Avançar para o conteúdo principal

A minha primeira noitada culinária!


Não foi até altas horas, às 3h30 da manhã já estava de volta mas pode-se dizer que ainda deu para aproveitar e na manhã seguinte o efeito da ressaca foi maravilhoso. Valeu tudo a pena!
Então rapariga tudo bem contigo? Sim está e já vos vou contar esta linda história.
Primeiro falar do que me levou a um prato que demora entre 5 a 6 horas a ficar feito, eu que só penso em como otimizar as refeições.

Está frio, tenho filhos pequenos, as minhas sextas à noite já foram mais glamourosas. Nem falo em saídas mas era o dia que costumava reunir amigos cá em casa e ficávamos a comer, a beber e a falar até horas impróprias. Não é que isso tenha acabado mas não é tão frequente e já não basta um telefonema uma hora antes para ficar tudo combinado. Quem tem filhos sabe do que falo, quem não tem acredite em mim.

Entretenho-me agora de outras formas. Gosto de estar por casa com eles e quando dormem dedico-me ao meu querido hobbie. Dá-me mesmo prazer. Liberta-me de maus pensamentos e põe a imaginação a funcionar.

Fui ao talho e vi o “Rabo de Boi” estava com tão bom aspeto que não tive outra hipótese senão comprá-lo. Como corte de segunda categoria é mais barato. No entanto, tem de ser cozinhado de forma correta para não se tornar impossível para consumo. É uma carne rija se cozinhada pouco tempo. Mas se bem cozinhada torna-se numa ótima opção e que rende para mais que uma refeição. E daqui nasce o meu ragu de rabo de boi.

Comecei por levar ao forno o rabo de boi (1,500kg) temperado com sal (mais ou menos uns 20 minutos a uma temperatura de 200º).

Enquanto estava no forno tratei dos vegetais: 4 dentes de alho, 1 alho francês grande, 3 cenouras, 8 hastes de aipo, 1 nabo, 2 pimentos vermelhos, 3 folhas de louro.

Refoguei tudo numa panela grande com um fio de azeite. Esta panela deve ser daquelas que pode ir ao forno, ou seja, sem abas de plástico.

Quando os vegetais estavam refogados adicionei uma colher de sopa de farinha de trigo e misturei bem.

Logo depois duas latas de tomate pelado (cerca de 800gr) e voltei a mexer.

Tirei o rabo de boi do forno e baixei para 150º. Coloquei dentro da panela, mexi, cobri com água e adicionei sal.

Tapei e foi ao forno a 150º por 6 horas, sem tirar nem por!

Foi aqui que a minha fraca matemática entrou ao serviço. Fiz mal as contas. Quando pus a panela no forno eram 21h30 e não sei porque carga de água achei que lá para as 2h30 tinha as 6 horas. Não, não era. Era às 3h30. Contei a hora que pus como sendo uma hora. Conversa tonta esta.

Adiante. Fui-me deitar e pus o despertado. O meu forno não tem temporizador. Toca o despertado, levanto-me desligo o forno e cama novamente.

Ficou até de manhã no forno e sabem? Ficou tão tenra e o molho tão delicioso que valeu o tempo, o gasto de gás, e até a interrupção do sono.

Retirei a carne do osso, retifiquei o sal e adicionei 4 colheres de sopa de molho inglês.


Nesse dia servi o ragú com puré de batata-doce. 

É só uma das opções. Podem servi-lo com esparguete ou linguini e até mesmo sob uma fatia de pão. O que sobrar podem congelar e têm uma refeição pronta para outro dia.
Este post já vai longo. Espero que se inspirem e ousem na cozinha. Ficam todos a ganhar.
Beijos.

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos.

Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela, mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim.

As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias.

Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia.
Ingredientes Secos

- 2 chávenas de flocos de aveia;
- 1 colher de chá de fermento;
- 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais);
- 1 pitada de sal;
- 1 colher de sopa de açúcar de coco

Ingredientes líquidos

- 2 chávenas de leite;

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…