Avançar para o conteúdo principal

Eu nunca passei fome


Tinha para hoje um post preparado sobre uma receita, como habitualmente faço. Este espaço é para isso, para partilhar comida e refeições e outras coisas “levezinhas”. No entanto, somos feitos de várias matérias. Acontecimentos esporádicos nos fazem pensar e repensar sobre assuntos que, por vezes, nos passam ao lado porque não é a nossa realidade. É longe, não sabemos bem o que é isso, mas hoje não sei… a conversa na escola dos meus filhos… uma simples conversa de nada transformou o meu dia.

Estava um pássaro morto no recreio da escola e eu exclamei que era a natureza, era Darwin, porque não gosto de pássaros. Houve uma contra resposta, eu disse que estava a brincar mas que também os pombos me metiam nojo, que eram ratos com asas e estavam cheios de doenças. A Rosa (senhora da porta) disse: ratos sim tenho horror! Uma outra senhora que ouvia a conversa disse apenas o seguinte: é o que tem valido às crianças da Venezuela. O meu pensamento parou, disse bom dia e vim-me embora. Com aquela frase na cabeça.

Desde pequena que oiço: come porque os meninos de África queriam tanto comer e não têm! África era o que se sabia de mais concreto. Há gente a morrer à fome todos os dias em todos os continentes. Aliás há quase tanta gente a morrer à fome como por doenças associadas à má alimentação. Enfim… essa é outra conversa.

A minha mãe contava que durante a primeira Guerra, aqui na Madeira, as pessoas não tinham o que comer. Faziam uma espécie de papas de farinhas e afastavam os bichos que esta tinha. Tanto foi que em 1990 quando começou a Guerra do Golfo, lembro-me de ver gente a se abastecer nos supermercados de uma forma obsessiva, como se a comida fosse faltar para sempre. Sem perceber muito bem o que se passava (não a guerra mas aquelas compras desenfreadas) deu-me medo. Fiquei apreensiva.

Eu nunca passei fome, nem sei o que isso é! Os meus filhos felizmente nem sequer lhes passa pela cabeça esse assunto. Há sempre comida em casa. Sempre! E nas quantidades que necessitam. Não há racionamento, é abrir o frigorífico, ir à fruteira, abrir as mercearias e está tudo lá.
Tento todos os dias passar-lhes a mensagem que não devemos desperdiçar comida, nem água, nem luz nem nada. Devemos fazer um uso racional daquilo que temos à nossa disposição.
Custa-me muito que não comam tudo o que têm no prato, que não se guardem os restos para o dia seguinte e acima de tudo que façam birra para comer e que não gostam e que não querem e mimimimi.

Não estou a ser hipócrita pois há gente que não tem dinheiro para se vestir e eu tenho pelo menos dois pares de sapatilhas, quatro de calças de ganga, seis camisas, etc…
O que faço e esforço-me por passar a mensagem é que temos de ser agradecidos por aquilo que temos e dar bom um uso e bom racionamento aos bens que detemos.

Há crianças que vão caçar ratos para se alimentar. Há crianças que não bebem água potável. Há crianças que andam descalças. Há crianças e adultos que não têm bens essenciais de qualquer género.

É que isto ficou-me mesmo na cabeça!

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…