Avançar para o conteúdo principal

Como eu cozinhei o arroz integral


Curiosamente foi a primeira vez que cozinhei arroz integral e como sempre faço sobre coisas que não sei fui ver vídeos, li alguns blogues, páginas da especialidade e retirei algumas ideias. A melhor forma mesmo é perguntar ou aprender com quem sabe e foi isso que “virtualmente” fiz.

Ora, a primeira questão prendia-se com o facto de por o arroz a demolhar ou não. Eu optei por sim e deixei cerca de 7 horas, ou seja, desde a hora do almoço até ao jantar. Outra questão que se punha e até vi fóruns de discussão acesa sobre o assunto foi a questão de fritar o arroz ou pô-lo diretamente na água. Se tiverem interessados na contenda basta fazer uma pesquisa no Google sobre arroz integral.

Comecei por escorrer a água onde este tinha ficado a demolhar. Numa panela grande refoguei uma cebola, dois dentes de alho e um molho de talos de salsa. 

Adicionei a água: para duas chávenas de arroz usei seis de água. 

Depois de levantar fervura adicionei o arroz, temperei com sal, deixei ferver, tapei e cozinhou por 20 minutos. 

Aqui é que está a diferença, vi que no mínimo deve cozinhar por 30 mas eu estava atenta e fui provando até me parecer cozido. Desliguei do lume e deixei mais uns 10 minutos tapado.
Escorri o excesso e servi a acompanhar o frango com cerveja.

Notas:
- ficou muito saboroso mas não ficou soltinho como vi nos vídeos;

- hoje fui falar com uma cozinheira que costuma fazer o arroz integral e esta disse-me que nunca o põe a demolhar e a medida que usa é esta: 1 chávena de arroz para 3 de água. Diz que depois de levar fervura tapa e deixa a água evaporar o que lhe leva cerca de uma hora.

Enfim, coisas da cozinha. O meu ficou bom e se quiserem experimentar até podemos trocar opiniões.
Depois falo-vos de outros pratos que podem fazer com este maravilhoso ingrediente.

Bom fim de semana,

Mafalda

Comentários

  1. Uma pergunta. Você compra 1kg de arroz integral e cose tudo de uma vez ou faz esse processo todo cada vez que quer consumir?
    A minha dúvida é se seria possível coser o arroz todo e talvez em caixas congelar
    Obrigada

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos. Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela , mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim. As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias. Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia. Ingredientes Secos - 2 chávenas de flocos de aveia; - 1 colher de chá de fermento; - 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais); - 1 pitada de sal; - 1 colher de sopa de açúcar de coco Ingredientes líquidos

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e