Avançar para o conteúdo principal

Todas as peras querem ficar bêbedas pelas mãos da Ana Freitas


Senhoras e senhoras, meninas e meninos, é oficial! Aqui está a primeira de muitas "pessoas que recomendo". Não podia ter começado melhor com esta participação tão especial – a minha tia Ana Freitas.

Recebeu-me na sua casa, abriu-me a sua cozinha, contou-me a sua receita de Pera Bêbeda sem nenhuma reserva ou limitação. Não saiam daqui porque está tudo explicado passo-a-passo.

Mas antes disso e não tão menos importante foi falarmos de outros tempos, de quando tudo começou, a sua história na primeira pessoa. Vamos então conhecê-la!

Ana Freitas é mãe de dois filhos (grandes -os meus primos 😄) e avó de duas netas (pequenas - também minhas primas 😁). Num tempo em que não se falava muito no assunto, deixou a sua carreira profissional para se dedicar aos filhos e colaborar nos projetos de família.

Não foi nessa altura que começou a se dedicar às lides culinárias, pelo contrário, cozinha desde muito nova: “Sempre cozinhei. Desde pequena (13 anos), ajudava a minha mãe, desde essa altura que mexo em facas e no lume, não havia os medos que hoje existem. Era a minha tarefa, aquela que a minha mãe me confiou”.

As inspirações e os ingredientes disponíveis eram outros: “cozinhava de forma simples e com muita imaginação. Não havia livros nem receitas nem muito menos íamos a restaurantes provar o que se fazia – imaginava, e porque gostava muito de cozinhar, ia deitando mais disto e mais daquilo”.
As idas ao supermercado já foram divertidas, hoje em dia “Vou quando preciso mesmo e fico danada e a falar sozinha quando não tem o quero comprar”.

A Ana é uma cozinheira que procura o consenso. No dia da reunião de família: “Tento sempre fazer uma refeição que todos gostem. Se tivesse que eleger o prato mais unânime seria o rolo de carne. A feijoada também é um prato que todos gostam”.

Neste sentido perguntei à minha tia se preferia cozinhar em menor ou maior quantidade. Foi quase imediata a sua resposta: “para muita gente, não sei fazer comida só para mim e para o meu marido ou mesmo só para uma refeição. Sobra sempre (risos) às vezes tenho reclamações de que estamos a comer o mesmo há mais de três dias (mais risos)”.

O seu livro de receitas é a sua intuição e lamenta o facto de não escrever quando faz alguma coisa que gosta: “Já fiz várias vezes o peru recheado no Natal. No ano seguinte fico a pensar como é que o fiz? Porque que nunca escrevo? Cozinho por instinto e fica sempre diferente.” Ainda é melhor no contra relógio: “às vezes faço um prato em contra o tempo, a correr, e dou por mim a pensar, bem hoje é que devia ter vindo alguém aqui comer, isto está mesmo bom!”.

Apesar de gostar de quase tudo, afirma que os doces são a sua perdição. E sabem que mais? Fá-los tão bem! Esta pera bêbeda que agora vamos ver como se faz é das sobremesas mais saborosas e bem feitas que já comi. Costuma ser a sobremesa do almoço de Natal na casa da minha tia e quando me lembrei de iniciar esta rubrica não tinha como não falar desta iguaria.

A receita é antiga mas à minha tia chegou há uma dezena de anos através de uma amiga. Costuma fazer a pêra bêbeda para ocasiões especiais.

Pera Bêbeda – Receita da Ana Freitas

Ingredientes:
- 10 peras rocha (ou outras desde estejam rijas)
- 1 litro de vinho tinto (do bom)
- 300 gr de açúcar branco
- 100 ml de água
- Cascas de limão a gosto
- paus de canela a gosto
- estrelas de anis a gosto

Modo de preparação:

Descascar as pêras deixando o pedúnculo

 Regá-las com sumo de limão para não oxidarem
Nota da autora: “Eu sei que as pêras vão ficar escuras com o vinho, mas pronto é mania minha!”

Colocá-las uma panela

Juntar as cascas de limão, as especiarias e o açúcar
 

Adicionar o vinho e a água

Tapar e deixar levantar fervura

Quando ferver, baixar o lume para médio e deixar cozinhar por 30 minutos
após esse tempo retificar o molho e verificar se as peras já estão molinhas

e sim, retirar para uma travessa e deixar arrefecer no frigorífico, tapadas com película aderente

Nota da autora: Se for para o jantar façam de manhã, se for para o almoço façam no dia anterior

Até breve!
Mafalda

Comentários

  1. Olá Mafalda!
    Experimentei e resultou lindamente! Tanto assim que mais de uma semana depois ainda de fala nisso! Não sou muito de fazer ou comer sobremesas mas, como não me pareceu difícil, arrisquei e… acertei. Heheheh Todos gostaram! Eu, por mim, punha menos açúcar, e talvez o venha a fazer, mas achei a combinação de sabores muito boa. Parece-me que a qualidade do vinho e o sumo de limão (que aproveitei) fazem a diferença.
    Obrigado
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…

Douradinhos de fazer inveja ao Capitão Iglo

Antes de 1993, ano que foi lançado o anúncio televisivo dos Douradinhos do Capitão Iglo, onde este oferecia o seu tesouro a uma tribo de índios, toda a gente comia peixe panado. A verdade é que a campanha pegou e o nome douradinhos também. De certa forma, foi a maneira de as crianças comerem peixe sem que fosse um drama.

Felizmente, as coisas mudaram e comer peixe deixou de ser um problema, ainda que quando ele aparece no prato os miúdos fiquem a olhar para mim com um ar desolado. Paciência que é bom e faz bem!

Eles gostam de douradinhos por isso decidi fazê-los à minha maneira.

Como já referi, os douradinhos são peixe panado. Ao fazê-los em casa, garantimos que não levam conservantes e sabemos exatamente quais os ingredientes que vamos ingerir.

Para 4 pessoas usei:
500 gr de filetes de pescada
2 ovos
100 gr de panko (pão ralado japonês)
50 gr de queijo parmesão
15 gr de coentros frescos

Como fiz:
Pré-aqueci o forno a 200º

Forrei um tabuleiro com uma folha de papel vegetal

Cortei o p…