Avançar para o conteúdo principal

Fazer mais com menos!


Desde que a crise económica e financeira se instalou no mundo, em geral, e na nossa vida, em particular, que esta expressão ganhou vida. Ouvimo-la todos os dias em diferentes contextos e, no mundo do trabalho, parece que nos persegue. No entanto, o que vos quero trazer é uma abordagem diferente. Na cozinha (como em tudo) podemos – sim – fazer mais com menos, sem que isso seja uma tragédia ou algo negativo. Mas vamos começar pela abundância até chegarmos ao “fazer mais com menos”.

O verão é uma época de abastança. As frutas e os vegetais chegam à sua fase madura nesta estação do ano. Temo-los na sua plenitude de sabor e de nutrientes. Esta fartura faz com que, muitas vezes, não consigamos consumir as quantidades necessárias para que não se estraguem. E sabem uma coisa? Custa-me horrores deitar comida fora! Para além das várias formas de conserva, como o congelamento e a desidratação, por exemplo, as compotas e os doces são uma forma rápida, saborosa e económica de conservar a fruta.

Por isso, e porque estão boas, docinhas e a bom preço, resolvi fazer uma compota de ameixas com canela e lima. Para isso, precisam de 1kg de ameixas, 750gr de açúcar mascavado ou de demerara (são mais saudáveis), 250 ml de água, dois paus de canela e casca de uma lima (usei o pelador).

Primeiro lavem bem as ameixas, tirem-lhes o caroço e depois partam-nas ao meio ou em quartos, se forem muito grandes. Coloquem numa panela com a água, os paus de canela, a casca da lima e o açúcar. Em lume médio, mexam até o açúcar se dissolver. Depois é deixar cozinhar até que engrosse. Demorou-me uns 40 minutos. As cascas da ameixa foram-se soltando e, com um garfo, foi fácil tirá-las (opcional). Não saiam de perto do fogão; uma mexedela regular ajuda a que tudo fique bem unido.

Uma forma de ver se a compota está na consistência certa, é tirar um bocadinho para um recipiente e passar uma colher no meio. Se ficar uma linha sem se juntar (ponto de estrada), é que já pronta. Coloquem em frascos fervidos e bem secos, deixem arrefecer, tapem e conservem no frigorífico.

E o mais com menos? É pra já. Para além de requerer apenas quatro ingredientes (não conto com a água), esta compota pode ser usada em tostas, em bolachas, a acompanhar queijo, carnes assadas, temperos de salada, entre tantas outras coisas. Eu aproveitei-a numa sangria de espumante. Então, para uma garrafa de espumante, coloquem sete colheres de sopa do doce num recipiente, juntamente com algumas agulhas de alecrim e um bocadinho do espumante. Triturem bem com a varinha mágica. Este preparado deve ser passado pelo coador. Façam-no já para o jarro onde vão servir a sangria.

Juntem o restante espumante, acrescentem gelo, mexam bem e aproveitem esta bebida dos deuses. Usem a compota que tiverem, as ervas que gostarem, o vosso espumante preferido e…

já para mesa, varanda ou para o jardim que o tempo está bom!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e

Peitos de Frango com manteiga de amendoim

A receita é do grande Jamie Oliver, a execução é minha. E este post vai abordar várias temáticas. Aconselha-se uma cadeira confortável, um chá quente e muita paciência, mas vai valer a pena. Confiem 😃 Se calhar falo primeiro de como se faz e depois do resto. O que acham? Acho que ouvi um sim desse lado. Então aqui vai: Pré-aquecer o forno a 190º na função grelhador. Ingredientes: - três peitos de frango - um limão - duas colheres de sopa de manteiga de amendoim - um dente de alho - malagueta a gosto - água - sal - pimenta -azeite Preparação: Comecei por golpear os peitos de frango e temperei com sal, pimenta, raspas de limão e azeite. Reservei. Para o molho misturei duas colheres de sopa de manteiga de amendoim, com sumo de meio limão, um alho ralado e um pouco de água. A água serve para deslaçar o molho que tem de ficar com uma consistência mais cremosa, diria tipo iogurte. A receita dizia para usar uma frigideira que depois fosse ao forno.