Avançar para o conteúdo principal

Sair da zona de conforto: o ruibarbo


Quando digo que este blogue é um desafio bem interessante não estou só a gastar palavras e espaço de armazenamento nas clouds do mundo virtual. É porque acima de tudo vocês, meus queridos, fazem de mim uma “agarradora” de desafios como eu nunca imaginei, e sabem?? Que bem que me sabe e aos poucos vou ganhando mais amor e confiança nesta brincadeira de cozinhar e de ter este espaço de partilha.

Há um ditado que diz “quanto mais nós agradecemos, mais coisas boas acontecem” e se confiarmos neste pensamento ainda se torna mais fácil e leve o nosso dia-a-dia.

Bem adiante, que a hora já vai avançada. Quem viu o Madeira Viva, no passado dia 12 de abril (quem não viu pode ver aqui), disse que tinha recebido uma presente da minha amiga Sara Freitas e que iria tentar durante esta semana partilhar convosco algumas receitas com este ingrediente: o ruibarbo. Eu só tenho a agradecer a sua gentileza e o desafio que me lançou: “Mafalda tenho montes de ruibarbo a crescer no meu quintal e não sei o que fazer com ele, vou trazer-te e depois dás-me as tuas ideias.” E assim foi, no outro dia tinha quase um quilo de ruibarbo nas minhas mãos.

Já tinha visto muitas receitas e programas com ruibarbo mas nunca o tinha cozinhado nem provado. Sabia que era ácido e muito usado em sobremesas para contrabalançar a acidez com o açúcar.
Como sempre quis fugir ao tradicional e fazer algo que viesse da minha cabeça. E quase como por instinto surgiu-me a primeira receita que vos vou dar. Com medo que se estragasse fiz ainda uma outra mais convencional mas também da minha cabeça. Portanto hoje temos bónus, um ingrediente, duas receitas.

Aqui na Madeira não se encontra ruibarbo à venda, se estiver enganada, agradeço que me corrijam e contribuam com a vossa experiência, no final do post deixo um link para uma loja que vende sementes de ruibarbo. A Sara disse-me que plantou no jardim e que foi água e sol o seu tratamento, por isso, parece-me que de forma simples podemos fazer crescer esta planta.

Vá vamos tratar da comida.

Molho/vinagrete de ruibarbo e compota de laranja
Ingredientes:
- 4 talos de ruibarbo
- um molho de salsa
- azeite
- sal
- pimenta
- 1 colher de sobremesa de compota de laranja

Comecei por grelhar o ruibarbo até ficar tenso e tostadinho.


Depois coloquei todos os ingredientes na trituradora e triturei (passo a redundância) até ficar com a textura desejada. O ruibarbo aqui faz o contraponto ácido do molho.


Serve para temperar saladas ou, então, para acompanhar marisco ou peixe. Podem substituir o sabor da compota.

Compota de ruibarbo, laranja e canela
Ingredientes:
- 500 gr de ruibarbo
- 1 laranja
- 300 gr açúcar
- canela a gosto



Eu fiz na bimby desta forma: juntei todos os ingredientes e cozinhei na velocidade 1, temperatura 100, durante 30 minutos. Passado esse tempo, mais 5 minutos, velocidade 1 temperatura varoma.

Na panela é deixar cozinhar pelo menos uns 40 minutos e mexer de vez em quando, aqui podem por a canela em pau e está pronto quando fizer o ponto de estrada. O ponto de estrada é quando passam a colher e abre-se um fenda que não se une automaticamente.

Deixei arrefecer, guardei em frascos tapados e coloquei no frigorifico.

Pronto! São estas as minhas sugestões e digo-vos que, para a primeira vez que manuseei este ingrediente e o provei, fiquei bastante satisfeita. Espero que gostem das sugestões.

Mafalda

Plantar Portugal - http://www.plantarportugal.org/index.php/sementes-horticolas/ruibarbo.html

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente.

A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos.

A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D
Pré-aquecer o forno a 200º.

Comecei por fazer o tempero do peixe:
Numa trituradora juntei:
-6 tomates secos
- 2 dentes de alho
- 1 pitada de sal
- uma mão cheia de mistura de especiarias
- duas mãos cheias de manjericão fresco
- azeite e vinagre
Tudo triturado até ficar uma pasta.

Coloquei os peixes num tabuleiro de ir ao forno …

Peitos de Frango com manteiga de amendoim

A receita é do grande Jamie Oliver, a execução é minha. E este post vai abordar várias temáticas. Aconselha-se uma cadeira confortável, um chá quente e muita paciência, mas vai valer a pena. Confiem 😃

Se calhar falo primeiro de como se faz e depois do resto. O que acham? Acho que ouvi um sim desse lado. Então aqui vai:

Pré-aquecer o forno a 190º na função grelhador.

Ingredientes:
- três peitos de frango
- um limão
- duas colheres de sopa de manteiga de amendoim
- um dente de alho
- malagueta a gosto
- água
- sal
- pimenta
-azeite

Preparação:

Comecei por golpear os peitos de frango e temperei com sal, pimenta, raspas de limão e azeite. Reservei.

Para o molho misturei duas colheres de sopa de manteiga de amendoim, com sumo de meio limão, um alho ralado e um pouco de água.

A água serve para deslaçar o molho que tem de ficar com uma consistência mais cremosa, diria tipo iogurte.
A receita dizia para usar uma frigideira que depois fosse ao forno. Como não tenho usei um tabuleiro de ir ao…

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira.
Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes).

O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe
A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal.

Como faço o meu picado:
- Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro;
- Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e fritar at…