Avançar para o conteúdo principal

Ratatouille, o prato que convenceu o mais temido dos críticos


Quem gosta de cozinhar e tudo o que envolve este meio, com certeza, não deixou passar ao lado o filme animado “Ratatui”. Este filme representa, de certa forma, o que acredito ser o poder da comida: uma experiência, um prazer. A ideia do seu criador foi fantástica e deixo aqui um grande abraço ao Brad Bird, autor e realizador do filme. Hehe

Resumindo, o grande e temido crítico gastronómico de França, Anton Ego, é surpreendido por um prato de ratatoille servido pelo mais improvável cozinheiro, não só da França, mas de todo o mundo: um rato de seu nome Remy.

Como já referi, a comida tem esse poder: de nos transportar, de nos avivar memórias, de nos unir, de nos dar prazer. Bons ingredientes aliados a uma boa confeção fazem da comida um deleite.

Bem, vou parar de divagar e vos explicar como fiz o meu Ratatouille. Talvez deva explicar que este prato francês, mais concretamente da Provença, é um guisado de legumes em que se notam influências espanholas e italianas. O nome significa «picar, triturar», mas podemos traduzir também como «ragu de legumes» ou «prato de beringelas».

Para preparar o ratatouille não pode faltar beringela nem tomate. Com os restantes ingredientes há mais liberdade. Foi isso que fiz.

Pré-aqueci o forno a 200º e forrei uma forma de bolo inglês com uma folha de papel vegetal.
Se tiverem uma mandolina vai ajudar-vos bastante na composição deste ratatouille, se não tiverem, cortem os legumes bem fininhos.

Comecei pela beringela e dispus de forma a fazer uma cama.

Depois os cogumelos.

De seguida os pimentos.

Rodelas de curgete.

Rodelas de cebola (fui temperando entre as camadas com um bocadinho de sal e alho em pó).

Alho francês.

Depois cobri com tomate triturado misturado com garam masala (mistura de especiarias).

Por fim bati dois ovos com uma colher de queijo creme e verti por cima dos vegetais.

Antes de ir ao forno ralei queijo parmesão.

Levei ao forno 30 minutos.

Passado esse tempo retirei do forno e deixei arrefecer. É provável que liberte algum líquido mas aproveitem-no pois é super saboroso.

Para mim serviu de refeição mas para eles foi um acompanhamento. É uma boa forma de comer vegetais tão importantes na nossa alimentação.
Espero que gostem da sugestão e não se esqueçam de cozinhar sempre com o coração (e com as mãos tb ajuda).😀
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e

Peitos de Frango com manteiga de amendoim

A receita é do grande Jamie Oliver, a execução é minha. E este post vai abordar várias temáticas. Aconselha-se uma cadeira confortável, um chá quente e muita paciência, mas vai valer a pena. Confiem 😃 Se calhar falo primeiro de como se faz e depois do resto. O que acham? Acho que ouvi um sim desse lado. Então aqui vai: Pré-aquecer o forno a 190º na função grelhador. Ingredientes: - três peitos de frango - um limão - duas colheres de sopa de manteiga de amendoim - um dente de alho - malagueta a gosto - água - sal - pimenta -azeite Preparação: Comecei por golpear os peitos de frango e temperei com sal, pimenta, raspas de limão e azeite. Reservei. Para o molho misturei duas colheres de sopa de manteiga de amendoim, com sumo de meio limão, um alho ralado e um pouco de água. A água serve para deslaçar o molho que tem de ficar com uma consistência mais cremosa, diria tipo iogurte. A receita dizia para usar uma frigideira que depois fosse ao forno.