Avançar para o conteúdo principal

Despensa arrumada vamos tratar dos frescos


E é aqui que temos que fazer uma grande pausa, respirar fundo e pensar muito bem. Os frescos são uma tentação. Estão frescos (claro que sim), são bonitos, estão bem expostos e ficamos com a sensação que podemos levar um boa porção de cada um, pois são saudáveis e vão fazer as nossas delícias toda a semana e toda a vida.

Por isso insisto: calma. Tirando a fruta, que voa na minha casa, todos os outros frescos rendem. Uma couve, por exemplo, dá para várias refeições e até pode ser preciso congelá-la. Passo a explicar e novamente vamos por categorias para ficar mais fácil.

Fruta – Dar preferência à fruta de época pelas razões óbvias: está na sua melhor maturação e também mais barata. No entanto, se vos apetecer comer cerejas em fevereiro, e as tiverem à disposição, comprem-nas que vai saber-vos bem. Existem frutas com maior durabilidade como as maçãs, peras, laranjas e bananas que, no tempo mais fresco, conservam-se bem à temperatura ambiente. Os morangos, os frutos vermelhos e a papaia, entre outros, são mais sensíveis e devem ser consumidos nos dias seguintes à sua compra. Façam contas na hora das compras: quantas peças costumam comer por dia? Pretendem fazer sumos ou batidos durante a semana? Se a fruta começar a ficar estragada cortem-na e congelem.

Vegetais – Devemos consumi-los em todas as refeições e de diversas formas. Na sopa, cozidos, ao vapor, salteados, não importa… desde que estejam no prato! Contudo, para as sopas não precisam de grandes quantidades. Por exemplo, um ramo de bróculos, três curgetes, uma cenoura, uma cebola e uma batata-doce (opção) fazem uma sopa que dá para duas refeições (almoço e jantar) para quatro pessoas. Claro que se só comerem sopa não dará para tantas refeições. Mais uma vez, façam as vossas contas. Eu costumo ter acelgas (um molho), feijão-verde (meio quilo), quatro nabos, seis cenouras, seis pimpinelas (chuchu). Na semana seguinte alterno com pimentos, couve-flor, beterraba, abóbora amarela,…

Folhas – Estas com certeza encontram-se dentro da categoria das mais sensíveis. Não vale a pena comprar muita alface de uma só vez e quem diz alface diz rúcula, canónigos, agrião, espinafres. Até porque podemos alternar com os vegetais e aí é pensar nos acompanhamentos que vamos ter. As saladas podem ser variadas usando mistura de folhas, tomate, cebola, cenoura. Pensem no que gostam.

Cebola e alho – Tenho sempre porque uso muito. Ter em atenção quando se compra. Devem estar firmes ao toque. Outro indicador são aquelas moscas da fruta, pequeninas e chatas. Se andarem lá perto, não comprem.

Leite, iogurtes, natas, queijos – Aconselho também a fazer as contas dos consumos familiares para evitar que passem do prazo.

Carne, peixe e mariscos – Comprar pouco, mas com qualidade. Deixo ao vosso critério as proteínas animais que mais gostam, mas tenham atenção aos seguintes aspetos que, para mim, primam pela qualidade: carne de pasto livre e peixe de mar, tal como os mariscos; produtos regionais e nacionais são melhores, pois deram menos passeios dentro de arcas frigoríficas.

E agora já estão prontos para começar a programar a vossa ementa semanal. No próximo artigo vamos tratar de por a comida na mesa.

Releiam:
e

Boa semana para todos😘.

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…

Douradinhos de fazer inveja ao Capitão Iglo

Antes de 1993, ano que foi lançado o anúncio televisivo dos Douradinhos do Capitão Iglo, onde este oferecia o seu tesouro a uma tribo de índios, toda a gente comia peixe panado. A verdade é que a campanha pegou e o nome douradinhos também. De certa forma, foi a maneira de as crianças comerem peixe sem que fosse um drama.

Felizmente, as coisas mudaram e comer peixe deixou de ser um problema, ainda que quando ele aparece no prato os miúdos fiquem a olhar para mim com um ar desolado. Paciência que é bom e faz bem!

Eles gostam de douradinhos por isso decidi fazê-los à minha maneira.

Como já referi, os douradinhos são peixe panado. Ao fazê-los em casa, garantimos que não levam conservantes e sabemos exatamente quais os ingredientes que vamos ingerir.

Para 4 pessoas usei:
500 gr de filetes de pescada
2 ovos
100 gr de panko (pão ralado japonês)
50 gr de queijo parmesão
15 gr de coentros frescos

Como fiz:
Pré-aqueci o forno a 200º

Forrei um tabuleiro com uma folha de papel vegetal

Cortei o p…