Avançar para o conteúdo principal

Jantar de amigas com tanta coisa boa à mistura


Estes dias, menos ativa neste cantinho, deve-se a uma fase de mudança que anda a ocorrer aqui para estes lados. Nada de especial mas como toda a mudança requer um período de adaptação, reprogramação e muita inspiração seguida de expiração.

Mas como nada acontece por acaso, este fim-de-semana foi tudo o que eu precisava. Casou-se a minha querida amiga Manuela e com isso a oportunidade de estar com as minhas queridas Elisabete, Andreia, Guida. Faltou a Patrícia por motivos de bebé pequeno mas foi como se lá estivesse.
Apesar da chuva e do frio foi um dia lindo e muito feliz. Nada podia ser diferente. Felicidades para os noivos ❤

Na véspera do casamento a Elisabete organizou um jantar em sua casa. Como sempre fazemos, todas contribuímos com alguma coisa e assim fica mais ágil.

O mais normal é levar bebida, uma entrada ou um doce. Contudo, estivemos a pensar que não queríamos grandes banquetes pois o jantar já seria tardio. Eu até já tinha pensado fazer um post sobre o assunto: “Porque sobra sempre (montes) de comida nas festas, convívios e afins”, mas ficará para outro dia.

Adiante, a mim calhou-me levar uma entrada/salada. À primeira vista pode parecer limitativo por dois motivos essenciais: simples demais (quem quer uma entrada de alface e tomate?) e porque não dá jeito nenhum levar salada para a casa de ninguém.

Então vamos lá saber o que levei, como transportei e depois como servi esta salada que acompanhou o delicioso Bacalhau à Brás feito pela dona da casa.

Salada de espargos, espinafres e rabanetes com vinagrete de mostarda e limão

Para 5 pessoas:
300 gr de espinafres frescos e verdes
200 gr de folhas de espinafre baby e frescas
150 gr de rabanetes

Para o vinagrete:
- 1 limão
- 1 colher e sopa de mostarda Dijon
- 2 dentes de alho
- sal
-azeite
- vinagre balsâmico

Como fiz:

Comecei por escalfar os espargos numa panela com água e sal. Escalfar significa cozinhá-los por pouco tempo, neste caso, depois de levantarem fervura, desliguei o lume e deixei-os ficar dois minutos. Depois retirei-os e arrefeci-os em água fria. Reservei.

Laminei os rabanetes numa mandolina e reservei.

O vinagrete fi-lo num frasco. Facilita a mistura dos ingredientes e fica pronto para levar.
Para dentro do frasco ralei os dentes de alho.

Juntei a mostarda.

O sumo de limão.

O azeite, o vinagre e um pouco de sal.

Agitar bem o frasco, provar, retificar e está pronto.

Para levar, coloquei os espargos e os rabanetes num tupperware. Guardei os espinafres (que estavam embalados) e também o vinagrete.

Transporte fácil e pouco pesado.
Na casa da Elisabete coloquei numa saladeira os espargos, depois as folhas de espinafre e por fim os rabanetes.



Só quando fomos para a mesa é que temperei com o vinagrete para não “cozer” as folhas dos espinafres.
Misturar bem e… voi lá… fica tudo pronto e delicioso.

Espero que gostem da sugestão e da próxima vez que tiverem de levar alguma coisa para a casa de alguém pensem nesta bela saladinha.
Foi um jantar tão bom que nem vos conto. Fez bem a tudo. Obrigada minhas queridas do coração.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos.

Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela, mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim.

As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias.

Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia.
Ingredientes Secos

- 2 chávenas de flocos de aveia;
- 1 colher de chá de fermento;
- 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais);
- 1 pitada de sal;
- 1 colher de sopa de açúcar de coco

Ingredientes líquidos

- 2 chávenas de leite;

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…