Avançar para o conteúdo principal

Como eu cozinhei o arroz integral


Curiosamente foi a primeira vez que cozinhei arroz integral e como sempre faço sobre coisas que não sei fui ver vídeos, li alguns blogues, páginas da especialidade e retirei algumas ideias. A melhor forma mesmo é perguntar ou aprender com quem sabe e foi isso que “virtualmente” fiz.

Ora, a primeira questão prendia-se com o facto de por o arroz a demolhar ou não. Eu optei por sim e deixei cerca de 7 horas, ou seja, desde a hora do almoço até ao jantar. Outra questão que se punha e até vi fóruns de discussão acesa sobre o assunto foi a questão de fritar o arroz ou pô-lo diretamente na água. Se tiverem interessados na contenda basta fazer uma pesquisa no Google sobre arroz integral.

Comecei por escorrer a água onde este tinha ficado a demolhar. Numa panela grande refoguei uma cebola, dois dentes de alho e um molho de talos de salsa. 

Adicionei a água: para duas chávenas de arroz usei seis de água. 

Depois de levantar fervura adicionei o arroz, temperei com sal, deixei ferver, tapei e cozinhou por 20 minutos. 

Aqui é que está a diferença, vi que no mínimo deve cozinhar por 30 mas eu estava atenta e fui provando até me parecer cozido. Desliguei do lume e deixei mais uns 10 minutos tapado.
Escorri o excesso e servi a acompanhar o frango com cerveja.

Notas:
- ficou muito saboroso mas não ficou soltinho como vi nos vídeos;

- hoje fui falar com uma cozinheira que costuma fazer o arroz integral e esta disse-me que nunca o põe a demolhar e a medida que usa é esta: 1 chávena de arroz para 3 de água. Diz que depois de levar fervura tapa e deixa a água evaporar o que lhe leva cerca de uma hora.

Enfim, coisas da cozinha. O meu ficou bom e se quiserem experimentar até podemos trocar opiniões.
Depois falo-vos de outros pratos que podem fazer com este maravilhoso ingrediente.

Bom fim de semana,

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…