Avançar para o conteúdo principal

Arroz de alheira na frigideira

À conta dos 10.234.345 programas de culinária que tenho visto nestes últimos dias, tenho tido a alheira a passear cá por casa (passeio resguardado só alternado do congelador para o frigorífico, depois para a panela e por fim já se sabe… para o estômago do agregado familiar).

É um ingrediente muito versátil e tenho conseguido dar-lhe um arzinho da sua graça, que não o pecaminoso e delicioso prato: alheira com ovo a cavalo. Ai o que gosto disso! Mas pronto Deus fez-me bonita, não me faz com um metabolismo acelerado e que sintetizasse enchidos em sais minerais, enfim… não se pode ter tudo! O senhor Deus teve de optar!😂😂😂😂😁😁😁

Não é que não visse programas de culinária antes desta quarentena se instalar, até porque os que estão a dar neste momento são todos repetidos, mas entre repetição e notícias COVID, nem tenho de pensar duas vezes na minha escolha.

Este arroz surge de várias receitas que, com os ingredientes certos e alguns que não queria que se estragassem, fazem um arroz diferente e saboroso ajudando a variar as nossas refeições no dia-a-dia. Acreditem, às vezes não é fácil ter ideias de refeições variadas.

O que precisei:

- 2 alheiras sem pele e cortadas às rodelas grossas (faço a conta de meia alheira por pessoa)
- a parte branca de um alho francês em rodelas finas
- 4 fatias de bacon que estavam abandonadas no frigorifico
- meio pimento vermelho que estava a precisar de ser usado
- 5 cogumelos portobello picados grosseiramente
- 2 dentes de alho picados
- 300 gr de ervilhas cozinhas
- folhas e talos de coentros
- arroz basmati (uma chávena grande é o que costumo usar para 4 pessoas)
- folha de louro
- sal
- pimenta preta
- azeite
- vinagre

Acho que é tudo!

Comecei por fritar a alheira com o bacon até ficarem tostadinhos. Reservei.
Cozi o arroz com uma folha de louro, 1 dente de alho, sal, azeite e água. Uns 12 minutos com o triplo da água, ou seja, para uma chávena de arroz ponho 3 de água.
Numa frigideira tipo wook, onde já tinha fritado a alheira, coloquei um fio de azeite e refoguei o alho francês, os cogumelos, depois acrescentei os pimentos, os talos de coentros, um dente de alho deixei que ficassem molinhos. Temperei com sal e pimenta e um pouco de vinagre. É preciso alguma acidez neste arroz senão vai ficar muito gorduroso. Juntei a alheira e reservei.


O arroz depois de cozido, escorri e passei por água fria. Quis arrefecê-lo para o grão ficar mais consistente. Ao lume juntei o arroz à frigideira com o preparado de alheira, envolvi bem, juntei as ervilhas, retifiquei temperos e polvilhei com coentros frescos.

Feito!
Servi com salada.

Espero que gostem da sugestão e experimentem fazer. O que sobrar podem aquecer ou então seguir esta outra sugestão: Restos à La Carte.

Boa semana,
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos. Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela , mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim. As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias. Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia. Ingredientes Secos - 2 chávenas de flocos de aveia; - 1 colher de chá de fermento; - 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais); - 1 pitada de sal; - 1 colher de sopa de açúcar de coco Ingredientes líquidos

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e