Avançar para o conteúdo principal

Arroz de peixe e camarão no âmbito da Economia Circular


Este prato pode parecer um luxo porque levou camarão mas, mesmo assim, se fizer as contas não deve ter passado de 2 euros por porção (já a contar com água e luz).

Ora bem meus caros, a vida não está para brincadeiras. Nem a nível económico nem a nível de recursos naturais. Esta semana, celebrou-se o dia mundial do meio ambiente (5 de junho) e muito se falou no desperdício, na utilização excessiva de recursos, dos plásticos, da quantidade de lixo que produzimos e dum conceito que me era desconhecido, mas que é o novo paradigma: a Economia Circular.

A economia circular, dentro das nossas casas, passa por reaproveitar tudo o que temos dando bom uso a todos os recursos.
Numa escala global “é um conceito estratégico que assenta na redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia. Substituindo o conceito de fim-de-vida da economia linear, por novos fluxos circulares de reutilização, restauração e renovação, num processo integrado, a economia circular é vista como um elemento chave para promover a dissociação entre o crescimento económico e o aumento no consumo de recursos, relação até aqui vista como inexorável.”

Saibam mais aqui. http://eco.nomia.pt/pt/economia-circular/estrategias

Eu já faço a minha “reciclagem” há muito tempo, a literal e a figurativa (aproveito tudo). Passando da economia para a espiritualidade, eu não deito nada fora porque “o Jesus não gosta!”
E ainda dizem que a educação que damos às crianças não serve para nada?
Eu cresci com esta frase e com a “come que os meninos de África queriam tanto comer e não têm!”.
Adiante que quero falar-vos do arroz de peixe com camarão.

Ora portanto,
tinha meio robalo no frigorífico e o que restava dele não dava para uma refeição para quatro pessoas.

Tinha, também, guardado no frigorífico pimentos vermelhos assados (vejam aqui como se faz)  e tomate já a querer ficar estragado e um pacote de arroz a querer acabar. A acrescentar a isto tudo meio pacote de tomate frito, ou seja, restinhos disto e daquilo.

Bora lá então fazer um arroz de peixe! Mas… quando tirei a pele e as espinhas vi que a quantidade era menor do que aquela inicialmente tinha em mente, daí saírem os camarões do frigorífico.

Podem estar vocês a dizer que: peixe e camarão não é usar poucos recursos contudo, digo-vos que os camarões fiz dois para cada (para não haver desperdício) e o peixe já tinha sido de outra refeição.

Vamos então cozinhar que depois de tanta conversa isto vai parecer fácil.
Refoguei num fio de azeite uma cebola branca e 3 dentes de alho.

Quando ficaram lourinhos juntei o tomate frito e aos restinhos do pacote juntei água para não desperdiçar nada.
Uma chávena de arroz e misturei bem.

 Depois adicionei três chávenas de água. Temperei com um pouco de sal, tapei e deixei cozinhar o arroz quase até estar no ponto.
Digo quase porque queria adicionar o peixe e o camarão uns 4 minutos minutos antes de estar cozinhado. Já estavam cozidos, era só aquecer e dar gosto ao arroz.


Por fim juntei o tomate pelado (ver aqui como se faz), os pimentos assados e coentros frescos picados.

Como gosto dele malandrinho servi num prato fundo e ficou uma delícia.

Fica aqui a sugestão e claro que as vossas sobras poderão sempre ser adaptadas ou se tiveram o peixe fresco fica bom na mesma, têm é de por um bocadinho antes para este cozinhar bem.
Espero que gostem!
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…