Avançar para o conteúdo principal

O que se pode comer pelo preço do subsídio de alimentação

Fotografia retirada do site: www.dinheirocontado.pt

O valor do subsídio de alimentação em 2018 é de 4,77 euros. Em 2017 o valor já era o mesmo, no entanto parte deste valor estava sujeito a descontos (0,25€). Em 2018 isso já não acontece.

Podem ler a notícia completa aqui.

Ora vamos lá raciocinar e voltar atrás um bocadinho no tempo. Antes da entrada do euro, um almoço de dois contos – dois mil escudos- era quase um banquete e num bom restaurante. Se pensarmos nos atuais 10 € chegamos rapidamente à conclusão que se o jantar for de luxo é só porque conhecemos o dono do restaurante.

Os 4,77€ de subsídio de alimentação serão quase mil escudos que no tempo dos escudos era bem bom. No meu tempo de faculdade – entre 1997 e 2001- almoçava o menu do dia que incluía, sopa, prato principal, bebida e café por 500 escudos, os atuais 2,5€. Este valor hoje em dia com sorte dá para uma sopa mais uma garrafa de água. Sem sorte dá para um café e um bolo ou sandes que não é uma refeição a bem dizer.

Os menus do dia, atualmente, os mais económicos rondam os 6€ e incluem um prato principal, uma bebida e um café. Não são os restaurantes, bares, pastelarias, cafetarias, cantinas que estão a “meter o prego”. Está tudo mais caro, o preço dos alimentos aumentou exponencialmente para não falar no IVA associado à restauração. Muitas vezes admiro-me como conseguem fazer estes preços e ter lucro, porque sim, há segurança social para pagar, funcionários, fornecedores, mais impostos e tudo isso pesa nas contas mensais.

Do lado do cliente – o nosso lado- é fazer a maior ginástica possível para ir equilibrando as finanças pessoais mas, considero eu, quase impossível gastar apenas o subsídio de alimentação no âmbito a que ele se destina.

Neste sentido, andamos às voltas. O que muitas vezes se faz é levar comida de casa, porque ninguém se alimenta apenas de tostas, sandes ou sopa. Ao levarmos de casa estamos a fazer com que a economia não gire e entramos literalmente na espiral da “pescadinha de rabo na boca”.
Numa época em que se fala tanto de nutrição e de comer de forma saudável percebemos rapidamente que a oferta do fast food é de longe muito mais económica e acessível aos vários bolsos.

Ganhamos mal? Há um grande desfasamento entre vontade política em fazer da sua população mais saudável e dotar-lhe economicamente para tal? Sim claro, podemos levar de casa e comer numa copa (com sorte) ou na secretária (sem sorte) mas será razoável estarmos sempre a fazer contas à vida quando a correria do dia-a-dia nos deixa a todos fatigados?

Enfim… é só uma reflexão e desejo que tenham um bom fim-de-semana. Não estou a atacar ninguém nem a vitimizar-me de nada. É apenas uma reflexão!

Se tiverem dicas ou sugestões de sítios para comer por 4,77 € partilhem que vai ser útil para todos.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente.

A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos.

A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D
Pré-aquecer o forno a 200º.

Comecei por fazer o tempero do peixe:
Numa trituradora juntei:
-6 tomates secos
- 2 dentes de alho
- 1 pitada de sal
- uma mão cheia de mistura de especiarias
- duas mãos cheias de manjericão fresco
- azeite e vinagre
Tudo triturado até ficar uma pasta.

Coloquei os peixes num tabuleiro de ir ao forno …

Peitos de Frango com manteiga de amendoim

A receita é do grande Jamie Oliver, a execução é minha. E este post vai abordar várias temáticas. Aconselha-se uma cadeira confortável, um chá quente e muita paciência, mas vai valer a pena. Confiem 😃

Se calhar falo primeiro de como se faz e depois do resto. O que acham? Acho que ouvi um sim desse lado. Então aqui vai:

Pré-aquecer o forno a 190º na função grelhador.

Ingredientes:
- três peitos de frango
- um limão
- duas colheres de sopa de manteiga de amendoim
- um dente de alho
- malagueta a gosto
- água
- sal
- pimenta
-azeite

Preparação:

Comecei por golpear os peitos de frango e temperei com sal, pimenta, raspas de limão e azeite. Reservei.

Para o molho misturei duas colheres de sopa de manteiga de amendoim, com sumo de meio limão, um alho ralado e um pouco de água.

A água serve para deslaçar o molho que tem de ficar com uma consistência mais cremosa, diria tipo iogurte.
A receita dizia para usar uma frigideira que depois fosse ao forno. Como não tenho usei um tabuleiro de ir ao…

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira.
Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes).

O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe
A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal.

Como faço o meu picado:
- Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro;
- Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e fritar at…