Avançar para o conteúdo principal

Fazer mais com menos!


Desde que a crise económica e financeira se instalou no mundo, em geral, e na nossa vida, em particular, que esta expressão ganhou vida. Ouvimo-la todos os dias em diferentes contextos e, no mundo do trabalho, parece que nos persegue. No entanto, o que vos quero trazer é uma abordagem diferente. Na cozinha (como em tudo) podemos – sim – fazer mais com menos, sem que isso seja uma tragédia ou algo negativo. Mas vamos começar pela abundância até chegarmos ao “fazer mais com menos”.

O verão é uma época de abastança. As frutas e os vegetais chegam à sua fase madura nesta estação do ano. Temo-los na sua plenitude de sabor e de nutrientes. Esta fartura faz com que, muitas vezes, não consigamos consumir as quantidades necessárias para que não se estraguem. E sabem uma coisa? Custa-me horrores deitar comida fora! Para além das várias formas de conserva, como o congelamento e a desidratação, por exemplo, as compotas e os doces são uma forma rápida, saborosa e económica de conservar a fruta.

Por isso, e porque estão boas, docinhas e a bom preço, resolvi fazer uma compota de ameixas com canela e lima. Para isso, precisam de 1kg de ameixas, 750gr de açúcar mascavado ou de demerara (são mais saudáveis), 250 ml de água, dois paus de canela e casca de uma lima (usei o pelador).

Primeiro lavem bem as ameixas, tirem-lhes o caroço e depois partam-nas ao meio ou em quartos, se forem muito grandes. Coloquem numa panela com a água, os paus de canela, a casca da lima e o açúcar. Em lume médio, mexam até o açúcar se dissolver. Depois é deixar cozinhar até que engrosse. Demorou-me uns 40 minutos. As cascas da ameixa foram-se soltando e, com um garfo, foi fácil tirá-las (opcional). Não saiam de perto do fogão; uma mexedela regular ajuda a que tudo fique bem unido.

Uma forma de ver se a compota está na consistência certa, é tirar um bocadinho para um recipiente e passar uma colher no meio. Se ficar uma linha sem se juntar (ponto de estrada), é que já pronta. Coloquem em frascos fervidos e bem secos, deixem arrefecer, tapem e conservem no frigorífico.

E o mais com menos? É pra já. Para além de requerer apenas quatro ingredientes (não conto com a água), esta compota pode ser usada em tostas, em bolachas, a acompanhar queijo, carnes assadas, temperos de salada, entre tantas outras coisas. Eu aproveitei-a numa sangria de espumante. Então, para uma garrafa de espumante, coloquem sete colheres de sopa do doce num recipiente, juntamente com algumas agulhas de alecrim e um bocadinho do espumante. Triturem bem com a varinha mágica. Este preparado deve ser passado pelo coador. Façam-no já para o jarro onde vão servir a sangria.

Juntem o restante espumante, acrescentem gelo, mexam bem e aproveitem esta bebida dos deuses. Usem a compota que tiverem, as ervas que gostarem, o vosso espumante preferido e…

já para mesa, varanda ou para o jardim que o tempo está bom!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…