Avançar para o conteúdo principal

Vegetariano, sem hidratos mas bom que se farta!


Como já vos tinha falado ando a tentar tirar uns quilos de cima de mim e como tal as refeições (pelo menos as minhas) têm tido algumas restrições. No entanto, e também como já vos disse, ninguém muda hábitos se não gosta da comida que está no seu prato.

Eu sei tudo o que se tem de fazer e por norma as minhas refeições, e as de casa, têm sempre doses e porções equilibradas de todos os nutrientes que precisamos para ter uma alimentação saudável. Mas quando se quer perder peso não basta comer saudável é necessário fazer algumas restrições calóricas e é isso que tenho feito.

Queria partilhar convosco este tabuleiro de cogumelos e vegetais assados no forno. É uma boa forma de comer rápido e bem. O tempo que nos leva a fazer é basicamente a preparação, que depois o forno trata de tudo.
Pré-aquecer o forno a 200º

O que usei:

- 300 gr de cogumelos frescos
- 8 rabanetes
- 1 bolbo de funcho
- 1 rama de tomate cereja
- 4 dentes de alho
- um polegar de queijo parmesão
- 1 molho de coentros
- sal, azeite e pimenta preta para temperar.

Forrei um tabuleiro de ir ao forno com uma folha de papel vegetal.

Lavei os vegetais e cortei a gosto e de formas diversas. Dispus no tabuleiro e tempereis com o alho, sal, azeite e pimenta preta.

Levei ao forno 15 minutos.
Nessa altura retirei o tabuleiro e acrescentei o queijo parmesão em cubos e deixei mais uns 10 minutos.

O tempo de assadura dos vegetais é relativo. Quem gostar deles mais al dente ponha menos tempo quem gostar mais assados deixe mais tempo.
25 minutos é o meu ponto ótimo.

Experimentem e caso seja pouco para a vossa refeição façam deste tabuleiro um delicioso acompanhamento. Sintam-se à vontade para mudar os vegetais. Tenho outras sugestões aqui no blogue:

Da horta para a mesa passando pelo forno

Ainda se lembram do azeite de hortelã?

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…