Avançar para o conteúdo principal

Pudim de semilha


Este regionalismo muito característico de antigamente não é nada mais nada menos do que puré de batata. Ouvia este termo da boca da minha avó e sempre que havia pudim de semilha era alegria garantida. Pois meus queridos, hoje não vem receita de sobremesa 😉


Existem várias recitas e várias formas de fazer o puré de batata, umas mais calóricas que outras, mais cremosas, mais grumosas, aqui o segredo é agradar a quem vai comer.

O meu não leva natas nem manteiga de vaca, mas antes de vos dizer como o fiz vou explicar porque é que o fiz.

Esta semana a minha casa foi brindada com viroses, nada de muito grave, mas daquelas que metem vómitos e febre. Nestes casos a vontade de comer é mínima e eu não costumo insistir com comida. Apenas água, muito mimo e banhos tépidos.

Contudo, uma vez tive uma gastroenterite daquelas que chegam a dentro de tal forma que fui ao médico. Quem me consultou foi o Dr. Ian que não me lembro do sobrenome e que infelizmente já não está entre nós. Este disse-me o seguinte:

- Nos primeiros dois dias não coma nada porque quando fizer a digestão o vírus vai andar às voltas no estômago e vai se sentir pior;
- no terceiro e no quarto dia coma puré de batata.

Estava mal como tudo por isso levei à risca as suas indicações e a verdade é que tenho feito o puré de batata para o rescaldo das viroses e resulta muito bem. Tem hidratos, é fácil de engolir e de digerir. Um remédio realmente eficaz!

Voltemos então ao meu pudim de semilha.

Usei:

1kg de batata (semilha)
- 1 dente de alho
- 1 colher de sobremesa de manteiga de cajú (podem substituir por outra)
- sal
- leite q.b
- salsa q.b

Podia ter feito tudo na bimby mas como havia doentinhos a dormir não quis fazer muito barulho. A bimby não é um trator, mas a minha cozinha é aberta e o Vasco estava na sala a dormir.
 
Adiante...

Cozi as batatas em água e sal já com o dente de alho. Isto faz com que tempere e que não fique com um sabor agressivo.


Deve ter demorado uns 20 minutos até a batata ficar bem cozinhada.

Escorri a água, mas podem guardar um pouco caso não queiram usar o leite.


Coloquei as batatas na bimby com a manteiga de cajú, a salsa e o leite. Triturei tudo até ficar uma papa. Provem sempre para depois retificar os temperos.

A quantidade de leite ou liquido que devem utilizar vai depender da consistência que desejarem para o vosso puré. O que digo sempre mas não custa repetir é que mais vale adicionar um pouco e depois ir aumentando.

Eu queria uma consistência tipo papa, daí ter usado cerca de 400 ml de leite. Com esta quantidade ficou mesmo ralinho.

Penso que para um puré de consistência regular 150 ml seriam suficientes. Volto a repetir, fica ao vosso critério.

Só vos digo que os olhinhos dele até brilhavam. Não comeu mais nada nem eu insisti. O puré aguentou-se no estômago e ficamos todos contentes.

Fica aqui esta sugestão que é muito fácil e deliciosa. Não serve só de “remédio” é também um acompanhamento que não deixa ficar mal quem o fez!

Espero que gostem e que experimentem.
Ah! O Vasco já está melhor.
Beijos,
Mafalda

Nota: As semilhas e a salsa são biológicas e comprei na Miranda e Trindade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos. Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela , mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim. As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias. Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia. Ingredientes Secos - 2 chávenas de flocos de aveia; - 1 colher de chá de fermento; - 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais); - 1 pitada de sal; - 1 colher de sopa de açúcar de coco Ingredientes líquidos

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e