Avançar para o conteúdo principal

O rescaldo da Festa


Então meus queridos, como vai tudo? Feliz ano novo para todos e mais alguns. A festa ainda não acabou, mas o grosso já está feito. Venha daí o dia dos Reis e entramos na ressaca até ao Carnaval (outra festa rija aqui na ilha).

Este ano foi tudo um bocadinho diferente do usual, começando por eu ter estado de “férias” ao mesmo tempo que os meninos. Dois no primeiro ciclo com férias escolares e a terem de ir para ATL´s não era economicamente viável. Foi uma boa opção pois acabei por passar mais tempo com eles mesmo que esse tempo fosse grandemente a brigar para não se baterem, para desligarem a Playstaion, para sairmos de casa. Por eles o Natal era passado entre 4 paredes e estava tudo na boa!

Não me estou a queixar porque entre isso houve cinema, circo, passeios, beijos, abraços, mimo e algumas sestas em conjunto (poucas mas houve).

A loucura dos presentes foi despachada num dia e limitei-me aos obrigatórios e indispensáveis. Não tenho muito gosto nesta atividade e nem gosto de estar horas infinitas nas filas das lojas. Aconteceu-me isso no supermercado e ia dando em maluquinha, mas tinha de ser.

Outra coisa diferente foi o almoço da Natal ter sido em minha casa. Não era para muitos, mas queria fazer bem e bonito. Porém, já lá vamos.

Antes disso, no dia 23 fui jantar com as amigas e depois rumei ao Mercado. É tradição na Madeira e este dia acaba por ser uma festa de ano novo antecipada. É sempre muito agradável.
A véspera de Natal foi passada na casa dos meus pais e como já vos tinha dito o almoço de dia 25 foi em minha casa.

Tinha tanta coisa planeada, uma entrada, o perú, sobremesa, tudo lindo mas… sentia-me mal disposta. Nem conseguia olhar para a comida. Pensei que tinha sido algum excesso dos dias anteriores mas não foi bem assim. Apanhei uma virose gastrointestinal que nem vos digo nem vos conto. Passei 4 dias de cama sem conseguir sequer pensar em comida com direito a febre e tudo o que esta virose traz consigo. Uma grandessíssima mer…

Adiante, foi da forma que fechei a boca e que os excessos natalícios passaram ao lado.

Recuperada entrei no ano novo com um bom feeling, não sei bem explicar porquê, mas acho que 2019 vai ser um bom ano. Mudo de década, a família aumenta, estou confiante que os projetos culinários ganharão um novo rumo, tenho algumas ideias a fluir. Vamos ver!

O fogo de artificio foi bonito e apesar de, achar que é quase sempre a mesma coisa, no ano em que não estive na Madeira senti-lhe a falta. O ano novo deve começar com cheiro a pólvora e 30 segundos de estalos fortes.

Não tenho grandes resoluções nem muito menos pedidos. Espero, pois, viver um dia atrás do outro com muita força nas canetas.

E muito resumidamente acho que é isto. De 2018 não tenha grande coisa a dizer. Foi um ano que não sendo mau não foi bom, mas também não tenho nada a dizer (estão a ver a esquizofrenia de ideias?). Se 2018 foi bom para vocês continuem com ele até 5 de fevereiro, dia do ano novo chinês.

Vem aí o ano do Porco Terra, e quem sabe diz que:

“Esse período que está para vir será de trabalhar a determinação e a coragem para alcançar os seus objetivos. Enquanto o Porco demonstra inteligência e poder de observação, a Terra é um elemento de intuição e racionalidade.

Além disso, o Porco traz o bom humor e o jogo de cintura para lidar com obstáculos, o que ajuda na hora de completar as tarefas. Juntos, os dois unem a objetividade e a espiritualidade, uma combinação muito positiva. Por isso, prepare-se para ir atrás do que você sempre quis com o coração aberto, esse será um bom ano para colocar os planos em prática”.
Beijos,
Mafalda

Comentários

  1. Mais uma excelente leitura num registo autobiográfico, pautado com algumas passagens de bom humor qb

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eduardo feliz Ano Novo para ti e para as tuas meninas. Obrigada pelo teu cometário simpático. beijinhos**

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…