Avançar para o conteúdo principal

A humilde mas sempre aconchegante lasanha de carne


Porque tenho os leitores mais envergonhados mas mais queridos de todo o sempre e que me desafiam a fazer algumas pratos “on demand” aqui vai a minha versão da lasanha de carne.

Este prato ganhou um protagonismo global e até o grande e gordo Garfield passava a vida a suspirar por lasanha. Não é de admirar que tenha tanto sucesso. É uma combinação vencedora de sabores. Massa, molho de carne (ou não), molho bechamel e queijo que depois vão ao forno para se conhecerem melhor e se tornarem na refeição perfeita.

Atenção que este prato não é baixo em calorias, nem “saudável” do ponto de vista nutricional. Tem bacon, bechamel, massa, tomate frito, enfim… É sim uma opção de refeição que, de vez em quando, é rica para a alma.

Bem, vou começar a escrever a receita e o modo de preparação pois tratei de dar detalhe a este prato e fotografei como se não houvesse amanhã.
Espero que gostem pois foi feito com muito carinho.

Ingredientes para o molho de carne:
- 1 cebola
- 2 dentes de alho
- 1 folha de louro
- 600gr de carne de perú moída (podem usar vaca, porco, frango)
- 1 molho de coentros (cerca de 15gr)
- 100 gr de bacon fumado (podem usar salsicha fresca)
- 1 pacote de natas
- 1 pacote de tomate frito
- Podem ainda adicionar, cenoura, beterraba, pimento, aipo, cogumelos, mais especiarias, outras ervas aromáticas, malagueta…

Ingredientes para compor a lasanha
- 13 folhas de lasanha fresca
- 500ml de molho bechamel (de compra, se preferirem façam o vosso)
- 250 gr de queijo mozarela às tiras.

Como fiz:

Comecei por refogar, a cebola, o bacon às tiras, o alho partido, os talos dos coentros e a folha de louro num fio de azeite. Não pus muito pois o bacon também liberta gordura.

Quando ficaram molinhos adicionei a carne e deixei fritar.

Depois o tomate frito. Costumo por sempre um bocadinho de água dentro da embalagem para aproveitar ao máximo o conteúdo.

Deixei que ficassem bem envolvidos, retifiquei de sal e a primeira parte está feita.

Depois transferi este preparado para bimby (já sabem que pode ser qualquer um robot de cozinha que triture bem). 

E adicionei as natas antes de moer. 

Não quis que as natas cozinhassem. Primeiro porque ainda vão ao forno e depois porque ajuda a arrefecer a mistura. Não gosto de a ter muito quente pois isso vai fazer com que as folhas de lasanha fiquem dobradas.

Triturem bem até ficar uma pasta. Isto vai fazer a diferença. 

Inspirei-me nas lasanhas que comi em Itália onde o recheio é muito subtil e as camadas de massa ficam mais generosas.

Nesta fase podem ligar o forno a 200º.

Montar a lasanha no tabuleiro.

Eu tenho este que não é muito bonito mas cumpre a sua função. Vocês podem usar um que vá ao forno e que possa ser levado à mesa.

Comecei por uma camada de carne. Não ponho muita e usei uma espátula para que ficasse uniforme. Queria uma camada fina.

Depois pus um bocadinho de alho em pó (gosto do alho em pó nas comidas de forno) e uns fios de molho bechamel.

De seguida a massa. Neste caso usei duas folhas por camada. Vejam a foto. O que importa é que fique tudo coberto.

Repeti este processo até a carne acabar sendo que a última camada deve ser de massa. 

Por cima da última camada adicionei o restante molho bechamel.

Depois polvilhei com o queijo.

Pus coentros por opção e ficou bem bom.

Levei ao forno 24 minutos. Os primeiros 20 minutos são para cozinhar a massa, os outros 4 foram porque fiquei de olho e queria que o topo ficasse gratinado.

Quando sair do forno alertem quem está à vossa volta de que está muito quente.

Dividi por porções e servi com malagueta e mais um bocadinho de coentros picados.

Ficou muito boa acreditem e é daqueles pratos que de um dia para o outro ainda ficam melhores. Se quiserem dobrar as quantidades da receita estejam à vontade pois conserva-se lindamente no congelador e ficam com uma refeição já pronta para outro dia da semana.

Já acabei!
Obrigada por estarem aí!
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

O lado Doce da Europa- uma aventura com final feliz

Integrado nas comemorações oficiais do Ano Europeu para o Património Cultural, a Deputada ao Parlamento Europeu Cláudia Monteiro de Aguiar em parceria com o Centro de Informação Europe Direct Madeira (CIED Madeira) promoveu o Concurso Gastronómico “O lado Doce da Europa”.

O concurso teve como principal objetivo divulgar a gastronomia europeia, especificamente a doçaria, enquanto elemento importante da identidade e diversidade cultural dos  indivíduos, comunidades e sociedades.

As equipas tiveram que reproduzir uma receita - doce/sobremesa típica de um Estado Membro da União Europeia, fornecida aleatoriamente pela organização do concurso.

Aqui começa a aventura!

Quando fui entrevistar a Ângela Jesus para a rubrica “pessoas que eu recomendo” no inicio de março, não me passaria pela cabeça ver-me envolvida neste concurso. Enquanto falávamos, cozinhávamos, tirava fotos e fazia perguntas, surge a questão: Mafalda, quer ser minha parceira num concurso? Eu: concurso? Ângela: sim, de doces!…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…