Avançar para o conteúdo principal

Eu nunca passei fome


Tinha para hoje um post preparado sobre uma receita, como habitualmente faço. Este espaço é para isso, para partilhar comida e refeições e outras coisas “levezinhas”. No entanto, somos feitos de várias matérias. Acontecimentos esporádicos nos fazem pensar e repensar sobre assuntos que, por vezes, nos passam ao lado porque não é a nossa realidade. É longe, não sabemos bem o que é isso, mas hoje não sei… a conversa na escola dos meus filhos… uma simples conversa de nada transformou o meu dia.

Estava um pássaro morto no recreio da escola e eu exclamei que era a natureza, era Darwin, porque não gosto de pássaros. Houve uma contra resposta, eu disse que estava a brincar mas que também os pombos me metiam nojo, que eram ratos com asas e estavam cheios de doenças. A Rosa (senhora da porta) disse: ratos sim tenho horror! Uma outra senhora que ouvia a conversa disse apenas o seguinte: é o que tem valido às crianças da Venezuela. O meu pensamento parou, disse bom dia e vim-me embora. Com aquela frase na cabeça.

Desde pequena que oiço: come porque os meninos de África queriam tanto comer e não têm! África era o que se sabia de mais concreto. Há gente a morrer à fome todos os dias em todos os continentes. Aliás há quase tanta gente a morrer à fome como por doenças associadas à má alimentação. Enfim… essa é outra conversa.

A minha mãe contava que durante a primeira Guerra, aqui na Madeira, as pessoas não tinham o que comer. Faziam uma espécie de papas de farinhas e afastavam os bichos que esta tinha. Tanto foi que em 1990 quando começou a Guerra do Golfo, lembro-me de ver gente a se abastecer nos supermercados de uma forma obsessiva, como se a comida fosse faltar para sempre. Sem perceber muito bem o que se passava (não a guerra mas aquelas compras desenfreadas) deu-me medo. Fiquei apreensiva.

Eu nunca passei fome, nem sei o que isso é! Os meus filhos felizmente nem sequer lhes passa pela cabeça esse assunto. Há sempre comida em casa. Sempre! E nas quantidades que necessitam. Não há racionamento, é abrir o frigorífico, ir à fruteira, abrir as mercearias e está tudo lá.
Tento todos os dias passar-lhes a mensagem que não devemos desperdiçar comida, nem água, nem luz nem nada. Devemos fazer um uso racional daquilo que temos à nossa disposição.
Custa-me muito que não comam tudo o que têm no prato, que não se guardem os restos para o dia seguinte e acima de tudo que façam birra para comer e que não gostam e que não querem e mimimimi.

Não estou a ser hipócrita pois há gente que não tem dinheiro para se vestir e eu tenho pelo menos dois pares de sapatilhas, quatro de calças de ganga, seis camisas, etc…
O que faço e esforço-me por passar a mensagem é que temos de ser agradecidos por aquilo que temos e dar bom um uso e bom racionamento aos bens que detemos.

Há crianças que vão caçar ratos para se alimentar. Há crianças que não bebem água potável. Há crianças que andam descalças. Há crianças e adultos que não têm bens essenciais de qualquer género.

É que isto ficou-me mesmo na cabeça!

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos. Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela , mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim. As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias. Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia. Ingredientes Secos - 2 chávenas de flocos de aveia; - 1 colher de chá de fermento; - 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais); - 1 pitada de sal; - 1 colher de sopa de açúcar de coco Ingredientes líquidos

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e