Avançar para o conteúdo principal

Quando se junta a fome com a vontade de comer… dá banquete pela certa!


E quanto se junta o gosto de cozinhar com o gosto de agradar os comensais, o banquete é elevado a refeição e festa!

Na minha casa, dia feliz é aquele em que faço hambúrguer para o almoço ou jantar. Recebo tantos elogios e juras de melhor mãe do mundo, que quase me fazem perder a noção que são apenas incentivos para me esmerar na preparação.

Eu também gosto muito de hambúrguer e prefiro a versão no pão do que a do prato. É mais teatral e a combinação de todos os sabores numa só dentada fazem-me apreciá-lo ainda mais. Não tendo nada contra os hambúrgueres do super ou mesmo os mais abrangentes das cadeias de comida rápida, prefiro fazê-los em casa, sabendo o que levam e, acima de tudo, adaptando-os ao gosto de cada um.

Aqui a receita rígida, ou melhor, a igual para todos, é a própria carne. Tudo o mais passa pela criação, gosto pessoal e combinações que podem ser improváveis, mas que resultam na perfeição para quem as faz e, principalmente, quem as come. Como diz a Cátia Goarmon: “A comida é como a vida, sabe melhor se for à nossa maneira”.

Vamos lá então: numa picadora triturei um peito de frango, pimentos assados, meia cebola, coentros, paprica fumada, cominhos, sal, pimenta preta e um ovo inteiro. Se a massa ficar muito húmida, acrescentem uma fatia de pão e voltem a triturar.

Depois, num tabuleiro de ir ao forno e forrado com uma folha de papel vegetal, moldei os hambúrgueres. Costumo fazê-los do tamanho do pão (a olho ou com a ajuda de uma forma). Depois levei-os ao frigorífico durante meia hora. Este passo, não sendo essencial na receita, faz a diferença na textura final.

Podem fritá-los numa frigideira ou então, se preferirem reduzir a gordura, façam-nos no forno (mais ou menos 13 minutos a 200 graus). Foi assim que fiz. E agora começam as variantes:

Num coloquei queijo roquefort, o outro foi só a carne. No tabuleiro coloquei duas fatias de bacon para assar e ficarem crocantes. Para compor os hambúrgueres tinha alface, tomate, cebola, pickles, abacate, manga e bacon. Cada um escolheu os ingredientes que mais gostava e compôs o seu hambúrguer. Fica a sugestão que podem sempre adaptar com os vossos ingredientes preferidos. Tudo está certo!

E…
Já prá mesa que hoje anoitece mais cedo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tudo sobre a minha relação com o Cristiano Ronaldo

Não é de agora, já tem alguns anos e damo-nos lindamente, nunca discutimos, nunca houve ciúmes nem tivemos arrufos de família. A Dolores para mim foi sempre uma querida, tal como as irmãs e o irmão. Tem sido perfeito. Acima de tudo porque nunca nos vimos nem estivemos sequer a dois metros um do outro o que, de certa forma facilita, em muito, a boa saúde desta relação.
Aliás o mais próximo que estivemos foi esta montagem manhosa que fiz no paint.net 😁. A original é com a irmã Kátia.

Curioso que é este sentimento! Não é amor de amor, não é amor de mãe, não é amor de irmão nem de amigo, é sim uma admiração profunda que tenho por ele e nem sei bem explicar porquê. Já tive ídolos na adolescência, como por exemplo, o Michael Jordan mas nunca tive um sentimento de pertença em relação a este último como tenho pelo Cristiano Ronaldo.

Talvez por ser madeirense, talvez por admirar a sua história de vida e a coragem que teve (ele e os pais) no momento que com 10 anos saiu da Madeira para um mun…

Se me virem a correr, fujam! Deve ser alguma coisa bem grave

O título descreve o meu lamentável estado físico. Faz já uns largos anos que descurei esta parte de mim. Como vos disse, no início de março propus-me perder quatro quilos. Passado um mês, o resultado ficou pela metade, o que, vendo bem, não é assim tão mau. Não me pus a passar fome nem a fazer dietas loucas, porque sei muito bem que fazer dieta não é um tratamento de um mês mas sim uma mudança de hábitos de vida.

Este é um blogue de comida, como sabem, e sobre comida que nos conforta, faz bem e que seja prática para todos os dias. Mas mesmo a comer bem (isto é, não comer “porcarias”) e a fazer tudo certinho, passaram uns 10 anos desde que bastava meia dúzia de refeições ligeiras para o peso voltar ao normal.

Por incrível que pareça, tem sido desafiante, pois cozinho muito mais e com mais cuidado e programação. Deixo as refeições organizadas de um dia para o outro e parece que estou sempre nas compras e à volta dos tachos, porque não dá para comprar vegetais e frutas a granel. Para al…

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…