Avançar para o conteúdo principal

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus



Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me orientou, é uma pessoa fantástica e fez-me puxar pelo bichinho de estar na cozinha. Quando o visitávamos, fazia sempre pratos diferentes, de que eu gostava tanto, e então comecei a olhar a forma como cozinhava e tentava fazer igual, aventurava-me. Tem outra característica que me fez apaixonar pela cozinha: estava sempre a cantarolar enquanto cozinhava, era uma boa energia”.

Durante dois anos criou e manteve a sua “marca” a FoodieGoodie, que traduzido à letra seria Comidinha Boazinha. Perguntei se o FN Kitchen tinha dado mote a este projeto e a resposta foi: “Não! Fui levada pelos pestes dos meus filhos. Estes insistiam para que eu fizesse uma página. Nessa página punham as fotografias da minha comida, porque depois faziam sucesso entre os amigos (risos)”. “Quando comecei, a ideia era envolvê-los, principalmente a Sofia e o Bino (genro), que foram os únicos que consegui cercar; os outros puseram-se ao piro.”

“Foi uma experiência muito bonita, que serviu para me superar, mas neste momento sinto que era preciso parar. Estou empenhada no meu “novo projeto”, que vai ser ter uma cozinha open space virada para a sala. Assim posso ver todos enquanto cozinho.”

Como pessoa que usa a comida como forma de dar amor, afirma: “O Natal e a Páscoa são sempre cá em casa. Tenho tanto gosto em receber e cozinhar para a minha família.”
Perguntei se tinha algum prato ou área que mais gostasse: “Gosto de tudo e faço de tudo. Gosto principalmente de pratos que puxem pela imaginação, como as tábuas de petiscos, os bolos que personalizo. Atualmente, tenho tido a preocupação de comer menos carne, daí este Rotollo e a Lasanha de Vegetais serem dos preferidos cá de casa.”

Quanto às compras: “Sofro imenso (risos) porque gasto sempre muito dinheiro. Sou rápida porque, como vou sempre às mesmas superfícies comerciais, já sei onde estão as coisas. Sei também os dias em que chegam os ingredientes que quero e assim poupo nas idas. Compro produtos de qualidade, quando não tem o que preciso compro na internet, mas gosto acima de tudo das afinidades que se criam com as pessoas quando somos clientes regulares. Num dos supermercados sou conhecida como a senhora dos queijos.”
“Tenho na minha família os meus melhores críticos, aqueles que me fazem crescer e apoiam-me sempre. Este Rotollo tem nota 10.”

Vamos já saber como se faz!

Rotollo

Ingredientes para seis pessoas:
- 16 folhas de lasanha fresca
- 500 gr de espinafres salteados com azeite, pimenta preta, sal e alho
- 500 gr de polpa de abóbora assada (com sal e pimenta)
- 1 litro de molho de tomate (ver receita)
- 2 pacotes de queijo ricotta
- queijo parmesão q.b.

Como se faz:

Numa travessa redonda que possa ir ao forno, colocar uma base generosa de molho de tomate.

Depois, na borda de uma folha de lasanha, colocar três colheres de sopa de polpa de abóbora, a mesma quantidade de espinafres e a mesma de queijo ricotta.


Fazer um rolo e cortar ao meio. 


Dispor no tabuleiro, na vertical, por cima do molho de tomate.

Repetir o processo até estar completo e bem aconchegado.


Verter o resto da polpa de tomate por cima dos rolinhos de forma a que chegue a todos. Se for preciso ajudar com uma espátula.

Ralar queijo parmesão a gosto, mas de forma generosa.

Levar ao forno por 30 minutos.

Por uma mesa bonita, porque este prato merece, e deliciar-se.


Esperamos que gostem da sugestão e que a vossa lista de receitas fique mais composta.
Foi um prazer!

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…