Avançar para o conteúdo principal

Rosbife. Carne assada ou arroz com bife?


Meus caros, até na comida pode haver mal entendidos e grandes deceções. Uma vez, num restaurante no Brasil, vi uma senhora pedir rosbife. Quando o empregado de mesa chegou todo sorridente com uma bela peça de carne suculenta, a senhora exclamou com ar perplexo:
- Não foi isso que pedi!

O empregado conferiu no seu bloco de notas:
- O pedido está correto.
Respondeu a senhora:
- Eu pedi arroz com bife!
É isto!

A verdade é que rosbife é a tradução de “roast beef”, ou seja, carne assada. Oriundo da Inglaterra, e da tradição do “Sunday Roast”, assado de domingo, este prato originalmente humilde tornou-se numa iguaria presente em muitos menus de restaurantes afamados.

Tem de se usar um corte nobre, isto é, uma peça mais tenra: lombo ou filete. Para este prato, a qualidade da carne é fundamental. Neste caso, usei um naco de lombo com cerca de um quilo e 200 gramas.

Então vamos lá. Num robô de cozinha, juntar uma mão cheia de alecrim, meio pimento vermelho, dois dentes de alho, sal, duas chalotas, uma mão de salsa, sal, pimenta preta e um fio de azeite. Triturar tudo muito bem até formar uma pasta. Barrar este preparado na carne. É preferível deixar marinar durante meia hora, tapada com pelicula aderente, no frigorífico.

Depois aquecer uma frigideira antiaderente e selar bem de todos os lados (selar significa dar cor à carne através da fritura). Entretanto, ligar o forno a 250 graus e deixar aquecer uns 10 minutos. Colocar a carne selada num tabuleiro sobre uma folha de papel vegetal. Levar ao forno por 20 minutos, tendo em conta o peso da peça. Eu como gosto da carne (mesmo) mal passada, deixei assar 15 minutos, mas já sabem, cozinhem ao vosso gosto. A carne tem de ficar rosada no seu interior e bem tostadinha por fora. Depois de retirar do forno, deixem repousar uns 10 minutos antes de a fatiarem. Assim, garante-se que não se perdem os sucos da carne e fica mais fácil ao corte (fino).

Acompanhei com batata doce, que também pus no tabuleiro para ficar dourada. Tinha-as cozido previamente porque, se fossem cruas, não cozinhariam no tempo da carne. Fica muito bem com salada e, num pão de baguete ou chapata, faz uma sandes deliciosa (barrem com um bocadinho de mostarda).

Agora, já pra mesa que o último a chegar não come!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

39… é muita fruta

E muito champanhe e balões e confetes e banda e fogo-de-artifício e todo esse banzé digno de mais uma volta ao sol.

Menos, muito menos. Já fui bastante mais festeira do que sou hoje e, muito sinceramente, basta-me saber de saúde que já fico genuinamente feliz.

Começo este ano com a perfeita noção que tenho muito mais para agradecer do que reclamar e este sentimento tem vindo a ser reforçado ao longo do tempo.

Para uns sou velha para outros sou nova mas para mim é o que é e se cá cheguei só pode ser bom.
Tenho muito que me orgulhar: desde os meus filhos, ao meu trabalho, a este blogue e a todo o esforço e dedicação que deposito em todas estas tarefas.

Tento sempre fazer o bem, ser correta e cordial. Acredito que tudo isto venha em retorno: recebemos o que damos.

Em forma de desejo(s) e por esta ordem de importância:
- saúde
- amor (bom e verdadeiro)
- dinheiro no bolso (que dá sempre jeito)

Que nunca me falte:
- imaginação e motivação para continuar a cozinhar
- imaginação e motivação…

O lado Doce da Europa- uma aventura com final feliz

Integrado nas comemorações oficiais do Ano Europeu para o Património Cultural, a Deputada ao Parlamento Europeu Cláudia Monteiro de Aguiar em parceria com o Centro de Informação Europe Direct Madeira (CIED Madeira) promoveu o Concurso Gastronómico “O lado Doce da Europa”.

O concurso teve como principal objetivo divulgar a gastronomia europeia, especificamente a doçaria, enquanto elemento importante da identidade e diversidade cultural dos  indivíduos, comunidades e sociedades.

As equipas tiveram que reproduzir uma receita - doce/sobremesa típica de um Estado Membro da União Europeia, fornecida aleatoriamente pela organização do concurso.

Aqui começa a aventura!

Quando fui entrevistar a Ângela Jesus para a rubrica “pessoas que eu recomendo” no inicio de março, não me passaria pela cabeça ver-me envolvida neste concurso. Enquanto falávamos, cozinhávamos, tirava fotos e fazia perguntas, surge a questão: Mafalda, quer ser minha parceira num concurso? Eu: concurso? Ângela: sim, de doces!…

Vou vender o “meu” pólinho

Sendo uma pessoa que se liberta bem daquilo que não precisa, existem duas coisas que me fazem confusão mudar: a casa e o carro. Talvez por serem bens mais caros e de certa forma mais permanentes e que por isso mesmo estão associados a memórias, vivências e experiências.

Este Volkswagen Polo 1.2 como a marca o chama é o “meu pólinho” do qual pretendo me separar. Como toda a separação sei que é para melhor mas tem o seu momento de luto.

Ora vejamos, este é o meu segundo carro. O primeiro foi um Smart for Two que tive de vender porque engravidei do Vasco e precisava de mais espaço. Como podem ver sou uma mulher de relações duradoras.

Não foi amor à primeira vista porque estava muito apegada ao Smart e custou-me deixá-lo ir. Todavia aos poucos deixo-o entrar na minha vida e aproveitei todas as vantagens que este carro me trouxe. É um carro fácil de conduzir, de estacionar e muito económico (é a gasolina 95). Sairá das minhas mãos muito estimado e tratado com muito carinho.

Assim sendo, está c…