Avançar para o conteúdo principal

Furacão Leslie: que mania têm as entidades de stressar as pessoas. Irra!


Olha agora cancelam tudo! Tanta coisa e está tanto sol! Onde andas tu Leslie? Este furacão é um babaca! Tive tanto cuidado para nada!

Estas são umas, entre outras coisas, que fui ouvido e lendo neste fim de semana em que a Madeira esteve em alerta de perigo devido à passagem do Furacão Tropical Leslie.

Ora bem, eu só vi furacões em séries, documentários e filmes. Felizmente nunca senti na pele tal fenómeno da natureza. Mas pelo que vi a “coisa” não é para brincos. Tanto é que já em solo (onde o furacão começa a perder força – sei disto pelos documentários), nomeadamente na zona centro do país, mais nomeadamente na Figueira da Foz o cenário não foi nada animador.

Ora vejam uma das notícias:

Leslie deixa árvores caídas, estradas cortadas e cidades às escuras

ou ainda:

“É uma catástrofe absolutamente inédita”. O rasto da tempestade entrou pela Figueira da Foz

Nós tivemos muita sorte é o que é. A rota desviou-se para 320km a noroeste da Madeira e assim “só” tivermos rajadas de 118km hora e umas ondas gigantes, mas que não mataram ninguém. Parece que só é grave se houver perda de vidas humanas. E não foi mais grave porque o furacão se deslocou, não porque a proteção civil tenha exagerado nos seus alertas. Também não se verificaram mais perdas porque, tenho a certeza que muita gente como eu, seguiu as normas de segurança e evitou as zonas altas, as zonas costeiras, recolheu os seus bens para dentro de casa, entre outras medidas.

Não estou aqui para moralismos, estou apenas a emitir a minha opinião e agradecer todo o trabalho que as entidades públicas fazem pela proteção da sua população dando as ferramentas ao seu dispor (neste caso informação) para que todos os efeitos menos bons sejam minimizados.

Podia ainda especular sobre qual a possibilidade de um furacão tropical atingir o norte da Europa, mas isso já é conversa de uma pessoa chata que tem a mania da reciclagem e desliga as tomadas das fichas e que passa a vida a desligar as luzes e que gosta de aproveitar as coisas em vez de andar sempre a comprar. Diz quem sabe que é coisa que vem para ficar, ou seja, estes fenómenos, até então raros, vão deixar de o ser.

Paciência! E muito sinceramente, a minha perfeição está longe de ser perfeita, daí que não estou com moralismos, apenas a dar a minha opinião.

Aos meus amigos que tiveram familiares com estragos e não devem ter ganhado para o susto, um beijo grande e ainda bem que ninguém se magoou.

Mafalda

Fotografas retiradas do google.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…

Douradinhos de fazer inveja ao Capitão Iglo

Antes de 1993, ano que foi lançado o anúncio televisivo dos Douradinhos do Capitão Iglo, onde este oferecia o seu tesouro a uma tribo de índios, toda a gente comia peixe panado. A verdade é que a campanha pegou e o nome douradinhos também. De certa forma, foi a maneira de as crianças comerem peixe sem que fosse um drama.

Felizmente, as coisas mudaram e comer peixe deixou de ser um problema, ainda que quando ele aparece no prato os miúdos fiquem a olhar para mim com um ar desolado. Paciência que é bom e faz bem!

Eles gostam de douradinhos por isso decidi fazê-los à minha maneira.

Como já referi, os douradinhos são peixe panado. Ao fazê-los em casa, garantimos que não levam conservantes e sabemos exatamente quais os ingredientes que vamos ingerir.

Para 4 pessoas usei:
500 gr de filetes de pescada
2 ovos
100 gr de panko (pão ralado japonês)
50 gr de queijo parmesão
15 gr de coentros frescos

Como fiz:
Pré-aqueci o forno a 200º

Forrei um tabuleiro com uma folha de papel vegetal

Cortei o p…