Avançar para o conteúdo principal

Quem vai fazer bife para o jantar?


A comida simples, aquela que depende da boa confeção e da qualidade do produto é um desafio interessante para quem cozinha. As boas notícias são: depois de dominar a técnica podemos abrir um restaurante dessa especialidade.

Oiço muita gente dizer: nem sei estrelar um ovo. Pois ora bem, estrelar um ovo nem sempre resulta bem. Se não tivermos os ovos frescos, a frigideira ideal e até alguma prática, a probabilidade de “esgaçar” o ovo é grande.

O bife é a mesma coisa. Um bife bem feito não acontece todos os dias. Hehehe. Ora a carne é rija, ora liberta muita água, ora fica bem passado, ora fica mal passado, ora, ora. Isto tem a ver essencialmente com a qualidade da carne, com a frigideira e também com a técnica.

Eu segui as dicas do Jaime Oliver e finalmente acho que acertei na minha técnica para fazer um bom bife. Como foi a primeira vez que o fiz não ficou totalmente como queria, tenho ajustes a fazer mas disso já vos falo.

Primeira dica: a espessura do bife. Este sugere que compremos um bife duplo em vez de um fininho. Foi o que fiz.

Segunda dica: Temperar o bife com sal, pimenta e azeite. Não por a gordura na frigideira. Foi o que fiz.

Terceira dica: Estar perto do bife enquanto este cozinha e ir virando a casa um minuto durante seis minutos. Aqui o meu ajuste a ser feito. Eu gosto da carne mal passada, estes seis minutos foram demais, ficou boa mas podia ter ficado menos passada.

Quarta dica: adicionar uma noz de manteiga e 3 dentes de alho. Foi isso que fiz.

Quinta dica: Depois de retirar do lume deixar repousar pelo menos 5 minutos. Foi isso que fiz.
Sexta dica: Aproveitar todos os sucos que saem da carne. Foi isso que fiz.

Sétima dica: cortar o bife em fatias e servi-lo. Foi isso que fiz.

E ficou muito bom. Tinha cerca de 450 gr de carne e se tivesse mais acho que tinha ido tudo.

Vejam o vídeo aqui.

Experimentem que vale a pena e se tiverem outras sugestões partilhem.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

O lado Doce da Europa- uma aventura com final feliz

Integrado nas comemorações oficiais do Ano Europeu para o Património Cultural, a Deputada ao Parlamento Europeu Cláudia Monteiro de Aguiar em parceria com o Centro de Informação Europe Direct Madeira (CIED Madeira) promoveu o Concurso Gastronómico “O lado Doce da Europa”.

O concurso teve como principal objetivo divulgar a gastronomia europeia, especificamente a doçaria, enquanto elemento importante da identidade e diversidade cultural dos  indivíduos, comunidades e sociedades.

As equipas tiveram que reproduzir uma receita - doce/sobremesa típica de um Estado Membro da União Europeia, fornecida aleatoriamente pela organização do concurso.

Aqui começa a aventura!

Quando fui entrevistar a Ângela Jesus para a rubrica “pessoas que eu recomendo” no inicio de março, não me passaria pela cabeça ver-me envolvida neste concurso. Enquanto falávamos, cozinhávamos, tirava fotos e fazia perguntas, surge a questão: Mafalda, quer ser minha parceira num concurso? Eu: concurso? Ângela: sim, de doces!…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…