Avançar para o conteúdo principal

Fazer mais com menos!


Desde que a crise económica e financeira se instalou no mundo, em geral, e na nossa vida, em particular, que esta expressão ganhou vida. Ouvimo-la todos os dias em diferentes contextos e, no mundo do trabalho, parece que nos persegue. No entanto, o que vos quero trazer é uma abordagem diferente. Na cozinha (como em tudo) podemos – sim – fazer mais com menos, sem que isso seja uma tragédia ou algo negativo. Mas vamos começar pela abundância até chegarmos ao “fazer mais com menos”.

O verão é uma época de abastança. As frutas e os vegetais chegam à sua fase madura nesta estação do ano. Temo-los na sua plenitude de sabor e de nutrientes. Esta fartura faz com que, muitas vezes, não consigamos consumir as quantidades necessárias para que não se estraguem. E sabem uma coisa? Custa-me horrores deitar comida fora! Para além das várias formas de conserva, como o congelamento e a desidratação, por exemplo, as compotas e os doces são uma forma rápida, saborosa e económica de conservar a fruta.

Por isso, e porque estão boas, docinhas e a bom preço, resolvi fazer uma compota de ameixas com canela e lima. Para isso, precisam de 1kg de ameixas, 750gr de açúcar mascavado ou de demerara (são mais saudáveis), 250 ml de água, dois paus de canela e casca de uma lima (usei o pelador).

Primeiro lavem bem as ameixas, tirem-lhes o caroço e depois partam-nas ao meio ou em quartos, se forem muito grandes. Coloquem numa panela com a água, os paus de canela, a casca da lima e o açúcar. Em lume médio, mexam até o açúcar se dissolver. Depois é deixar cozinhar até que engrosse. Demorou-me uns 40 minutos. As cascas da ameixa foram-se soltando e, com um garfo, foi fácil tirá-las (opcional). Não saiam de perto do fogão; uma mexedela regular ajuda a que tudo fique bem unido.

Uma forma de ver se a compota está na consistência certa, é tirar um bocadinho para um recipiente e passar uma colher no meio. Se ficar uma linha sem se juntar (ponto de estrada), é que já pronta. Coloquem em frascos fervidos e bem secos, deixem arrefecer, tapem e conservem no frigorífico.

E o mais com menos? É pra já. Para além de requerer apenas quatro ingredientes (não conto com a água), esta compota pode ser usada em tostas, em bolachas, a acompanhar queijo, carnes assadas, temperos de salada, entre tantas outras coisas. Eu aproveitei-a numa sangria de espumante. Então, para uma garrafa de espumante, coloquem sete colheres de sopa do doce num recipiente, juntamente com algumas agulhas de alecrim e um bocadinho do espumante. Triturem bem com a varinha mágica. Este preparado deve ser passado pelo coador. Façam-no já para o jarro onde vão servir a sangria.

Juntem o restante espumante, acrescentem gelo, mexam bem e aproveitem esta bebida dos deuses. Usem a compota que tiverem, as ervas que gostarem, o vosso espumante preferido e…

já para mesa, varanda ou para o jardim que o tempo está bom!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…