Avançar para o conteúdo principal

Buongiorno Italia gli spaghetti al dente


Já só pensas nas férias? Mais ou menos. Mas, como ainda falta algum tempo, vou viajando através da comida. Desta vez, o destino gastronómico escolhido foi Itália. Tenho uma relação próxima com este país; fiz Erasmus em Trieste e, no ano passado, as minhas férias foram naquele “bel paese”.

A comida italiana generalizou-se por todo o mundo e, naturalmente, foi adaptada aos sabores de cada local. Em Portugal, as massas têm mais molho, as pizas têm coberturas diversas (como frango, ananás, banana, ragu ou bolonhesa, entre outros) e as quantidades são maiores. O que distingue a comida italiana em Itália é a sua simplicidade: dá-se primazia à qualidade dos produtos. Claro que, como em todo o lado, existe comida boa e comida com a qual nem vale a pena gastar um euro. É a vida!

Com esta sugestão quero deixar-vos o melhor dos dois mundos: esparguete negro, com tomate, ricota assada e ovo escalfado. Parece-vos bem? Então vamos começar. Liguem o forno a 200 graus. Na travessa onde vão servir a refeição, cortem vários tipos de tomate e em diversos formatos. Se tiverem de diferentes cores, mais bonito fica. Eu usei tomate de cacho, tomate cereja e tomate chucha. Raspem um dente de alho num ralador fino. Completem o tempero com uma pitada de sal grosso.

Passem para a ricota: coloquem-na inteira num tabuleiro de ir ao forno sob uma folha de papel vegetal e temperem com pimenta preta, orégãos e um fio de azeite. Levem ao forno até ficar dourada (no meu caso foram uns 15 minutos). Entretanto, cozinhem o esparguete conforme as indicações da embalagem. Para poupar tempo, cozinhei os ovos (um por pessoa) ao mesmo tempo que o esparguete, mas para ficarem com a gema mole, tirem-nos do lume aos 6 minutos de cozedura e arrefeçam-nos em água bem fria.

Organizemo-nos! Temos o tomate temperado, a ricota no forno, o esparguete e os ovos a cozer. Está quase tudo feito. Agora é só juntar todos os ingredientes numa harmonia perfeita. Vamos lá!

Voltem ao tomate e adicionem hortelã bem picada. Com as mãos bem lavadas, espremam o tomate (não riam que isto é sério, heheheh) para que liberte o seu sumo e se misture bem com a hortelã, com o sal e com o alho. Escorram o esparguete e arrefeçam em água fria. Depois misturem-no bem no preparado de tomate. Retirem a ricota do forno e disponham aos bocadinhos na massa com o tomate.

 Por fim, descasquem o ovo e, depois de servidas as doses individuais, coloquem-no por cima e abram-no com a faca para que a gema caia suavemente. Fio de azeite e… ‘ora!

Já pra mesa que, só de olhar, abriu-se-me o apetite!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos. Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela , mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim. As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias. Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia. Ingredientes Secos - 2 chávenas de flocos de aveia; - 1 colher de chá de fermento; - 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais); - 1 pitada de sal; - 1 colher de sopa de açúcar de coco Ingredientes líquidos

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e