Avançar para o conteúdo principal

É quase como ir comprar feito mas não tem de sair de casa


Quando morava em Lisboa era normal a refeição de domingo à noite ser frango assado com batatas fritas de pacote. Eu não tinha esse hábito porque não cresci com esse ritual mas confesso que são muitas pessoas que o fazem e que gostam. As churrascarias são muitas e o frango “para levar” uma instituição. Sei que entretanto alargaram a sua oferta para o entrecosto e aí já fica mais ao meu gosto.

Aqui na Madeira come-se o frango “no churrasco” nos arraiais ou mesmo nos restaurantes de espetada, que nem sei bem como os classificar. Restaurantes Espetadeiros? Ajudem-me vocês e não vale restaurante “típico madeirense”.

Este é o mote para o entrecosto assado que vos vou propor, que tanto pode fazer parte de uma refeição de fim-de-semana como um conforto para um domingo à noite (ou segunda, ou quarta, ou outro dia que vos apeteça).

Tinha um quilo de entremeada e meio quilo de entrecosto e estas quantidades deram para 6 pessoas. Tinha outros acompanhamentos mas fica a referência.

Temperei as carnes de um dia para o outro, mas umas horas chegam, com coentros frescos, sal, paprica fumada, azeite, pimenta e alho. Um tempero muito simples. Tapei e guardei no frigorífico. Podem aumentar os condimentos aos vosso gosto.

No dia seguinte pré-aqueci o forno a 190º enquanto tratava de organizar a “cama” do entrecosto e da entremeada.
Forrei um tabuleiro de ir ao forno com uma folha de papel vegetal. Estou sempre a repetir este passo mas acho fundamental, ajuda mesmo a que nada fique colado e a limpeza do tabuleiro muito simplificada.

Dispus no tabuleiro talos de aipo previamente lavados e secos. 

Pus as carnes por cima do aipo e levei ao forno por 60 minutos. 

Antes de partir deixei repousar uns 5 minutos.
E é isto, entrecosto assado, assim num piscar de olho 😉.


Espero que gostem da sugestão e podem espreitar algumas sugestões de acompanhamentos como, por exemplo:

Salada de funcho e laranja 

Pimentos e cebolas assadas

Arroz integral

Salada de batata-doce

Húmus de cebolinho

Tenham um bom fim-de-semana e aproveitem muito para fazer coisas que vos deem prazer.
Mafalda

Comentários

  1. Olá Mafalda! Tá visto que já ganhaste um leitor/praticante assíduo. Experimentei o entrecosto e ficou ótimo! Mais uma vez não sobrou nada. Alterações ao teu: piripiri, vinho tinto e 5 bagas (porque o meu moinho de pimenta irrita-me) na marinada. A entremeada levou mais tempo porque era mais grossa, por isso da próxima vez se calhar uso só o entrecosto. Muito bom. Obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cirilo, mais uma vez obrigada e nem sabes o quanto me agrada saber que este blogue não é em vão. Uma das muitas coisas que me dão prazer a cozinhar é poder partilhar e que de certa forma quem me lê seja capaz de tentar e fazer e depois... saber que ficou bom! Aí dá-me mesmo um calor no coração. hehehe. Obrigada também pelas sugestões de alteração ao original. Assim dá mais hipóteses a quem nos lê. Continuação de bons cozinhados.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos.

Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela, mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim.

As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias.

Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia.
Ingredientes Secos

- 2 chávenas de flocos de aveia;
- 1 colher de chá de fermento;
- 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais);
- 1 pitada de sal;
- 1 colher de sopa de açúcar de coco

Ingredientes líquidos

- 2 chávenas de leite;

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…