Avançar para o conteúdo principal

Quando se junta a fome com a vontade de comer… dá banquete pela certa!


E quanto se junta o gosto de cozinhar com o gosto de agradar os comensais, o banquete é elevado a refeição e festa!

Na minha casa, dia feliz é aquele em que faço hambúrguer para o almoço ou jantar. Recebo tantos elogios e juras de melhor mãe do mundo, que quase me fazem perder a noção que são apenas incentivos para me esmerar na preparação.

Eu também gosto muito de hambúrguer e prefiro a versão no pão do que a do prato. É mais teatral e a combinação de todos os sabores numa só dentada fazem-me apreciá-lo ainda mais. Não tendo nada contra os hambúrgueres do super ou mesmo os mais abrangentes das cadeias de comida rápida, prefiro fazê-los em casa, sabendo o que levam e, acima de tudo, adaptando-os ao gosto de cada um.

Aqui a receita rígida, ou melhor, a igual para todos, é a própria carne. Tudo o mais passa pela criação, gosto pessoal e combinações que podem ser improváveis, mas que resultam na perfeição para quem as faz e, principalmente, quem as come. Como diz a Cátia Goarmon: “A comida é como a vida, sabe melhor se for à nossa maneira”.

Vamos lá então: numa picadora triturei um peito de frango, pimentos assados, meia cebola, coentros, paprica fumada, cominhos, sal, pimenta preta e um ovo inteiro. Se a massa ficar muito húmida, acrescentem uma fatia de pão e voltem a triturar.

Depois, num tabuleiro de ir ao forno e forrado com uma folha de papel vegetal, moldei os hambúrgueres. Costumo fazê-los do tamanho do pão (a olho ou com a ajuda de uma forma). Depois levei-os ao frigorífico durante meia hora. Este passo, não sendo essencial na receita, faz a diferença na textura final.

Podem fritá-los numa frigideira ou então, se preferirem reduzir a gordura, façam-nos no forno (mais ou menos 13 minutos a 200 graus). Foi assim que fiz. E agora começam as variantes:

Num coloquei queijo roquefort, o outro foi só a carne. No tabuleiro coloquei duas fatias de bacon para assar e ficarem crocantes. Para compor os hambúrgueres tinha alface, tomate, cebola, pickles, abacate, manga e bacon. Cada um escolheu os ingredientes que mais gostava e compôs o seu hambúrguer. Fica a sugestão que podem sempre adaptar com os vossos ingredientes preferidos. Tudo está certo!

E…
Já prá mesa que hoje anoitece mais cedo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente. A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos. A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D Pré-aquecer o forno a 200º. Comecei por fazer o tempero do peixe: Numa trituradora juntei: -6 tomates secos - 2 dentes de alho - 1 pitada de sal - uma mão cheia de mistura de especiarias - duas mãos cheias de manjericão fresco - azeite e vinagre Tudo triturado até ficar uma pasta. Coloquei os peixes num tab

Papas de aveia no forno com frutos vermelhos e o dia do Obrigado!

Umas das resoluções que fiz para o ano de 2018 é fazer com que os meus filhos sejam mais “fáceis” de contentar saindo dos pequenos-almoços tradicionais com cereais e pão. Eu esforço-me acreditem. Tento sempre fazer com que a comida mais saudável saiba bem porque sei muito bem que comer só por comer não adianta de muito e não muda hábitos. Já tinha tentado as papas de aveia com banana e canela , mas não correu nada bem. Como disse na altura, não vou desistir e vou continuar a dar o melhor de mim. As papas de aveia no forno são uma boa opção para mim, porque as faço na véspera e depois guardadas em local fresco aguentam pelo menos uns 3/4 dias. Vi esta receita no blogue do Casal Mistério e pareceu-me muito bem para uma nova tentativa de papas de aveia. Ingredientes Secos - 2 chávenas de flocos de aveia; - 1 colher de chá de fermento; - 1 colher de chá de canela (eu devo ter posto mais); - 1 pitada de sal; - 1 colher de sopa de açúcar de coco Ingredientes líquidos

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira. Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes). O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal. Como faço o meu picado: - Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro; - Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e