Avançar para o conteúdo principal

Despensa arrumada vamos tratar dos frescos


E é aqui que temos que fazer uma grande pausa, respirar fundo e pensar muito bem. Os frescos são uma tentação. Estão frescos (claro que sim), são bonitos, estão bem expostos e ficamos com a sensação que podemos levar um boa porção de cada um, pois são saudáveis e vão fazer as nossas delícias toda a semana e toda a vida.

Por isso insisto: calma. Tirando a fruta, que voa na minha casa, todos os outros frescos rendem. Uma couve, por exemplo, dá para várias refeições e até pode ser preciso congelá-la. Passo a explicar e novamente vamos por categorias para ficar mais fácil.

Fruta – Dar preferência à fruta de época pelas razões óbvias: está na sua melhor maturação e também mais barata. No entanto, se vos apetecer comer cerejas em fevereiro, e as tiverem à disposição, comprem-nas que vai saber-vos bem. Existem frutas com maior durabilidade como as maçãs, peras, laranjas e bananas que, no tempo mais fresco, conservam-se bem à temperatura ambiente. Os morangos, os frutos vermelhos e a papaia, entre outros, são mais sensíveis e devem ser consumidos nos dias seguintes à sua compra. Façam contas na hora das compras: quantas peças costumam comer por dia? Pretendem fazer sumos ou batidos durante a semana? Se a fruta começar a ficar estragada cortem-na e congelem.

Vegetais – Devemos consumi-los em todas as refeições e de diversas formas. Na sopa, cozidos, ao vapor, salteados, não importa… desde que estejam no prato! Contudo, para as sopas não precisam de grandes quantidades. Por exemplo, um ramo de bróculos, três curgetes, uma cenoura, uma cebola e uma batata-doce (opção) fazem uma sopa que dá para duas refeições (almoço e jantar) para quatro pessoas. Claro que se só comerem sopa não dará para tantas refeições. Mais uma vez, façam as vossas contas. Eu costumo ter acelgas (um molho), feijão-verde (meio quilo), quatro nabos, seis cenouras, seis pimpinelas (chuchu). Na semana seguinte alterno com pimentos, couve-flor, beterraba, abóbora amarela,…

Folhas – Estas com certeza encontram-se dentro da categoria das mais sensíveis. Não vale a pena comprar muita alface de uma só vez e quem diz alface diz rúcula, canónigos, agrião, espinafres. Até porque podemos alternar com os vegetais e aí é pensar nos acompanhamentos que vamos ter. As saladas podem ser variadas usando mistura de folhas, tomate, cebola, cenoura. Pensem no que gostam.

Cebola e alho – Tenho sempre porque uso muito. Ter em atenção quando se compra. Devem estar firmes ao toque. Outro indicador são aquelas moscas da fruta, pequeninas e chatas. Se andarem lá perto, não comprem.

Leite, iogurtes, natas, queijos – Aconselho também a fazer as contas dos consumos familiares para evitar que passem do prazo.

Carne, peixe e mariscos – Comprar pouco, mas com qualidade. Deixo ao vosso critério as proteínas animais que mais gostam, mas tenham atenção aos seguintes aspetos que, para mim, primam pela qualidade: carne de pasto livre e peixe de mar, tal como os mariscos; produtos regionais e nacionais são melhores, pois deram menos passeios dentro de arcas frigoríficas.

E agora já estão prontos para começar a programar a vossa ementa semanal. No próximo artigo vamos tratar de por a comida na mesa.

Releiam:
e

Boa semana para todos😘.

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

O lado Doce da Europa- uma aventura com final feliz

Integrado nas comemorações oficiais do Ano Europeu para o Património Cultural, a Deputada ao Parlamento Europeu Cláudia Monteiro de Aguiar em parceria com o Centro de Informação Europe Direct Madeira (CIED Madeira) promoveu o Concurso Gastronómico “O lado Doce da Europa”.

O concurso teve como principal objetivo divulgar a gastronomia europeia, especificamente a doçaria, enquanto elemento importante da identidade e diversidade cultural dos  indivíduos, comunidades e sociedades.

As equipas tiveram que reproduzir uma receita - doce/sobremesa típica de um Estado Membro da União Europeia, fornecida aleatoriamente pela organização do concurso.

Aqui começa a aventura!

Quando fui entrevistar a Ângela Jesus para a rubrica “pessoas que eu recomendo” no inicio de março, não me passaria pela cabeça ver-me envolvida neste concurso. Enquanto falávamos, cozinhávamos, tirava fotos e fazia perguntas, surge a questão: Mafalda, quer ser minha parceira num concurso? Eu: concurso? Ângela: sim, de doces!…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…