Avançar para o conteúdo principal

Chinesices de comer cá por casa


E hoje, com esta Primavera invernosa, está mesmo a pedir um prato diferente e delicioso para confortar e dar ânimo.

Eu gosto muito de comida asiática no seu geral e a comida chinesa não escapa a este gosto. Tive o primeiro contacto com este tipo de comida nos restaurante chineses, mas tal como os restaurante portugueses no estrangeiro, nunca se está a comer a comida real do país de origem. Os paladares são adaptados ao gosto do país onde estamos e costumo dar este exemplo em relação às pizas: no nosso país estas levam frango e ananás e molho cocktail para além de uma fatia já servir de refeição, em Itália isso não acontece, as pizzas são leves e com um recheio muito equilibrado.

Adiante, gosto muito de dumplings. Estes são uma espécie de bolinho que mais se assemelham a um ravioli e o seu recheio é do mais variado que possam imaginar, desde os vegetarianos aos mais compostos com carnes e camarão.

É uma das referências da comida chinesa por ser fácil de comer e versátil na hora de os preparar.
Em Berlin, no Thay Market, tive a oportunidade de provar uns dumplings deliciosos e fiquei com vontade de os cozinhar de forma regular mas não me tinha ainda dedicado a fazê-lo até porque para fazer um dumpling de raiz o ideal é fazer a própria massa. Eu não tenho muito tempo e foi por isso que quando os vi (dos bons) no Supermercado Chen (aquele supermercado chinês que já vos falei) não hesitei em comprar…não me arrependi.

Vamos lá cozinhar.

Ingredientes para 4 pessoas:

- 400 gr de dumplings congelados

- um grande molho de cogumelos chineses

- restos de fiambre de frango (ver aqui como se faz)

- 1 bolbo de citronela
- 3 dentes de alho
- molho de soja q.b
- sementes pretas de sésamo q.b. e opcional
- coentros q.b.
- óleo de sésamo

-sal
-pimenta
- chili sauce ou molho de malagueta q.b. e opcional

Como fiz:

Numa frigideira grande pus a refogar o alho e a citronela num fio de óleo de sésamo. Depois juntei os cogumelos, o frango partido aos cubos, temperei com molho de soja e deixei que ganhassem cor.



Deve ter sido à volta de uns 6 a 8 minutos todo o processo.
Depois retirei da frigideira e reservei.

Na mesma frigideira voltei a juntar um fio de óleo de sésamo e coloquei os dumplings, ainda congelados, fazendo-os ganhar cor de todos os lados. Quando estavam dourados cobri com água, temperei com sal e pimenta.


Deixei cozinhar por uns 6 minutos com a frigideira tapada.

Na travessa onde servi, juntei o primeiro preparado aos dumplings, polvilhei com coentros frescos e sementes pretas de sésamo.
Para eles pus molho de soja, para nós pus molho de malagueta para acompanhar.

Ficou uma delícia e aconselho a que experimentem porque vão gostar e assim ajuda a variar a vossa ementa de casa.
Espero que gostem da sugestão e que tenham um bom fim-de-semana.
Mafalda


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…