Avançar para o conteúdo principal

Não foi o Carnaval que mudou, fui eu.


Oi gentiii, tudo legal? E como é? Vamos curtir esse Carnaval?

Até me arrepio e fico com vontade de desligar as luzes de casa para se pensar que não está lá ninguém. Mas nem sempre foi assim, eu já gostei e diverti-me muito no Carnaval, o que se passou então? Não sei bem explicar foi sendo um desmame gradual e sem dor.

Ora comecemos pela minha meninice. Claro que adorava o Carnaval. Não havia cá lojas com disfarces para crianças, a minha mãe comprava a Burda e mais ou menos de acordo chegávamos ao disfarce a vestir nesse Carnaval.

(Parentese: a minha mãe adora estas coisas e tinha sempre uma ideia pré-definida do que queria que eu e o meu irmão usássemos. Éramos, quase sempre os mais originais, mas de princesa acho que fui só uma vez e o fato que o meu irmão teve de automobilista usou até ficar com os tornozelos à mostra!)

Era um dia giro onde podia usar maquilhagem e roupa diferente. Na escola, não havia Carnaval durante uma semana, nada de dia do chapéu, nem do penteado, nem do acessório, com muita pena minha porque acho que ia adorar.

Posteriormente, durante as férias do Carnaval, tínhamos autorização para andar disfarçados. Era costume ir ao “cortejo trabalhão” (no dia de Carnaval e à tarde) e fomos algumas vezes ao “cortejo da noite” (no sábado anterior ao Carnaval e à noite). Agora como mãe compreendo a logística da situação. Ir cedo para arranjar lugar à frente, esperar que o desfile passasse e acima de tudo manter-nos quietos naquele hiato de tempo.

Talvez seja por isso que nunca fui com os meus filhos a esses eventos, já tentei mas depois preferimos sempre serões com os amigos onde vão disfarçados do que quiserem e até levam mais do que um disfarce para mudar (outros tempos).

Na adolescência quis muito entrar no desfile da noite. Todas as minhas amigas entravam e eu achava aquilo giríssimo, os fatos, a maquilhagem e todo o glamour que na, minha cabeça, envolvia o desfile.
Tanto pedi que a minha mãe deixou com duas condições: não faltas a nenhum ensaio e nem desistes a meio. Pareceu-me fácil e lá fechei o acordo até porque era o que queria. Nada como uma boa aprendizagem. Entre escola, treinos, academia, catequese, e mais ensaios chegou o dia que estava cansada e pedi para não ir. Como é óbvio, fui e fui e fui e fui.

No dia do cortejo fiz 6 km com uns saltos altos e cheguei ao fim com vontade de cortar os pés. Remédio santo e capítulo do desfile arrumado.

Entretanto na adolescência lá ia meia contrariada à festa de carnaval da escola da minha mãe. Eu não me apetecia ir mas, novamente, não tinha hipótese de escolha e de boa ou má cara lá ia eu.
Com a maioridade tive opção de escolha e a festa também ficou pelo caminho.

Mais velha gostava da noite de sexta-feira, a noite do travesti, não pelo disfarce em si mas porque era giro e costumava ir com um grupo a um bar com espaço ao ar livre. Era uma festa e tanto.
Depois veio a gravidez, vieram os filhos e as noites contínuas de Carnaval, não tenho o marido mais folião do mundo e tudo isto foi pesando na minha forma de ver e encarar o carnaval. Não odeio, que essa é uma palavra bem forte, mas tirando o dia “feriado” passa-me bem ao lado.
E depois costuma estar frio e mau tempo e andar na rua com estas condições já não é para velhinhas como eu. Heheheh

Quanto aos sonhos e às malassadas com mel de cana. Até estas iguarias da época não me chamam muito à atenção. Nunca as fiz mas admito que acabadinhas de fazer são uma maravilha.
Prefiro guardar as gordices para a época seguinte, a Páscoa, essa sim como eu gosto, discreta e cheia de boa comida.

Beijos a todos e bom Carnaval!

p.s.- podem discordar que este é um espaço de partilha.
p.s.1. – eu adoro o Snapchat para estas tontices.

p.s.2- Fiquem com o medley das marchinhas de Carnaval.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos.

Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela, mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim.

As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias.

Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia.
Ingredientes Secos

- 2 chávenas de flocos de aveia;
- 1 colher de chá de fermento;
- 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais);
- 1 pitada de sal;
- 1 colher de sopa de açúcar de coco

Ingredientes líquidos

- 2 chávenas de leite;

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…