Avançar para o conteúdo principal

O rescaldo da Festa


Então meus queridos, como vai tudo? Feliz ano novo para todos e mais alguns. A festa ainda não acabou, mas o grosso já está feito. Venha daí o dia dos Reis e entramos na ressaca até ao Carnaval (outra festa rija aqui na ilha).

Este ano foi tudo um bocadinho diferente do usual, começando por eu ter estado de “férias” ao mesmo tempo que os meninos. Dois no primeiro ciclo com férias escolares e a terem de ir para ATL´s não era economicamente viável. Foi uma boa opção pois acabei por passar mais tempo com eles mesmo que esse tempo fosse grandemente a brigar para não se baterem, para desligarem a Playstaion, para sairmos de casa. Por eles o Natal era passado entre 4 paredes e estava tudo na boa!

Não me estou a queixar porque entre isso houve cinema, circo, passeios, beijos, abraços, mimo e algumas sestas em conjunto (poucas mas houve).

A loucura dos presentes foi despachada num dia e limitei-me aos obrigatórios e indispensáveis. Não tenho muito gosto nesta atividade e nem gosto de estar horas infinitas nas filas das lojas. Aconteceu-me isso no supermercado e ia dando em maluquinha, mas tinha de ser.

Outra coisa diferente foi o almoço da Natal ter sido em minha casa. Não era para muitos, mas queria fazer bem e bonito. Porém, já lá vamos.

Antes disso, no dia 23 fui jantar com as amigas e depois rumei ao Mercado. É tradição na Madeira e este dia acaba por ser uma festa de ano novo antecipada. É sempre muito agradável.
A véspera de Natal foi passada na casa dos meus pais e como já vos tinha dito o almoço de dia 25 foi em minha casa.

Tinha tanta coisa planeada, uma entrada, o perú, sobremesa, tudo lindo mas… sentia-me mal disposta. Nem conseguia olhar para a comida. Pensei que tinha sido algum excesso dos dias anteriores mas não foi bem assim. Apanhei uma virose gastrointestinal que nem vos digo nem vos conto. Passei 4 dias de cama sem conseguir sequer pensar em comida com direito a febre e tudo o que esta virose traz consigo. Uma grandessíssima mer…

Adiante, foi da forma que fechei a boca e que os excessos natalícios passaram ao lado.

Recuperada entrei no ano novo com um bom feeling, não sei bem explicar porquê, mas acho que 2019 vai ser um bom ano. Mudo de década, a família aumenta, estou confiante que os projetos culinários ganharão um novo rumo, tenho algumas ideias a fluir. Vamos ver!

O fogo de artificio foi bonito e apesar de, achar que é quase sempre a mesma coisa, no ano em que não estive na Madeira senti-lhe a falta. O ano novo deve começar com cheiro a pólvora e 30 segundos de estalos fortes.

Não tenho grandes resoluções nem muito menos pedidos. Espero, pois, viver um dia atrás do outro com muita força nas canetas.

E muito resumidamente acho que é isto. De 2018 não tenha grande coisa a dizer. Foi um ano que não sendo mau não foi bom, mas também não tenho nada a dizer (estão a ver a esquizofrenia de ideias?). Se 2018 foi bom para vocês continuem com ele até 5 de fevereiro, dia do ano novo chinês.

Vem aí o ano do Porco Terra, e quem sabe diz que:

“Esse período que está para vir será de trabalhar a determinação e a coragem para alcançar os seus objetivos. Enquanto o Porco demonstra inteligência e poder de observação, a Terra é um elemento de intuição e racionalidade.

Além disso, o Porco traz o bom humor e o jogo de cintura para lidar com obstáculos, o que ajuda na hora de completar as tarefas. Juntos, os dois unem a objetividade e a espiritualidade, uma combinação muito positiva. Por isso, prepare-se para ir atrás do que você sempre quis com o coração aberto, esse será um bom ano para colocar os planos em prática”.
Beijos,
Mafalda

Comentários

  1. Mais uma excelente leitura num registo autobiográfico, pautado com algumas passagens de bom humor qb

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eduardo feliz Ano Novo para ti e para as tuas meninas. Obrigada pelo teu cometário simpático. beijinhos**

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente.

A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos.

A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D
Pré-aquecer o forno a 200º.

Comecei por fazer o tempero do peixe:
Numa trituradora juntei:
-6 tomates secos
- 2 dentes de alho
- 1 pitada de sal
- uma mão cheia de mistura de especiarias
- duas mãos cheias de manjericão fresco
- azeite e vinagre
Tudo triturado até ficar uma pasta.

Coloquei os peixes num tabuleiro de ir ao forno …

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira.
Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes).

O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe
A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal.

Como faço o meu picado:
- Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro;
- Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e fritar at…

Peitos de Frango com manteiga de amendoim

A receita é do grande Jamie Oliver, a execução é minha. E este post vai abordar várias temáticas. Aconselha-se uma cadeira confortável, um chá quente e muita paciência, mas vai valer a pena. Confiem 😃

Se calhar falo primeiro de como se faz e depois do resto. O que acham? Acho que ouvi um sim desse lado. Então aqui vai:

Pré-aquecer o forno a 190º na função grelhador.

Ingredientes:
- três peitos de frango
- um limão
- duas colheres de sopa de manteiga de amendoim
- um dente de alho
- malagueta a gosto
- água
- sal
- pimenta
-azeite

Preparação:

Comecei por golpear os peitos de frango e temperei com sal, pimenta, raspas de limão e azeite. Reservei.

Para o molho misturei duas colheres de sopa de manteiga de amendoim, com sumo de meio limão, um alho ralado e um pouco de água.

A água serve para deslaçar o molho que tem de ficar com uma consistência mais cremosa, diria tipo iogurte.
A receita dizia para usar uma frigideira que depois fosse ao forno. Como não tenho usei um tabuleiro de ir ao…