Avançar para o conteúdo principal

Tentar, falhar e não parar!


Hoje venho falar-vos de comida mas não vou acabar com o “ficou ótimo, experimentem”. Escrevo este post porque muitas das vezes que me abordam dizem: ah mas tu fazes coisas tão boas, ah mas para ti sai tudo bem e o que é um elogio, digo eu, faz-me pensar um pouco sobre aquilo que vemos e que consumimos com os olhos e da forma como comunico a minha forma de cozinhar.

Ao partilhar as minhas refeições quero transmitir utilidade, facilidade, agilidade, sabendo que cada um tem o seu tempo e a sua técnica, jamais me passaria pela cabeça querer fazer parecer que é tudo perfeito e maravilhoso e que por um condão mágico tudo me sai bem. A verdade é que 99% das vezes assim o acontece mas há outras que não.

Já falei sobre o assunto, ou seja, por as coisas não nos correrem bem não quer dizer que não saibamos cozinhar ou que nunca seremos capazes de levar à mesa alguma coisa digna. A primeira vez que fazemos um prato, ou quando não temos aqueles ingredientes da receita e adaptamos, ou salgamos a comida, ou fica queimada… simplesmente acontece.

Foi o que me aconteceu ontem. Tinha tudo para dar certo, dediquei-me à confeção e o resultado foi razoável que é como quem diz comam que não há outra coisa. Eu até nem desgostei mas depois de ter pensado um pouco haviam coisas que podia ter feito diferente e outras que não, simplesmente não deu certo.

Comecemos então pelo início. Os meus filhos andavam-me a pedir bife desde a semana passada. Chego ao supermercado e fico na fila do talho quase meia hora pois não queria levar da cuvete, queria carne tenra. Esperei, pedi e fiquei a pensar: bem que valha a pena.

Tinha visto uma receita do Jamie onde falava numa salada de couves. As que referia na receita não as encontrei como couve kale, cavolo nero, roxa, entre outras. Encontrei acelgas, coração de boi e lombarda. Não era a mesma coisa mas ia servir.

O molho para esta salada consistia em ferver 300ml de leite com 5 dentes de alho e 4 filetes de anchovas. Fiz tudo direitinho.

 Entretanto coloquei por cima da panela do leite as couves para ficarem ligeiramente cozinhadas ao vapor.

Reduzi o leite com uma colher de mostarda, sal e vinagre balsâmico tal como dizia a receita. Ficou… mais ou menos.

Grelhei os bifes e tudo na mesa. Primeiro tive de fazer cuscuz que já me olharam de lado que havia pouco substância. Depois a carne estava rija que nem pedra e depois a salada de couve que terminei com parmesão fresco ralado, estava assim meia desenxabida. Não sei… Talvez se tivesse passado as couves pela mandolina, talvez se tivesse posto mais anchovas, talvez o leite tivesse de ser gordo, enfim… Não correu bem.

Repito, eu até nem desgostei mas senti que não era nada daquilo a que me tinha proposto. Comentários vários como: está quase lá mas não está, isto não está 5 estrelas, esta couve é horrível, nem com os dentes de trás se consigo mastigar a carne foram alguns dos permitidos (por mim). Tive de dizer chega que apesar de aceitar e crescer com a crítica, depois de um dia de trabalho e esmero, já estava no limite do meu: bico fechado e tudo de boa cara, quem quiser melhor que faça!

Isto para vos dizer o seguinte, não é uma andorinha que faz a Primavera e não devem autorrotular-se como maus cozinheiros ou pouco prendados para a cozinha quando uma refeição corre mal. Acontece! Só que ninguém partilha fotos de ovo estrelado com a gema toda deslaçada, ou de um peixe “à carvão”. E talvez não o façam porque acham que é feio partilhar, talvez seja, mas não é feio comer o que preparamos e que por um motivo ou outro não ficou “à lá chef”.

Usufruam das vossas refeições, bons cozinhados, boas tentativas e se acharem por bem experimentem esta sugestão nem que seja para confirmar que não vale a pena.

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…