Avançar para o conteúdo principal

Breakfast + lunch = Brunch


Não há tradução para brunch mas está no dicionário da língua portuguesa “Porto Editora” como sendo um nome masculino significando uma refeição geralmente tomada a meio da manhã, que serve de pequeno-almoço e almoço.
O brunch tem vindo a ganhar terreno sobre as refeições ditas tradicionais, por moda ou não, acaba por ser prático e ao contrário do que diz o dicionário penso que é mais usual ser tomado ao inicio da tarde.

Por todo o mundo o brunch é muito popular, em Portugal Continental é ver vários espaços que apresentam estes menus com diversos e variados preços como também diversas e variadas ofertas. Temos brunchs mais contidos, ou seja, servidos à mesa, e aquelas que são buffet, uma espécie de all you can eat. Em Lisboa e Porto, por exemplo, é ver estes espaços cheios de gente e sem marcação muito provavelmente será difícil arranjar uma vaga.

Aqui na Madeira não há tanta oferta mas descobri um por sugestão de uma amiga, que disse a uma amiga e essa amiga disse-me a mim. Fui espreitar e pelo sim pelo não reservei. Já vos falo sobre o assunto.

A minha experiência é pouca neste tipo de refeição, mas das vezes que fui gostei muito. Gosto da variedade de comida leve e mais nutritiva, associada a sushi, ou mesmo peixe fumado, ovos de variadas formas, sumos de fruta e flutes de champagne. Gosto! Gosto acima de tudo tentar fazer programas diferentes com os meus filhos e dar-lhes a conhecer outras formas de se alimentar que não seja a da subsistência. Ter prazer no momento e apreciar o que se come.

Como já tinha dito reservei um dia antes para a hora que achei mais razoável. À noite informei os meus filhos que no outro dia íamos ao brunch e que tinha desde waffles a sushi. Para surpresa minha ficaram eufóricos, não sei bem explicar porquê. Talvez por ser fora do formato ou simplesmente porque têm bom gosto.😂😂😂

Foi de tal forma a euforia que às 7 da manhã o Vasco chegou à minha cama com a pergunta: É hoje o brunch não é? Meu lindo filho, eram 7 da manhã!

À hora marcada chegamos ao SHU.AKA e tínhamos a nossa mesa à espera.

Serviram aos adultos uma flute de champagne e para todos da mesa o sumo do dia: era de morango e estava muito bom.

A comida foi chegando aos poucos mas de forma consistente.

Começou com uma taça de iogurte grego com sementes de chia, mel e amêndoas. Caso não gostem de banana a fruta pode ser substituída por outra que esteja disponível.

Depois veio o waffle com chocolate e smarties e uma taça de fruta. Aqui minha gente se já estavam entusiasmados a loucura instalou-se. Os olhos até brilhavam.

Depois veio o sushi (3 peças por pessoa) e uma tosta com abacate e ovos Benedict.

Para finalizar uma chávena de cappuccino.

Saímos de lá muito compostos e satisfeitos. Na minha opinião a única coisa que mudava, mais concretamente que acrescentava era a quantidade de sushi, mas pode ser um comentário suspeito pois eu e sushi temos uma relação de proximidade muito grande.

O brunch é servido aos sábados entre as 12h00 e as 15h00.

Fica a sugestão e caso queiram saber mais aqui ficam os contactos do SHU.AKA:

Morada: Rua das Fontes nº 19
9000-053 Funchal
Telefone:
927 388 784
Facebook:
https://www.facebook.com/SHUAKA-117327188343536/?epa=SEARCH_BOX

Nota: Todas as despesas foram pagas por mim. Esta é uma opinião com base na minha experiência pessoal durante a refeição.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…