Avançar para o conteúdo principal

Como eu cozinhei o arroz integral


Curiosamente foi a primeira vez que cozinhei arroz integral e como sempre faço sobre coisas que não sei fui ver vídeos, li alguns blogues, páginas da especialidade e retirei algumas ideias. A melhor forma mesmo é perguntar ou aprender com quem sabe e foi isso que “virtualmente” fiz.

Ora, a primeira questão prendia-se com o facto de por o arroz a demolhar ou não. Eu optei por sim e deixei cerca de 7 horas, ou seja, desde a hora do almoço até ao jantar. Outra questão que se punha e até vi fóruns de discussão acesa sobre o assunto foi a questão de fritar o arroz ou pô-lo diretamente na água. Se tiverem interessados na contenda basta fazer uma pesquisa no Google sobre arroz integral.

Comecei por escorrer a água onde este tinha ficado a demolhar. Numa panela grande refoguei uma cebola, dois dentes de alho e um molho de talos de salsa. 

Adicionei a água: para duas chávenas de arroz usei seis de água. 

Depois de levantar fervura adicionei o arroz, temperei com sal, deixei ferver, tapei e cozinhou por 20 minutos. 

Aqui é que está a diferença, vi que no mínimo deve cozinhar por 30 mas eu estava atenta e fui provando até me parecer cozido. Desliguei do lume e deixei mais uns 10 minutos tapado.
Escorri o excesso e servi a acompanhar o frango com cerveja.

Notas:
- ficou muito saboroso mas não ficou soltinho como vi nos vídeos;

- hoje fui falar com uma cozinheira que costuma fazer o arroz integral e esta disse-me que nunca o põe a demolhar e a medida que usa é esta: 1 chávena de arroz para 3 de água. Diz que depois de levar fervura tapa e deixa a água evaporar o que lhe leva cerca de uma hora.

Enfim, coisas da cozinha. O meu ficou bom e se quiserem experimentar até podemos trocar opiniões.
Depois falo-vos de outros pratos que podem fazer com este maravilhoso ingrediente.

Bom fim de semana,

Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…