Avançar para o conteúdo principal

Os camarões da Manuela Pereira tornam a vida bem melhor


Mulher imparável e com uma energia infindável, Manuela Pereira é uma das pessoas que não podia deixar de recomendar. Esta cozinheira de mão cheia é a minha sogra, a minha santa sogra como costumo dizer, e que me lembre, já lá vão 18 anos, nunca comi nada feito por ela que não gostasse.

Nasceu em Lisboa, mas a Beira Alta faz parte dos seus genes e, como tal, nunca pode faltar comida na mesa. É filha única e mãe de um rapaz (o meu marido) e avó de dois meninos (os meus filhos).

Vamos conhecê-la!
Começou a cozinhar cedo, aprendendo algumas coisas com a mãe, mas aprendeu mais por ser curiosa. Os ingredientes vinham parar a casa e com eles dava asas à sua imaginação: “Morava em Gouveia, não fazia compras, o que vinha era o que se fazia. Gostava de testar bolos e os que não corriam bem iam parar a debaixo da cama para a minha mãe não perceber. Nos aniversários era eu que ajudava a empregada, mas era um prazer.”

Como deu conta do recado, à medida que cresceu, ganhou mais responsabilidades. “Deixámos de ter empregada e passei eu a assumir a cozinha. Também casei cedo, com um marido que nem ovos sabia estrelar e com grande vida social. Hoje estou com outra pessoa que ainda tem mais gosto em receber e fazer grandes convívios à volta da mesa, por isso já faço tudo sem pensar.”

Tornou-se mulher precavida. “Tenho sempre coisas em casa, poderei sempre arranjar qualquer coisa, nem que sejam uns ovos mexidos”, garante.

A organização, a forma como gosta de ter a sua cozinha, é o seu ponto forte. “Gosto de ter as coisas organizadas e normalmente penso nas refeições (convívios) com um ou dois dias de antecedência. Primeiro faço uma lista e, na véspera, vou ao supermercado comprar tudo o que preciso. Quando tenho os netos, o filho e a nora em casa, sei que vou ter de comprar peixe para assar e também massa e recheio para umas pizas. São pedidos que nunca mudam, mas que faço com muito gosto!”

Quando está a cozinhar, a melhor ajuda é não ter ninguém por perto. “Sou muito individualista na cozinha, tenho dificuldade em me concentrar quando estão sempre a fazer perguntas. Eu, no momento de cozinhar, estou a pensar no que vou fazer e tenho dificuldade em me abstrair das perguntas que vão surgindo; não ajuda, só atrapalha.”

Considera-se um bom garfo, gosta de quase tudo e de experimentar novos sabores e combinações, mas há exceções. “Não sou capaz de comer iscas, nem miudezas, nem coelho. A primeira foi por uma triste coincidência: fui convidada pelas minha amigas que estudavam medicina a estar presente no Teatro Anatómico enquanto faziam uma autópsia. A dada altura estavam a cortar o fígado do homem, que era de um tamanho monstruoso, e isso impressionou-me. Chego a casa e a minha mãe tinha iscas para o almoço. Pronto, foi o fim! Nunca mais. E coelho porque a minha avó criava os coelhos e eu andava com eles ao colo… depois apareciam-me no prato.”

Contudo, a maior parte das experiências e memórias culinárias são positivas. Este bisque de camarão que vamos aprender a fazer é uma das boas memórias. “Esta sopa, recorda-me a minha infância.  A minha mãe comprava uns camarões pequeninhos do rio (negros, escuros), que cozinhava em água, sal e casca de cebola. Quando cozidos ficavam vermelhos. Fazia os rissóis e usava as cabeças para fazer um caldo de camarão. Esta imagem ficou-me na cabeça e no paladar.”

Este prato acaba por ser um “dois em um”, aproveita todos os sabores e partes do camarão.
Fiquem então a saber como se fazem as gambas salteadas e o bisque (sopa) de camarão:
Para 6 pessoas:

2 kgs de gambas 20/30
-1 cebola
- 1 talo de citronela (opcional)
- Sal
- Limão
- Alho fresco
- Alho em pó
- Pimenta preta
- Farinha
- Whisky
- Azeite
- Fatias de pão
- Coentros

Preparação:
Se as gambas não estiverem descongeladas, fazê-lo num recipiente com água. Descascam-se, retirando as cabeças para uma panela eliminando as cascas.

Depois de limpas retirar a tripa (ver aqui como se faz). Temperar com sal, limão e alho em pó, reservando nesta marinada por uns 20 a 30 minutos.


Entretanto e, para adiantar trabalho, cozinhar as cabeças das gambas cobertas por água durante 30 minutos.

Nota da autora: a quantidade de água servirá de referência para a quantidade de sopa a fazer. O melhor é começar por fazer a sopa, pois os camarões salteados precisam de muito pouco tempo para ficarem prontos.

Sopa de cabeças ou bisque de camarão
Depois das cabeças cozinhadas durante meia hora, triturar tudo e passar por um coador fino e reservar o líquido.

Nota da autora: deve repetir-se este processo as vezes que forem necessárias para que não passem cascas para a sopa.


Num fio de azeite, refogar a citronela e a cebola até esta última estar translúcida.

Nessa altura adicionar uma chávena de farinha e deixar que incorpore no azeite e na cebola.


De seguida, junta-se o caldo de gambas e volta-se a triturar até obter um creme. Atenção: retirar a citronela antes de triturar.


Retificar os temperos, sal e pimenta preta, e servir com algumas gambas cozidas (durante 3 a 4 minutos) e com pedaços de pão frito em azeite e alho.



Gambas salteadas com alho e coentros

Numa frigideira grande adicionar uma quantidade generosa de azeite e 5 dentes de alho cortados em lâminas.

Quando o azeite estiver quente e o alho dourado, acrescentar as gambas uma a uma. É importante que não fiquem sobrepostas.

De vez em quando refrescar com uma tampinha de whisky.

O tempo de cozedura é até ficarem douradas.

Depois de prontas, polvilhar com os coentros frescos e bem picados.

E estas são as duas deliciosas propostas da Manuela Pereira. Espero que gostem, que partilhem e que fiquem com mais algumas opções na vossa lista de receitas.

Nós agradecemos e eu agradeço toda a sua disponibilidade de partilhar este momento comigo e com todos vocês.
Até breve,
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…

Douradinhos de fazer inveja ao Capitão Iglo

Antes de 1993, ano que foi lançado o anúncio televisivo dos Douradinhos do Capitão Iglo, onde este oferecia o seu tesouro a uma tribo de índios, toda a gente comia peixe panado. A verdade é que a campanha pegou e o nome douradinhos também. De certa forma, foi a maneira de as crianças comerem peixe sem que fosse um drama.

Felizmente, as coisas mudaram e comer peixe deixou de ser um problema, ainda que quando ele aparece no prato os miúdos fiquem a olhar para mim com um ar desolado. Paciência que é bom e faz bem!

Eles gostam de douradinhos por isso decidi fazê-los à minha maneira.

Como já referi, os douradinhos são peixe panado. Ao fazê-los em casa, garantimos que não levam conservantes e sabemos exatamente quais os ingredientes que vamos ingerir.

Para 4 pessoas usei:
500 gr de filetes de pescada
2 ovos
100 gr de panko (pão ralado japonês)
50 gr de queijo parmesão
15 gr de coentros frescos

Como fiz:
Pré-aqueci o forno a 200º

Forrei um tabuleiro com uma folha de papel vegetal

Cortei o p…