Avançar para o conteúdo principal

A ver se este post é como o ketchup


Como diz o nosso querido Cris Ron: “os golos são como o ketchup”, custa a sair mas depois é ver o prato cheio (esta conclusão já é minha). Estou cheia de esperança que seja este o meu caso. Foi no dia 27 de julho que vos escrevi pela última vez (gostam do drama?). Fui conferir isso para ser certa e exata nas minhas palavras.

Não vos quero dar uma desculpa mas gostava de vos oferecer uma explicação (frase retirada das palavras da personagem de Jacqueline Kennedy na série “The Crown”, que segui com algum entusiasmo durante as férias de verão).

Então o que se passou foi o seguinte: Não conseguia nem me apetecia escrever, cozinhar, pensar ou usar as redes sociais. Deu-me uma quebra, um cansaço, algo repentino que me andava a fazer mal até eu conseguir ser minha amiga e me permitir a estar cansada sem que isso me atormentasse os pensamentos.

Não sou melhor nem pior que ninguém mas muitas vezes sou dura comigo e tendo a boicotar-me por coisas que até são normais. E para piorar a autocensura punha-me a tentar escrever e a fazer grandes cozinhados que depois não saíam nada de jeito. Na verdade sabia que esse não era o caminho, mas insisti e não resultou… o tempo foi passando.

Parar foi uma boa opção. Respirei e relativizei. Fui de férias, viajei, vi coisas novas e diferentes, passei mais tempo de qualidade com a família e acima de tudo, o que me fez mesmo bem foi não ter horários nem obrigações.

Permiti-me a isso! Sem dramas nem pesos na consciência.

Tenho coisas para organizar na minha cabeça, no trabalho e dar respostas que ficaram pendentes. Sei que tenho de fazer isso tudo. Sei também que o ano letivo está a começar e esta época em particular é stressante para mim. Os livros, os cadernos, as mochilas, tudo forrado e organizado não é mesmo a minha cena. Sinto sempre que podia fazer melhor e mais lindo mas não é uma coisa que me dê prazer fazer. Eu e os trabalhos manuais e bricolages e afins não dá mesmo!

Vejo outros pais super organizados e eu enfim… Mais uma faceta minha que tenho de aceitar. Nunca chumbaram um ano devido à minha fraca perícia ou deixaram de ter o material que necessitavam.

Tenho de vos dizer que depois das férias fico também com mais vontade de abrandar, de mudar o ritmo. Esta vida de escola, atividades e música e desporto e todas as solicitações custam-me um bocado e acho mesmo que não é natural andarmos a viver nestas correrias para termos filhos melhores e mais capazes e preparados para a vida. Até porque ninguém é dono do futuro e gente cheia de skils não será necessariamente uma pessoa realizada e plena. Mas, enquanto nada fizer para mudar, vou-me adaptando ao que há e que é a realidade de quase toda a gente.

De resto está tudo bem e recomenda-se. Vai que depois de ler isto o nosso Cris Ron começa a marcar golos como se não houvesse amanhã e aí a Juve vai ver-se na obrigação de fazer um contrato comigo.
Prometo estar por aqui com a regularidade do costume até porque, e sem esquizofrenias de discurso, é algo que me dá prazer!

Beijos a todos,
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos.

Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela, mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim.

As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias.

Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia.
Ingredientes Secos

- 2 chávenas de flocos de aveia;
- 1 colher de chá de fermento;
- 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais);
- 1 pitada de sal;
- 1 colher de sopa de açúcar de coco

Ingredientes líquidos

- 2 chávenas de leite;

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…