Avançar para o conteúdo principal

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo


Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mundo desconhecido, longe dos pais e de tudo o que lhe era familiar. Ele não ia de férias, nem era daqueles que tinha viagens de finalistas no 4.º ano. É toda uma diferença que faz dele o melhor do mundo na sua arte e uma referência para tantos jovens atletas.

Em agosto de 2014 escrevi-lhe esta mensagem:

“Caro Cristiano Ronaldo,
Escrevo, não escrevo, parece mal, parece bem... enfim... é hoje.
Muitos parabéns por tudo o que alcançou na sua vida profissional. Digo agora (não conseguiria pensar assim antes de ser mãe) que é com imenso respeito e até ternura que os seus feitos são tremendos. Um menino de 10 anos que sai da sua família para um mundo desconhecido e se torna no Cristiano Ronaldo de hoje é algo de que se deve orgulhar muito. A estrelinha da sorte teve de piscar, é verdade, mas tudo o resto é mérito seu e de quem o apoio durante estes anos. Acredito que não seja fácil viver permanentemente com todo este mediatismo mas a vida perfeita só nos contos da Disney.
Não é a toa que os momentos/acontecimentos/eventos onde está presente movem multidões, mas o mais engraçado é que se tornam momentos de família. Toda a gente quer levar os seus a conhecê-lo porque sim... vale a pena. Eu falo por mim, na minha casa é um herói! Nunca desobedeceu à mãe sempre comeu a sopa toda, dormiu cedo, enfim... uso-o para uso próprio.
Espero que tudo seja digno do esforço e da dedicação que tem tido e que a felicidade e a saúde sejam os seus melhores companheiros.
Mafalda
p.s.- Aqueles 3 golos com força e com vontade à Suécia puseram o meu filho mais novo (de 20 meses) a achar que a mãe estava a pirar, hehehe.”

Nunca obtive resposta nem o esperava, mas senti necessidade de falar a um “estranho” que para mim é quase da família.

Ontem, depois do jogo e do fantástico golo que marcou, o que mais me impressionou foi este rapaz ter um estádio inteiro a bater-lhe palmas. A sensação que não deve ter sido. Inimaginável! E não foi porque lhe saiu a sorte grande, foi por mérito e citando o Daniel Oliveira: “Um dia vamos contar aos nossos netos e eles vão achar que estamos a exagerar!”


Quanto à Mãe Dolores e Pai Dinis, só consigo imaginar o orgulho que devem ter e tiveram, no caso do pai, no Cristiano Ronaldo. Numa das entregas da Bola de Ouro, a Dolores foi criticada porque limpou as lágrimas a um lenço Chanel quando anunciaram o nome do filho! Por amor de Deus e dos Santos todos de todas as religiões! Se fosse eu era ranho do grosso; os meus filhos quando estão a jogar e fazem qualquer coisa boa, ou quando fazem uma peça de teatro na escola eu emociono-me e fico tão feliz que nem sei...imaginem esta mulher!

E pronto era isto, num dia em que as greves da TAP ou o genocídio da Síria passam para segundo plano e fala-se apenas de uma pessoa: o Cristiano Ronaldo.

A nível de comida, sei que o seu prato preferido é o macarrão guisado, a macarronada portanto. Eu não sou nada adepta deste prato, mas terei todo o prazer em partilhar esta refeição só para poder apertar-lhe a mão e dizer-lhe: Muito prazer Cristiano Ronaldo. Talvez até me atire a um abraço, mas isso depois logo se vê.

Mafalda
p.s.- todas as fotografias foram retiradas da internet.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…