Avançar para o conteúdo principal

Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher


No passado sábado, dia 25 de novembro, “celebrou-se” o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher. A celebração, entre aspas, é porque não é um dia feliz. Não é um dia de festa. Pelo contrário é um dia que não devia existir pois é sinal de que as coias não vão bem.

Ah está muito melhor! Já se fez muita coisa! Os dias são outros! Ok são sim! Mas muito ainda há por fazer. Falo de todos os dias celebrativos da sociedade: dia da irradicação da pobreza, dia da mulher, dia contra o racismo, dia contra a xenofobia, e por ainda em diante.

Voltando à eliminação da violência contra a Mulher é um assunto que me toca particularmente porque, primeiro sou mulher e depois porque estou a criar dois filhos homens.

A parte mais visível desta catástrofe é a violência física. Aquela que deixa marcas no corpo e na alma. Uma atrocidade tão violenta que nem dá para colocar em palavras. Tira-me mesmo do sério.

No entanto, a violência contra as mulheres nem sempre é visível. A ideia do ser menor, do ser não tão respeitável está até enraizada em muitas mulheres que acabam por desculpar ou não dar valor a determinadas atitudes porque é assim a vida. Deixam-se ser agredidas verbalmente, acham que têm a seu cargo todas as tarefas domésticas, têm a seu cargo todas as tarefas de educadora, sem nunca reclamar de nada porque é assim, são mulheres.

Muitas vezes somos nós próprias a não achar mal nenhum porque estamos formatadas para ser subservientes. As mulheres ganham menos, as mulheres trabalham menos (mentira mas é como se fosse), as mulheres têm muita sorte em não terem ficado para tias, as mulheres sabem que não há melhor. As mulheres sabem da sua condição de mulher. Ainda não há-de ser nesta vida que veremos alterações significantes neste campo. E as alterações são, nada mais, nada menos, do que este assunto deixar de ser assunto. Só assim se dá uma evolução.

Ontem, num centro comercial estava uma família de três pessoas. Pai, filho e mãe (atenção à ordem de importância, não é por acaso). Pai e filho estavam sentados numa cadeira e mãe acocorada a dar a comida ao filho. Pai bebia o seu café muito tranquilamente. Quando me dei conta fui levar a cadeira à senhora que me deu mil desculpas: ah deixe estar, ah eu estou bem assim, ah já estava de saída. Enfim… Era ela própria a se desculpar daquela situação.

Não está certo. Podem vocês me dizer: ah e então o homem é que ficava em pé?:

1- Se fosse cavalheiro sim (eventualmente e se não houvessem mais cadeira em todo o centro comercial e a mulher não tivesse a dar a comida à criança, se fosse ele a dar a comida acho muito bem e legítimo que estivesse sentado)
2- Não era necessário ficar em pé. Numa situação de igualdade olhavam para a mesa e compunham-na para que os três ficassem sentados.

Isto é nada realmente. Nada, nada. Podia ficar aqui o dia todo a escrever mas era chato. Há muito caminho a percorrer. E é só um exemplo de muitos e que aconteceu ontem, não foi há 20 anos.

Tenhamos empatia uns pelos outro.
Mafalda

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…

A minha Mãe faz anos mas não gosta que se diga

Então não vou dizer!

A minha mãe, que toda gente sempre julgou ser minha irmã ou minha amiga, faz anos hoje. Tenho a sorte de ser filha de uma mãe jovem; com isso hei-de usufruir da sua companhia por muitos e muitos anos.

Entra hoje numa década que, não há muito tempo, dar-lhe-ia o ‘estatuto’ de velhinha, sentenciada ao facto de que a vida já tinha lhe dado o que tinha que dar. Nada mais errado: é uma mulher ativa, viajada, uma craque nas futeboladas com os netos e, acima de tudo, capaz de pôr tudo a mexer sem que dêmos conta.

Tem um jeito natural para as artes e é a pessoa mais arrumada e organizada que conheço.

Era a grande organizadora das minhas festas de aniversário. Todos os anos se esmerava em me dar e fazer coisas bonitas.

A minha mãe era a minha aliada na adolescência, pondo muitas vezes à sua responsabilidade as minhas saídas mais tardias.

Ficou feliz e preocupada nos meus partos e acredito que tenha sofrido horrores até alguém lhe dizer que estava tudo bem.

Já rimos, já ch…