Avançar para o conteúdo principal

Quem se trama é sempre o mexilhão!


E estes tramaram-se dentro da minha frigideira!  Andava com vontade de fazer uma experiência e achei que os mexilhões seriam as cobaias ideais para o meu plano gastronómico. Já que quem se trama é sempre o mexilhão…

O mexilhão é um molusco bivalve considerado, por vezes, o irmão pobre de outros mariscos mais apreciados, como as ostras ou as ameijoas. É rico em vitamina B e minerais como o iodo e o magnésio. É rico em ferro e de fácil absorção pelo organismo, o que o torna muito nutritivo e pouco calórico, e as suas poucas gorduras são do tipo ómega 3.

Que rico petisco! É que, para além de todos estes nutrientes, têm um sabor a mar que é uma delícia.

Não os encontrei frescos, mas deixei descongelar à temperatura ambiente, sabendo de antemão, quando os comprei, que tinham todas as garantias de qualidade.

É um prato com muitos ingredientes, mas de simples preparação. A grande vantagem é que só suja a frigideira onde são cozinhados. Vamos começar?

Cortem às rodelas finas duas cebolas brancas ou roxas, fica ao vosso gosto. Seis dentes de alho, um pimento vermelho, talos de coentros e uma manga bem docinha.

Coloquem um fio de azeite na frigideira e adicionem a cebola, os pimentos e os talos de coentros e deixem que tudo ganhe cor e fique tenro. Depois adicionem o alho e a manga e deixem cozinhar mais uns 5 minutos.

Juntem uma lata de polpa de tomate e uma lata de leite de coco. Retifiquem de sal e pimenta e, depois de levantar fervura, deixar cozinhar entre 5 a 7 minutos.

Primeira parte feita!

Entretanto, lavem bem os mexilhões e, num coador grande, deixem que saia toda a água supérflua. Vejam se as cascas estão limpas e, se for o caso, com uma faca retirem os restos de algas que por vezes vêm agarrados. Envolvam os mexilhões no molho e tapem a frigideira, deixando cozinhar por uns 10 minutos. Ao fim desse tempo provem para ver se é necessário retificar os temperos e se quiserem provar um para ver se está cozinhado devem fazê-lo.

Caso usem mexilhões ainda fechados, tenham em atenção que, como todo os bivalves com casca, abrem quando recebem o calor da cozedura. Se algum não abrir, não o comam.

Disponham os mexilhões numa travessa bonita e polvilhem com coentros picados e gomos de lima. Para terem uma noção das quantidades, para quatro pessoas usei meio quilo de ameijoas.

Sirvam com pão (do bom) torrado para poderem saborear o molho que fica um regalo e… já prá mesa que o último a chegar come as cascas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

O lado Doce da Europa- uma aventura com final feliz

Integrado nas comemorações oficiais do Ano Europeu para o Património Cultural, a Deputada ao Parlamento Europeu Cláudia Monteiro de Aguiar em parceria com o Centro de Informação Europe Direct Madeira (CIED Madeira) promoveu o Concurso Gastronómico “O lado Doce da Europa”.

O concurso teve como principal objetivo divulgar a gastronomia europeia, especificamente a doçaria, enquanto elemento importante da identidade e diversidade cultural dos  indivíduos, comunidades e sociedades.

As equipas tiveram que reproduzir uma receita - doce/sobremesa típica de um Estado Membro da União Europeia, fornecida aleatoriamente pela organização do concurso.

Aqui começa a aventura!

Quando fui entrevistar a Ângela Jesus para a rubrica “pessoas que eu recomendo” no inicio de março, não me passaria pela cabeça ver-me envolvida neste concurso. Enquanto falávamos, cozinhávamos, tirava fotos e fazia perguntas, surge a questão: Mafalda, quer ser minha parceira num concurso? Eu: concurso? Ângela: sim, de doces!…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…