Avançar para o conteúdo principal

Creme de abóbora amarela com cenoura cor de laranja


Então minha gente. Essas festas foram rijas? Entraram com o pé direito em 2018? Eu entrei literalmente a rebolar. Não sei se estou com a memória fraca mas não me lembro de tanta comida e tanto álcool em mim como neste Dezembro passado.

Perguntava-me alguém: mas metem-te uma pistola na cabeça para te obrigar a comer e a beber? Eu respondo que não, claro que não. Sou responsável por todos os exageros, mas convenhamos: é ofensivo recusar comida e bebida nesta altura do ano. É quase um isolamento social ou mesmo quebrar com algumas regras da boa educação.

No Natal as pessoas fazem: broas, licores, bolos, carnes, empadas… e tantas outras coisas. Oferecem-nos com a melhor das vontades e dizer que não é aborrecido pois eu, também, quando cozinho gosto que as pessoas provem.

Dado este depoimento sinto que tenho de abrandar e não é só porque a balança não está com os mesmos números mas acima de tudo porque o meu organismo está a pedir. Sinto-me cheia de comida, a precisar de voltar ao meu normal das refeições mais leves e mais equilibradas.

Assim sendo as sopas são a minha lufada de ar fresco.
Ontem para começar bem o ano fiz um creme de abóbora com cenoura que me soube tão bem e que gostava de partilhar convosco.

Usei abóbora amarela (400gr mais ou menos), 2 cenouras, 2 cebolas, meio pimento vermelho, talos de coentros e caldo de vegetais. Esta foi a base da sopa.

Como fiz:
Num tabuleiro de ir ao forno coloquei a abóbora, as cenouras e a cebola temperadas com sal, azeite e orégão. Levei ao forno pré-aquecido a 200º uns 30 minutos, ou até os vegetais estarem moles.

Depois transferi para uma panela os vegetais assados, os talos de coentros e meio pimento vermelho, que cobri com o caldo.

Deixei ferver por uns 10 minutos, triturei, retifiquei a quantidade de líquido, de sal e adicionei uma mão cheia de folhas de coentros. Só assim ficou uma delícia.

Contudo, tinha sobras de pão e resolvi triturar com 3 fatias de bacon e mais coentros para fazer uma pangretata. Uma espécie de pão estaladiço que acompanha muito bem a sopa, as saladas, as massas.

Depois de triturado passei pela frigideira para ficar crocante.

Fica aqui a minha sugestão de uma refeição mais suave mas com muito sabor. Vou, ao longo destes dias partilhar algumas refeições mais leves para que “voltar ao normal” não seja nenhum bicho de sete cabeças.

Feliz 2018!
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…