Avançar para o conteúdo principal

Creme de abóbora amarela com cenoura cor de laranja


Então minha gente. Essas festas foram rijas? Entraram com o pé direito em 2018? Eu entrei literalmente a rebolar. Não sei se estou com a memória fraca mas não me lembro de tanta comida e tanto álcool em mim como neste Dezembro passado.

Perguntava-me alguém: mas metem-te uma pistola na cabeça para te obrigar a comer e a beber? Eu respondo que não, claro que não. Sou responsável por todos os exageros, mas convenhamos: é ofensivo recusar comida e bebida nesta altura do ano. É quase um isolamento social ou mesmo quebrar com algumas regras da boa educação.

No Natal as pessoas fazem: broas, licores, bolos, carnes, empadas… e tantas outras coisas. Oferecem-nos com a melhor das vontades e dizer que não é aborrecido pois eu, também, quando cozinho gosto que as pessoas provem.

Dado este depoimento sinto que tenho de abrandar e não é só porque a balança não está com os mesmos números mas acima de tudo porque o meu organismo está a pedir. Sinto-me cheia de comida, a precisar de voltar ao meu normal das refeições mais leves e mais equilibradas.

Assim sendo as sopas são a minha lufada de ar fresco.
Ontem para começar bem o ano fiz um creme de abóbora com cenoura que me soube tão bem e que gostava de partilhar convosco.

Usei abóbora amarela (400gr mais ou menos), 2 cenouras, 2 cebolas, meio pimento vermelho, talos de coentros e caldo de vegetais. Esta foi a base da sopa.

Como fiz:
Num tabuleiro de ir ao forno coloquei a abóbora, as cenouras e a cebola temperadas com sal, azeite e orégão. Levei ao forno pré-aquecido a 200º uns 30 minutos, ou até os vegetais estarem moles.

Depois transferi para uma panela os vegetais assados, os talos de coentros e meio pimento vermelho, que cobri com o caldo.

Deixei ferver por uns 10 minutos, triturei, retifiquei a quantidade de líquido, de sal e adicionei uma mão cheia de folhas de coentros. Só assim ficou uma delícia.

Contudo, tinha sobras de pão e resolvi triturar com 3 fatias de bacon e mais coentros para fazer uma pangretata. Uma espécie de pão estaladiço que acompanha muito bem a sopa, as saladas, as massas.

Depois de triturado passei pela frigideira para ficar crocante.

Fica aqui a minha sugestão de uma refeição mais suave mas com muito sabor. Vou, ao longo destes dias partilhar algumas refeições mais leves para que “voltar ao normal” não seja nenhum bicho de sete cabeças.

Feliz 2018!
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos. Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela , mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim. As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias. Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia. Ingredientes Secos - 2 chávenas de flocos de aveia; - 1 colher de chá de fermento; - 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais); - 1 pitada de sal; - 1 colher de sopa de açúcar de coco Ingredientes líquidos

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e