosso pensamento 😁

A minha sugestão é fiambre de frango caseiro. Fácil de fazer e uma boa opção para ter no frigorífico guardado num tuperware e pronto a ser usado sempre que apetecer uma fatia de fiambre. A única diferença é a sua conservação, ou seja, como não tem conservantes deve ser comido num máximo de 4 dias. Como tal, sugiro que não se façam grandes quantidades de uma só vez.
Vamos lá então começar!

Para 400gr de fiambre de frango (simples):

- 400 gr de peitos de frango
- sal
- pimenta
- azeite
- 1 limão
- orégãos secos
- 5 dentes de alho

Como fazer:
Ligar o forno a 120º

Temperei bem os peitos de frango com sal e pimenta preta. Podem usar mais especiarias a gosto.

Depois forrei um tabuleiro de ir ao forno com uma folha de papel vegetal onde fiz uma cama com limão, alho e orégãos.

Alourei os peitos de frango numa frigideira com um fio de azeite só mesmo para ganharem cor.

Coloquei-os em cima da cama e levei ao forno a 120º durante meia hora. 


Aqui a diferença á assá-los a uma baixa temperatura durante mais tempo para ficarem suculentos e ganharem mais sabor.
Retirei do forno e deixei arrefecer totalmente. Isto vai facilitar o corte.

Agora é só afiar uma faca e usarem da vossa melhor técnica para fazer fatias o mais finas possíveis.

Guardei num tuperware fechado e acreditem que ninguém tem reclamado da falta do outro fiambre!
Espero que gostem da sugestão e que de certa forma melhores alimentos entrem na nossa rotina sem muitos dramas.

p.s.- podem melhorar o sabor do “fiambre” fazendo uma marinada e deixando a ganhar sabor durante mais tempo. Fica à vossa consideração.

p.s.1- Tenho receitas com fiambre e talvez venha a ter mais, mas como vos disse: é de vez em quando.

Bom fim-de-semana.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…

Douradinhos de fazer inveja ao Capitão Iglo

Antes de 1993, ano que foi lançado o anúncio televisivo dos Douradinhos do Capitão Iglo, onde este oferecia o seu tesouro a uma tribo de índios, toda a gente comia peixe panado. A verdade é que a campanha pegou e o nome douradinhos também. De certa forma, foi a maneira de as crianças comerem peixe sem que fosse um drama.

Felizmente, as coisas mudaram e comer peixe deixou de ser um problema, ainda que quando ele aparece no prato os miúdos fiquem a olhar para mim com um ar desolado. Paciência que é bom e faz bem!

Eles gostam de douradinhos por isso decidi fazê-los à minha maneira.

Como já referi, os douradinhos são peixe panado. Ao fazê-los em casa, garantimos que não levam conservantes e sabemos exatamente quais os ingredientes que vamos ingerir.

Para 4 pessoas usei:
500 gr de filetes de pescada
2 ovos
100 gr de panko (pão ralado japonês)
50 gr de queijo parmesão
15 gr de coentros frescos

Como fiz:
Pré-aqueci o forno a 200º

Forrei um tabuleiro com uma folha de papel vegetal

Cortei o p…