Avançar para o conteúdo principal

Alheira em tacinhas com ovo a cavalo


De vez em quando sabe-me bem comer refeições mais tracionais, não as como mais vezes pois sei que não são as mais saudáveis e também porque se comesse alheira e enchidos todos os dias estava uma bola redondinha assim a puxar para a elefanta.

Adiante. “A alheira é um enchido típico da culinária portuguesa cujos principais ingredientes podem ser carne de aves, pão, azeite, banha, alho e colorau. Na região de origem a norte de Portugal (Trás-os-Montes) a alheira é consumida grelhada, ou assada em lume brando, acompanhada por batata cozida com um fio de azeite, e legumes da época variados. Mais a sul o mais natural é encontrar os menus com a alheira frita, batatas fritas, ovo estrelado e saladas de alface e tomate. Por vezes, é também acompanhada por grelos de couve ou de nabiça.”

In: Wikipédia

Na minha versão não consta fritura e fiz uma adaptação da alheira com ovo, tentado manter o meu foco numa confeção mais saudável. 

Nota: Atenção que este prato é fora de formato de uma refeição ligeira e com poucas calorias mas acho que deviam experimentar porque fica muito saboroso.

É de rápida preparação e o resultado final diferente. Tenho umas assadeiras individuais e foi aí que compus esta alheira no forno com ovo a cavalo.

Pré-aquecer o forno a 200º.

Para um prato piquei couve e raspei cenoura. Reservei.

Noutro usei a carne da alheira e misturei com 2 colheres de sopa de natas azedas. Reservei.

Depois passei à montagem:
- Na assadeira coloquei uma camada de tomate frito;

- Por cima a couve e a cenoura;

- Por fim a camada com o preparado da alheira.

Coloquei no forno durante 20 minutos. Depois retirei e abri um ovo para cima de cada tacinha e voltei a colocar no forno.
 

 Logo que a clara ficou branca desliguei o forno e deixei as tacinhas com o calor durante uns 4 minutos.

Depois polvilhei com coentros e flocos de malagueta. No deles pus só coentros. Fica a sugestão que espero que gostem e caso seja que a ponham em prática porque vai valer a pena.

Bom fim-de-semana.
Mafalda

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

O lado Doce da Europa- uma aventura com final feliz

Integrado nas comemorações oficiais do Ano Europeu para o Património Cultural, a Deputada ao Parlamento Europeu Cláudia Monteiro de Aguiar em parceria com o Centro de Informação Europe Direct Madeira (CIED Madeira) promoveu o Concurso Gastronómico “O lado Doce da Europa”.

O concurso teve como principal objetivo divulgar a gastronomia europeia, especificamente a doçaria, enquanto elemento importante da identidade e diversidade cultural dos  indivíduos, comunidades e sociedades.

As equipas tiveram que reproduzir uma receita - doce/sobremesa típica de um Estado Membro da União Europeia, fornecida aleatoriamente pela organização do concurso.

Aqui começa a aventura!

Quando fui entrevistar a Ângela Jesus para a rubrica “pessoas que eu recomendo” no inicio de março, não me passaria pela cabeça ver-me envolvida neste concurso. Enquanto falávamos, cozinhávamos, tirava fotos e fazia perguntas, surge a questão: Mafalda, quer ser minha parceira num concurso? Eu: concurso? Ângela: sim, de doces!…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…