Avançar para o conteúdo principal

A minha primeira noitada culinária!


Não foi até altas horas, às 3h30 da manhã já estava de volta mas pode-se dizer que ainda deu para aproveitar e na manhã seguinte o efeito da ressaca foi maravilhoso. Valeu tudo a pena!
Então rapariga tudo bem contigo? Sim está e já vos vou contar esta linda história.
Primeiro falar do que me levou a um prato que demora entre 5 a 6 horas a ficar feito, eu que só penso em como otimizar as refeições.

Está frio, tenho filhos pequenos, as minhas sextas à noite já foram mais glamourosas. Nem falo em saídas mas era o dia que costumava reunir amigos cá em casa e ficávamos a comer, a beber e a falar até horas impróprias. Não é que isso tenha acabado mas não é tão frequente e já não basta um telefonema uma hora antes para ficar tudo combinado. Quem tem filhos sabe do que falo, quem não tem acredite em mim.

Entretenho-me agora de outras formas. Gosto de estar por casa com eles e quando dormem dedico-me ao meu querido hobbie. Dá-me mesmo prazer. Liberta-me de maus pensamentos e põe a imaginação a funcionar.

Fui ao talho e vi o “Rabo de Boi” estava com tão bom aspeto que não tive outra hipótese senão comprá-lo. Como corte de segunda categoria é mais barato. No entanto, tem de ser cozinhado de forma correta para não se tornar impossível para consumo. É uma carne rija se cozinhada pouco tempo. Mas se bem cozinhada torna-se numa ótima opção e que rende para mais que uma refeição. E daqui nasce o meu ragu de rabo de boi.

Comecei por levar ao forno o rabo de boi (1,500kg) temperado com sal (mais ou menos uns 20 minutos a uma temperatura de 200º).

Enquanto estava no forno tratei dos vegetais: 4 dentes de alho, 1 alho francês grande, 3 cenouras, 8 hastes de aipo, 1 nabo, 2 pimentos vermelhos, 3 folhas de louro.

Refoguei tudo numa panela grande com um fio de azeite. Esta panela deve ser daquelas que pode ir ao forno, ou seja, sem abas de plástico.

Quando os vegetais estavam refogados adicionei uma colher de sopa de farinha de trigo e misturei bem.

Logo depois duas latas de tomate pelado (cerca de 800gr) e voltei a mexer.

Tirei o rabo de boi do forno e baixei para 150º. Coloquei dentro da panela, mexi, cobri com água e adicionei sal.

Tapei e foi ao forno a 150º por 6 horas, sem tirar nem por!

Foi aqui que a minha fraca matemática entrou ao serviço. Fiz mal as contas. Quando pus a panela no forno eram 21h30 e não sei porque carga de água achei que lá para as 2h30 tinha as 6 horas. Não, não era. Era às 3h30. Contei a hora que pus como sendo uma hora. Conversa tonta esta.

Adiante. Fui-me deitar e pus o despertado. O meu forno não tem temporizador. Toca o despertado, levanto-me desligo o forno e cama novamente.

Ficou até de manhã no forno e sabem? Ficou tão tenra e o molho tão delicioso que valeu o tempo, o gasto de gás, e até a interrupção do sono.

Retirei a carne do osso, retifiquei o sal e adicionei 4 colheres de sopa de molho inglês.


Nesse dia servi o ragú com puré de batata-doce. 

É só uma das opções. Podem servi-lo com esparguete ou linguini e até mesmo sob uma fatia de pão. O que sobrar podem congelar e têm uma refeição pronta para outro dia.
Este post já vai longo. Espero que se inspirem e ousem na cozinha. Ficam todos a ganhar.
Beijos.

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

O lado Doce da Europa- uma aventura com final feliz

Integrado nas comemorações oficiais do Ano Europeu para o Património Cultural, a Deputada ao Parlamento Europeu Cláudia Monteiro de Aguiar em parceria com o Centro de Informação Europe Direct Madeira (CIED Madeira) promoveu o Concurso Gastronómico “O lado Doce da Europa”.

O concurso teve como principal objetivo divulgar a gastronomia europeia, especificamente a doçaria, enquanto elemento importante da identidade e diversidade cultural dos  indivíduos, comunidades e sociedades.

As equipas tiveram que reproduzir uma receita - doce/sobremesa típica de um Estado Membro da União Europeia, fornecida aleatoriamente pela organização do concurso.

Aqui começa a aventura!

Quando fui entrevistar a Ângela Jesus para a rubrica “pessoas que eu recomendo” no inicio de março, não me passaria pela cabeça ver-me envolvida neste concurso. Enquanto falávamos, cozinhávamos, tirava fotos e fazia perguntas, surge a questão: Mafalda, quer ser minha parceira num concurso? Eu: concurso? Ângela: sim, de doces!…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…