Avançar para o conteúdo principal

Tentar, falhar e não parar!


Hoje venho falar-vos de comida mas não vou acabar com o “ficou ótimo, experimentem”. Escrevo este post porque muitas das vezes que me abordam dizem: ah mas tu fazes coisas tão boas, ah mas para ti sai tudo bem e o que é um elogio, digo eu, faz-me pensar um pouco sobre aquilo que vemos e que consumimos com os olhos e da forma como comunico a minha forma de cozinhar.

Ao partilhar as minhas refeições quero transmitir utilidade, facilidade, agilidade, sabendo que cada um tem o seu tempo e a sua técnica, jamais me passaria pela cabeça querer fazer parecer que é tudo perfeito e maravilhoso e que por um condão mágico tudo me sai bem. A verdade é que 99% das vezes assim o acontece mas há outras que não.

Já falei sobre o assunto, ou seja, por as coisas não nos correrem bem não quer dizer que não saibamos cozinhar ou que nunca seremos capazes de levar à mesa alguma coisa digna. A primeira vez que fazemos um prato, ou quando não temos aqueles ingredientes da receita e adaptamos, ou salgamos a comida, ou fica queimada… simplesmente acontece.

Foi o que me aconteceu ontem. Tinha tudo para dar certo, dediquei-me à confeção e o resultado foi razoável que é como quem diz comam que não há outra coisa. Eu até nem desgostei mas depois de ter pensado um pouco haviam coisas que podia ter feito diferente e outras que não, simplesmente não deu certo.

Comecemos então pelo início. Os meus filhos andavam-me a pedir bife desde a semana passada. Chego ao supermercado e fico na fila do talho quase meia hora pois não queria levar da cuvete, queria carne tenra. Esperei, pedi e fiquei a pensar: bem que valha a pena.

Tinha visto uma receita do Jamie onde falava numa salada de couves. As que referia na receita não as encontrei como couve kale, cavolo nero, roxa, entre outras. Encontrei acelgas, coração de boi e lombarda. Não era a mesma coisa mas ia servir.

O molho para esta salada consistia em ferver 300ml de leite com 5 dentes de alho e 4 filetes de anchovas. Fiz tudo direitinho.

 Entretanto coloquei por cima da panela do leite as couves para ficarem ligeiramente cozinhadas ao vapor.

Reduzi o leite com uma colher de mostarda, sal e vinagre balsâmico tal como dizia a receita. Ficou… mais ou menos.

Grelhei os bifes e tudo na mesa. Primeiro tive de fazer cuscuz que já me olharam de lado que havia pouco substância. Depois a carne estava rija que nem pedra e depois a salada de couve que terminei com parmesão fresco ralado, estava assim meia desenxabida. Não sei… Talvez se tivesse passado as couves pela mandolina, talvez se tivesse posto mais anchovas, talvez o leite tivesse de ser gordo, enfim… Não correu bem.

Repito, eu até nem desgostei mas senti que não era nada daquilo a que me tinha proposto. Comentários vários como: está quase lá mas não está, isto não está 5 estrelas, esta couve é horrível, nem com os dentes de trás se consigo mastigar a carne foram alguns dos permitidos (por mim). Tive de dizer chega que apesar de aceitar e crescer com a crítica, depois de um dia de trabalho e esmero, já estava no limite do meu: bico fechado e tudo de boa cara, quem quiser melhor que faça!

Isto para vos dizer o seguinte, não é uma andorinha que faz a Primavera e não devem autorrotular-se como maus cozinheiros ou pouco prendados para a cozinha quando uma refeição corre mal. Acontece! Só que ninguém partilha fotos de ovo estrelado com a gema toda deslaçada, ou de um peixe “à carvão”. E talvez não o façam porque acham que é feio partilhar, talvez seja, mas não é feio comer o que preparamos e que por um motivo ou outro não ficou “à lá chef”.

Usufruam das vossas refeições, bons cozinhados, boas tentativas e se acharem por bem experimentem esta sugestão nem que seja para confirmar que não vale a pena.

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente.

A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos.

A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D
Pré-aquecer o forno a 200º.

Comecei por fazer o tempero do peixe:
Numa trituradora juntei:
-6 tomates secos
- 2 dentes de alho
- 1 pitada de sal
- uma mão cheia de mistura de especiarias
- duas mãos cheias de manjericão fresco
- azeite e vinagre
Tudo triturado até ficar uma pasta.

Coloquei os peixes num tabuleiro de ir ao forno …

Peitos de Frango com manteiga de amendoim

A receita é do grande Jamie Oliver, a execução é minha. E este post vai abordar várias temáticas. Aconselha-se uma cadeira confortável, um chá quente e muita paciência, mas vai valer a pena. Confiem 😃

Se calhar falo primeiro de como se faz e depois do resto. O que acham? Acho que ouvi um sim desse lado. Então aqui vai:

Pré-aquecer o forno a 190º na função grelhador.

Ingredientes:
- três peitos de frango
- um limão
- duas colheres de sopa de manteiga de amendoim
- um dente de alho
- malagueta a gosto
- água
- sal
- pimenta
-azeite

Preparação:

Comecei por golpear os peitos de frango e temperei com sal, pimenta, raspas de limão e azeite. Reservei.

Para o molho misturei duas colheres de sopa de manteiga de amendoim, com sumo de meio limão, um alho ralado e um pouco de água.

A água serve para deslaçar o molho que tem de ficar com uma consistência mais cremosa, diria tipo iogurte.
A receita dizia para usar uma frigideira que depois fosse ao forno. Como não tenho usei um tabuleiro de ir ao…

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira.
Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes).

O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe
A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal.

Como faço o meu picado:
- Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro;
- Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e fritar at…