Avançar para o conteúdo principal

Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher


No passado sábado, dia 25 de novembro, “celebrou-se” o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher. A celebração, entre aspas, é porque não é um dia feliz. Não é um dia de festa. Pelo contrário é um dia que não devia existir pois é sinal de que as coias não vão bem.

Ah está muito melhor! Já se fez muita coisa! Os dias são outros! Ok são sim! Mas muito ainda há por fazer. Falo de todos os dias celebrativos da sociedade: dia da irradicação da pobreza, dia da mulher, dia contra o racismo, dia contra a xenofobia, e por ainda em diante.

Voltando à eliminação da violência contra a Mulher é um assunto que me toca particularmente porque, primeiro sou mulher e depois porque estou a criar dois filhos homens.

A parte mais visível desta catástrofe é a violência física. Aquela que deixa marcas no corpo e na alma. Uma atrocidade tão violenta que nem dá para colocar em palavras. Tira-me mesmo do sério.

No entanto, a violência contra as mulheres nem sempre é visível. A ideia do ser menor, do ser não tão respeitável está até enraizada em muitas mulheres que acabam por desculpar ou não dar valor a determinadas atitudes porque é assim a vida. Deixam-se ser agredidas verbalmente, acham que têm a seu cargo todas as tarefas domésticas, têm a seu cargo todas as tarefas de educadora, sem nunca reclamar de nada porque é assim, são mulheres.

Muitas vezes somos nós próprias a não achar mal nenhum porque estamos formatadas para ser subservientes. As mulheres ganham menos, as mulheres trabalham menos (mentira mas é como se fosse), as mulheres têm muita sorte em não terem ficado para tias, as mulheres sabem que não há melhor. As mulheres sabem da sua condição de mulher. Ainda não há-de ser nesta vida que veremos alterações significantes neste campo. E as alterações são, nada mais, nada menos, do que este assunto deixar de ser assunto. Só assim se dá uma evolução.

Ontem, num centro comercial estava uma família de três pessoas. Pai, filho e mãe (atenção à ordem de importância, não é por acaso). Pai e filho estavam sentados numa cadeira e mãe acocorada a dar a comida ao filho. Pai bebia o seu café muito tranquilamente. Quando me dei conta fui levar a cadeira à senhora que me deu mil desculpas: ah deixe estar, ah eu estou bem assim, ah já estava de saída. Enfim… Era ela própria a se desculpar daquela situação.

Não está certo. Podem vocês me dizer: ah e então o homem é que ficava em pé?:

1- Se fosse cavalheiro sim (eventualmente e se não houvessem mais cadeira em todo o centro comercial e a mulher não tivesse a dar a comida à criança, se fosse ele a dar a comida acho muito bem e legítimo que estivesse sentado)
2- Não era necessário ficar em pé. Numa situação de igualdade olhavam para a mesa e compunham-na para que os três ficassem sentados.

Isto é nada realmente. Nada, nada. Podia ficar aqui o dia todo a escrever mas era chato. Há muito caminho a percorrer. E é só um exemplo de muitos e que aconteceu ontem, não foi há 20 anos.

Tenhamos empatia uns pelos outro.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos.

Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela, mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim.

As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias.

Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia.
Ingredientes Secos

- 2 chávenas de flocos de aveia;
- 1 colher de chá de fermento;
- 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais);
- 1 pitada de sal;
- 1 colher de sopa de açúcar de coco

Ingredientes líquidos

- 2 chávenas de leite;

Ninguém tira o “Rotollo” de boa cozinheira a Ângela Jesus

Dona de um grande sorriso e de uma gargalhada contagiante, Ângela Jesus é “pessoa que recomendo” com todo o prazer. A sua generosidade e forma como cozinha, fazem parecer que tudo é fácil e ágil na hora de por a comida na mesa. Recebeu-me na sua casa e aceitou partilhar convosco um dos seus pratos de referência, o “Rotollo”, que agrada todos os de casa e que… deixou-me nas nuvens.

A vida encarregou-se de nos por frente a frente enquanto finalistas do FN Kitchen Team Cup 2.ª Edição. Nada acontece por acaso, pois não? De todos os desafios, lembro-me da sua Tarte de Banana, que não deixou margem de dúvidas ao painel de jurados. Hoje vai falar-nos de uma especialidade que diz ter as “pastas”. Eu confirmo.

Vamos conhecê-la!

Enfermeira de profissão e de vocação, é uma cozinheira de coração. Mãe de três filhos adultos e avó de uma menina e de um menino. Começa cedo a cozinhar (pelos 11 anos) tendo num tio a sua maior referência culinária: “o meu tio Carlos cozinha lindamente. Foi ele que me…