Avançar para o conteúdo principal

Cebolas caramelizadas para ajudar à Festa


Estamos a começar a sentir que o nosso frigorífico mais parece um aglomerado de tupperwares com sobras, sobrinhas, sobretas.

É bom sinal, ou seja, não estamos a desperdiçar. No entanto, e eu sei bem disso, a maior parte das vezes não nos apetece comer “restos” porque andamos sempre a repetir os sabores.

Ora, estas cebolas caramelizadas ou cebolas agridoces poderão ser a solução para uma nova roupagem das nossas sobras. Nestas refeições costumo fazer algo fresco (feito na hora) para que a refeição não seja repetitiva e nos ajude a ir para a mesa sem pensar que vamos estar a comer o mesmo dos dias anteriores.

Vamos lá às cebolas:

2 Cebolas grandes
Azeite
1 Colher de sopa generosa de manteiga
70g ou 5 colheres de sopa de açúcar mascavo
3 Folhas de louro
125ml de vinagre de vinho tinto ou balsâmico
Como fiz:

Descasquei as cebolas e cortei-as em fatias grossas (mais ou menos 2cm). Numa frigideira com tampa, pus o azeite, a manteiga e o açúcar. Quando a manteiga derreteu, acrescentei as folhas de louro e as cebolas e deixei cozinhar uns 5 minutos. Acrescentei o vinagre, tampei a frigideira e em lume brando deixei cozinhar mais uns 25 minutos. Vão deitando o olho pois se o caramelo começar a ficar muito espesso acrescentem um pouco de água.

Com estas cebolas podem fazer uma sandes com sobras de carne, compor uma salada de vegetais, servir como entrada em cima de uma fatia de queijo, acompanha lindamente hambúrgueres ou ainda são ideais para as ótimas sugestões que possam ter e que não me tenha lembrado. Se assim for partilhem que gosto de saber.

Beijinhos e que a Festa continue a ser leve e feliz.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…