Avançar para o conteúdo principal

As Mafabulouscoisasboas de janeiro


Foi um mês grande e em jeito de retrospetiva foi um mês bom. Janeiro costuma ser o meu mês mais criativo, ou seja, é em janeiro que tomo grande parte das decisões que vou executar ao longo do ano. Este ano não foi exceção sendo que não foram nada de especial. Heheh.

Houve um ano que decidi(mos) casar, houve outro em que organizei um jantar de aniversário solidário, este ano fiquei só por me inscrever no cortejo de carnaval. Estão a ver as diferenças. Mas à sua maneira todas elas me trazem um bocadinho de ar fresco à cabeça e fazem-me sentir ativa.

Foi também no dia 1 de janeiro que tomei a decisão de criar o #mafabulouscoisasboas, por forma a partilhar todos os dias do ano uma fotografia que retratasse um momento agradável desse dia. E tem sido bom e põe-me a pensar e a fotografar coisas banais, ou nem tanto, que de outra forma passariam despercebidas e nem dava valor.

Era muito mais fácil me fixar na multa que recebi por correio, ou nas idas intermináveis ao supermercado, ou no cansaço que me assola em grande parte dos dias. Contudo, e a bem da verdade, tenho tido bons momentos para além dos fotografados e isso é o que quero recordar.

Grata por tudo!💓

Em jeito de curiosidade deixo-vos o top 5 escolhido por vocês! E curioso também é que todas as fotos que tiverem mais gostos e visualizações têm rosto, cara e pessoas.
Fica a constatação!

Então aqui vai:

1 - O álbum impresso das férias de verão

2- Chá com a Mónica

3- No Madeira Viva com a Sofia Relva Borges

4- Jantar com as amigas Márcia, Celine e Sandra

5- Com o grande ator Ivo Canelas

Obrigada por estarem desse lado. E se tiverem curiosidade sigam a #mafabulouscoisasboas ou no meu perfil no Instagram ou no Facebook. Podem ainda sentir-se inspirados e criar as vossas coisas boas.

Beijos a todos e bom fim de semana.
Mafalda😙

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

O lado Doce da Europa- uma aventura com final feliz

Integrado nas comemorações oficiais do Ano Europeu para o Património Cultural, a Deputada ao Parlamento Europeu Cláudia Monteiro de Aguiar em parceria com o Centro de Informação Europe Direct Madeira (CIED Madeira) promoveu o Concurso Gastronómico “O lado Doce da Europa”.

O concurso teve como principal objetivo divulgar a gastronomia europeia, especificamente a doçaria, enquanto elemento importante da identidade e diversidade cultural dos  indivíduos, comunidades e sociedades.

As equipas tiveram que reproduzir uma receita - doce/sobremesa típica de um Estado Membro da União Europeia, fornecida aleatoriamente pela organização do concurso.

Aqui começa a aventura!

Quando fui entrevistar a Ângela Jesus para a rubrica “pessoas que eu recomendo” no inicio de março, não me passaria pela cabeça ver-me envolvida neste concurso. Enquanto falávamos, cozinhávamos, tirava fotos e fazia perguntas, surge a questão: Mafalda, quer ser minha parceira num concurso? Eu: concurso? Ângela: sim, de doces!…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…