Avançar para o conteúdo principal

Fazer mais com menos!


Desde que a crise económica e financeira se instalou no mundo, em geral, e na nossa vida, em particular, que esta expressão ganhou vida. Ouvimo-la todos os dias em diferentes contextos e, no mundo do trabalho, parece que nos persegue. No entanto, o que vos quero trazer é uma abordagem diferente. Na cozinha (como em tudo) podemos – sim – fazer mais com menos, sem que isso seja uma tragédia ou algo negativo. Mas vamos começar pela abundância até chegarmos ao “fazer mais com menos”.

O verão é uma época de abastança. As frutas e os vegetais chegam à sua fase madura nesta estação do ano. Temo-los na sua plenitude de sabor e de nutrientes. Esta fartura faz com que, muitas vezes, não consigamos consumir as quantidades necessárias para que não se estraguem. E sabem uma coisa? Custa-me horrores deitar comida fora! Para além das várias formas de conserva, como o congelamento e a desidratação, por exemplo, as compotas e os doces são uma forma rápida, saborosa e económica de conservar a fruta.

Por isso, e porque estão boas, docinhas e a bom preço, resolvi fazer uma compota de ameixas com canela e lima. Para isso, precisam de 1kg de ameixas, 750gr de açúcar mascavado ou de demerara (são mais saudáveis), 250 ml de água, dois paus de canela e casca de uma lima (usei o pelador).

Primeiro lavem bem as ameixas, tirem-lhes o caroço e depois partam-nas ao meio ou em quartos, se forem muito grandes. Coloquem numa panela com a água, os paus de canela, a casca da lima e o açúcar. Em lume médio, mexam até o açúcar se dissolver. Depois é deixar cozinhar até que engrosse. Demorou-me uns 40 minutos. As cascas da ameixa foram-se soltando e, com um garfo, foi fácil tirá-las (opcional). Não saiam de perto do fogão; uma mexedela regular ajuda a que tudo fique bem unido.

Uma forma de ver se a compota está na consistência certa, é tirar um bocadinho para um recipiente e passar uma colher no meio. Se ficar uma linha sem se juntar (ponto de estrada), é que já pronta. Coloquem em frascos fervidos e bem secos, deixem arrefecer, tapem e conservem no frigorífico.

E o mais com menos? É pra já. Para além de requerer apenas quatro ingredientes (não conto com a água), esta compota pode ser usada em tostas, em bolachas, a acompanhar queijo, carnes assadas, temperos de salada, entre tantas outras coisas. Eu aproveitei-a numa sangria de espumante. Então, para uma garrafa de espumante, coloquem sete colheres de sopa do doce num recipiente, juntamente com algumas agulhas de alecrim e um bocadinho do espumante. Triturem bem com a varinha mágica. Este preparado deve ser passado pelo coador. Façam-no já para o jarro onde vão servir a sangria.

Juntem o restante espumante, acrescentem gelo, mexam bem e aproveitem esta bebida dos deuses. Usem a compota que tiverem, as ervas que gostarem, o vosso espumante preferido e…

já para mesa, varanda ou para o jardim que o tempo está bom!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…

Douradinhos de fazer inveja ao Capitão Iglo

Antes de 1993, ano que foi lançado o anúncio televisivo dos Douradinhos do Capitão Iglo, onde este oferecia o seu tesouro a uma tribo de índios, toda a gente comia peixe panado. A verdade é que a campanha pegou e o nome douradinhos também. De certa forma, foi a maneira de as crianças comerem peixe sem que fosse um drama.

Felizmente, as coisas mudaram e comer peixe deixou de ser um problema, ainda que quando ele aparece no prato os miúdos fiquem a olhar para mim com um ar desolado. Paciência que é bom e faz bem!

Eles gostam de douradinhos por isso decidi fazê-los à minha maneira.

Como já referi, os douradinhos são peixe panado. Ao fazê-los em casa, garantimos que não levam conservantes e sabemos exatamente quais os ingredientes que vamos ingerir.

Para 4 pessoas usei:
500 gr de filetes de pescada
2 ovos
100 gr de panko (pão ralado japonês)
50 gr de queijo parmesão
15 gr de coentros frescos

Como fiz:
Pré-aqueci o forno a 200º

Forrei um tabuleiro com uma folha de papel vegetal

Cortei o p…