Avançar para o conteúdo principal

A espetada não é para meninos! A mestria deste prato por José Freitas.


Não podia deixar passar em branco esta próxima “pessoa que eu recomendo”. José Manuel de Freitas é o meu pai e este é o dia ideal para vos falar dele e do seu pitéu que tanto gosto: a espetada. Dizia-me ele: “toda a gente faz espetada, parece mal falar sobre isso!”. Sim faz, mas como a dele não conheço muitas: a carne é sempre tenra, bem temperada e assada no ponto. Esta sugestão que agora nos apresenta mostra a sua versatilidade na arte de confecionar este prato: Espetada de atum.

Tive a sorte de a provar e acreditem que não fui a única a tecer elogios. Mais sorte ainda pois nada tive de fazer a não ser tirar as fotografias e aprender os truques! O dia estava lindo e o quintal dos meus pais puxa a este tipo de repasto.

Vamos conhecê-lo!

Curiosamente não cozinha desde sempre: “a comida da minha mãe era a melhor e eu sentia-me bem alimentado … “antes de casar nunca tinha cozinhado exceto quando nasceu o meu irmão mais novo. Nesse dia fui à praça, comprei peixe-espada e deixei a conta para o meu pai pagar (risos). Fiz espada frita, rolo de espada com arroz e feijão-verde. Até apitava!”

Mesmo nunca tendo cozinhado tinha boas referências: “o meu avô materno era cozinheiro no Hotel Reid´s e no Golden Gate, que na altura eram restaurantes de prestígio. Nunca ter cozinhado não quer dizer que não via como fizessem, foi a partir da observação que quando comecei a cozinhar tinha já alguns conhecimentos”.

Desportista desde sempre ficou imbuído pelo espiríto competitivo e foi assim que começou a cozinhar cada vez mais tentando sempre ser melhor: “tínhamos (eu e a tua mãe) um grupo de amigos que nos juntávamos aos sábados para um almoço e eu não queria ficar para trás. Comecei a me interessar pelas revistas de comida e a aperfeiçoar os meus dotes culinários”.


Apologista de todo o tipo de comida desde a mais moderna à mais tradicional tem grandes e boas recordações do Arroz de Verdura com Semilhas e Carne de Porco: “hoje em dia ninguém come um prato destes. Deixou de fazer sentido por batata e arroz no mesmo prato mas era tão bom. Quando sobrava para outra refeição era aquecido na frigideira – arroz frito- mesmo bom. Agora aquece-se tudo no micro-ondas ou em banho-maria. (risos)” Contudo, gosta de todos os tipos de pratos tendo preferências pelos peixes mas “gosto de tudo de experimentar pratos típicos quando vou de viagem, gosto de aprender e provar sabores diferentes”.

Tirando os doces que “nunca faço, acho que não tenho jeito mas também nunca experimentei", escolhe a feijoada e a espetada como os seus pratos de sucesso: “acho que os sei fazer bem, ficam sempre bons”. “Não preciso de grandes instrumentos ou eletrodomésticos para cozinhar, mas estes são essenciais: panela, frigideira, fogão e uma faca – essa sim- é essencial, tem de estar afiada e sempre à mão – sem faca não há comida”.

Ninguém melhor que o meu pai para nos dar algumas dicas de como comprar carne ou peixe. Prestem atenção que valem ouro:

O peixe
- Comprá-lo o mais fresco possível. Ter atenção ao olho, se está brilhante e não baço. Se forem peixes pequenos como a garoupa ou o pargo a guelra é um bom indicador (vermelho vivo).
- O peixe-espada tem truque, levanto-o em direção à luz e se estiver brilhante, quase prateado é o mais fresco que há.
- A praça é o melhor sítio aqui na Madeira para comprar peixe.

A carne
- Já e mais difícil só pelo olhar, muitas vezes é preciso contar com a ajuda do talhante. Ter uma relação próxima com esta pessoa é essencial.
- A carne que tem mais veios de gordura é a mais tenra.
- Mania minha (do meu pai): se vou comprar lombo é lombo que trago, se me disserem que a rabadilha está boa não quero saber. É lombo e é lombo.
Nota minha: Teimoso! Mas resulta. Ehehe

Vamos então saber como se faz a espetada de atum pelas mãos e dicas do José Freitas:

Ingredientes para 8 pessoas:

1,5 kg de atum fresco (lombos inteiros)

Meia ventrecha de atum

Acompanhamento:

- 1 kg de batatinha nova
- 1 ramo de salsa
- 4 dentes de alho
- azeite e margarina q.b.

Como fazer:

Acender o braseiro uma hora antes, queremos que esteja quente mas sem lume vivo

Entretanto cortar o atum em cubos generosos e temperar com alho, louro, sal e pimenta preta-  reservar

Nota do autor: o peixe ou a carne só devem ser cortados na hora de temperar pois vai fazer com que não perca o sangue. Isto faz com que fiquem mais suculentos.

Temperar a ventrecha de atum com orégãos, sal e pimenta-  reservar

Para as batatas: cozê-las em água e sal e depois remover a pele
 Numa panela grande saltear com todos os temperos até que fiquem douradinhas

Junto do braseiro começar por colocar a ventrecha na grelha. Ir virando até estar no ponto

Nota do autor: Esta como era alta demorou pelo menos uns 15 minutos. O tempo de assadura vai variar conforme a espessura da ventrecha.

Para a espetada de atum “espetar” os bocados de atum no espeto
Devem ter algum espaço entre si

Rodar os espetos até o atum estar no ponto

Nota do autor: o ponto é relativo, há pessoas que gostam do atum mal passado e logo que muda de cor está pronto. Para quem gosta do atum mais cozinhado deve pelo menos deixar uns 5 minutos ou mais. Deve provar e ver se precisa de mais tempo.

Servir quentinho que é como quem diz acabado de sair do espeto
 
Espero que gostem da sugestão e aproveitem-na para por em prática, nas vossas casas, agora que o tempo está a ficar mais quente e bom para churrascos. 

Quero também agradecer ao meu pai por toda a gentiliza de nos mostrar como se faz o seu maior "segredo".

Até breve!

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente.

A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos.

A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D
Pré-aquecer o forno a 200º.

Comecei por fazer o tempero do peixe:
Numa trituradora juntei:
-6 tomates secos
- 2 dentes de alho
- 1 pitada de sal
- uma mão cheia de mistura de especiarias
- duas mãos cheias de manjericão fresco
- azeite e vinagre
Tudo triturado até ficar uma pasta.

Coloquei os peixes num tabuleiro de ir ao forno …

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…

Douradinhos de fazer inveja ao Capitão Iglo

Antes de 1993, ano que foi lançado o anúncio televisivo dos Douradinhos do Capitão Iglo, onde este oferecia o seu tesouro a uma tribo de índios, toda a gente comia peixe panado. A verdade é que a campanha pegou e o nome douradinhos também. De certa forma, foi a maneira de as crianças comerem peixe sem que fosse um drama.

Felizmente, as coisas mudaram e comer peixe deixou de ser um problema, ainda que quando ele aparece no prato os miúdos fiquem a olhar para mim com um ar desolado. Paciência que é bom e faz bem!

Eles gostam de douradinhos por isso decidi fazê-los à minha maneira.

Como já referi, os douradinhos são peixe panado. Ao fazê-los em casa, garantimos que não levam conservantes e sabemos exatamente quais os ingredientes que vamos ingerir.

Para 4 pessoas usei:
500 gr de filetes de pescada
2 ovos
100 gr de panko (pão ralado japonês)
50 gr de queijo parmesão
15 gr de coentros frescos

Como fiz:
Pré-aqueci o forno a 200º

Forrei um tabuleiro com uma folha de papel vegetal

Cortei o p…