Avançar para o conteúdo principal

Sair da zona de conforto: o ruibarbo


Quando digo que este blogue é um desafio bem interessante não estou só a gastar palavras e espaço de armazenamento nas clouds do mundo virtual. É porque acima de tudo vocês, meus queridos, fazem de mim uma “agarradora” de desafios como eu nunca imaginei, e sabem?? Que bem que me sabe e aos poucos vou ganhando mais amor e confiança nesta brincadeira de cozinhar e de ter este espaço de partilha.

Há um ditado que diz “quanto mais nós agradecemos, mais coisas boas acontecem” e se confiarmos neste pensamento ainda se torna mais fácil e leve o nosso dia-a-dia.

Bem adiante, que a hora já vai avançada. Quem viu o Madeira Viva, no passado dia 12 de abril (quem não viu pode ver aqui), disse que tinha recebido uma presente da minha amiga Sara Freitas e que iria tentar durante esta semana partilhar convosco algumas receitas com este ingrediente: o ruibarbo. Eu só tenho a agradecer a sua gentileza e o desafio que me lançou: “Mafalda tenho montes de ruibarbo a crescer no meu quintal e não sei o que fazer com ele, vou trazer-te e depois dás-me as tuas ideias.” E assim foi, no outro dia tinha quase um quilo de ruibarbo nas minhas mãos.

Já tinha visto muitas receitas e programas com ruibarbo mas nunca o tinha cozinhado nem provado. Sabia que era ácido e muito usado em sobremesas para contrabalançar a acidez com o açúcar.
Como sempre quis fugir ao tradicional e fazer algo que viesse da minha cabeça. E quase como por instinto surgiu-me a primeira receita que vos vou dar. Com medo que se estragasse fiz ainda uma outra mais convencional mas também da minha cabeça. Portanto hoje temos bónus, um ingrediente, duas receitas.

Aqui na Madeira não se encontra ruibarbo à venda, se estiver enganada, agradeço que me corrijam e contribuam com a vossa experiência, no final do post deixo um link para uma loja que vende sementes de ruibarbo. A Sara disse-me que plantou no jardim e que foi água e sol o seu tratamento, por isso, parece-me que de forma simples podemos fazer crescer esta planta.

Vá vamos tratar da comida.

Molho/vinagrete de ruibarbo e compota de laranja
Ingredientes:
- 4 talos de ruibarbo
- um molho de salsa
- azeite
- sal
- pimenta
- 1 colher de sobremesa de compota de laranja

Comecei por grelhar o ruibarbo até ficar tenso e tostadinho.


Depois coloquei todos os ingredientes na trituradora e triturei (passo a redundância) até ficar com a textura desejada. O ruibarbo aqui faz o contraponto ácido do molho.


Serve para temperar saladas ou, então, para acompanhar marisco ou peixe. Podem substituir o sabor da compota.

Compota de ruibarbo, laranja e canela
Ingredientes:
- 500 gr de ruibarbo
- 1 laranja
- 300 gr açúcar
- canela a gosto



Eu fiz na bimby desta forma: juntei todos os ingredientes e cozinhei na velocidade 1, temperatura 100, durante 30 minutos. Passado esse tempo, mais 5 minutos, velocidade 1 temperatura varoma.

Na panela é deixar cozinhar pelo menos uns 40 minutos e mexer de vez em quando, aqui podem por a canela em pau e está pronto quando fizer o ponto de estrada. O ponto de estrada é quando passam a colher e abre-se um fenda que não se une automaticamente.

Deixei arrefecer, guardei em frascos tapados e coloquei no frigorifico.

Pronto! São estas as minhas sugestões e digo-vos que, para a primeira vez que manuseei este ingrediente e o provei, fiquei bastante satisfeita. Espero que gostem das sugestões.

Mafalda

Plantar Portugal - http://www.plantarportugal.org/index.php/sementes-horticolas/ruibarbo.html

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos.

Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela, mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim.

As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias.

Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia.
Ingredientes Secos

- 2 chávenas de flocos de aveia;
- 1 colher de chá de fermento;
- 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais);
- 1 pitada de sal;
- 1 colher de sopa de açúcar de coco

Ingredientes líquidos

- 2 chávenas de leite;

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…