Avançar para o conteúdo principal

O Masterchef Austrália tira-me o sono!


Já mais do que uma dúzia de vezes! O Masterchef Austrália é transmitido na SIC Mulher entre as 22h30m e a meia noite. Estou ali no limbo do “vai não vai”, já com um olho meio fechado, mas depois começa o programa e os meus sentidos despertam.

O que devia ser um programa de entretenimento é para mim uma angústia. Não digo isto no mau sentido, até porque posso vê-lo no dia seguinte. A minha ansiedade vem do facto de ganhar as dores dos concorrentes: fico aflita quando as coisas não saem bem, quando falta pouco tempo para terminar a prova e ainda lhes faltam tantos elementos, quando o chefe lhes diz que o prato que estão a preparar não faz sentido… Ui, que agonia!!!

Eu nem gosto de concursos culinários, sou fã sim dos programas onde se aprende a cozinhar, mas o Masterchef Austrália está muito bem feito e já lá vão 10 anos de programa. Não vos querendo mentir, vi todas as temporadas. Faz parte desta minha última década.

Curiosamente, foi num concurso de culinária que comecei a dar vida a esta minha paixão pela comida. Há cinco anos a minha irmã desafiou-me para um concurso de equipas: o 2.º FN Kitchen Team Cup. A minha apreensão inicial foi-se diluindo e, feitas as contas, foi um grande prazer participar naquele desafio.

O que é estranho é como de fora as situações ganham outra dimensão, ou seja, eu ficava nervosa antes de começar a prova, mas depois o prazer de cozinhar era tanto que não sentia pressão nenhuma. Talvez pela minha irmã estar ao meu lado e saber que estava bem amparada. Lembro-me de as minhas amigas Márcia e Celine, que foram incansáveis no seu apoio, dizerem-me que ficavam nervosas e que a vontade delas era ajudar. Eu confesso que não sentia pressão nenhuma. Apenas era bom estar ali a fazer uma coisa que gostava.

Agora sou eu a ficar de olho aberto cheia de empatia por aqueles bravos cozinheiros que se expõem e se desafiam em grande escala.

E por falar em desafio, é isso que nos move em quase tudo na vida, dá-nos perspetiva e põe-nos à prova, tira-nos da zona de conforto, lugar comum, mas que faz todo o sentido. Na véspera da final do “nosso” concurso, também eu perdi o sono, mas valeu bem a pena!

Mafalda


Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…