Avançar para o conteúdo principal

Queques? De abacate!


Desculpem-me caros leitores por este título provocador, mas foi a melhor forma que encontrei para vos chamar a atenção para esta combinação tão deliciosa. Esbarrei numa receita de bolo de abacate que, caso não saibam, é dos bolos mais tradicionais da nossa ilha, lado a lado com o de anona ou mesmo o de banana. Coisas tão simples mas que fazem parte da nossa gastronomia.

Muita comida dos “antigos” tem o dom de manter-se atual e, quando se moderniza, torna-se espirituosa e entra pela porta da frente na categoria das comidas saudáveis. Toda a gente conhece os benefícios do abacate, fruto sempre presente para quem quer ter uma alimentação/dieta saudável. Muito resumidamente: é rico em gordura boa do tipo monoinsaturada, como o ómega 3, fibras, antioxidantes, magnésio, ácido fólico e vitaminas.


Para além da curiosidade de experimentar, fiz este bolo porque adoro estar ao ar livre; na praia, em piqueniques na serra ou num simples convívio num jardim. Adoro! Normalmente levo comida e quase nunca levo doces, porque derretem ou podem estragar-se se tiverem creme, ou mesmo porque levar um bolo acaba por não ser prático.


Lá pus a mão na massa. Como é uma receita de bolo, vou dar-vos as quantidades corretas, mas antes disso já podem ligar o forno a 120.º graus. Ingredientes: dois abacates (os meus eram pequenos), quatro ovos, 70 ml. de óleo de amendoim, 100 gr. de açúcar mascavado, 250 gr. de farinha de trigo integral, uma colher de chá de fermento em pó, uma colher de chá de baunilha em pó e raspa de um limão.

Coloquei todos os ingredientes na bimby, exceto a farinha e o fermento. Se não tiverem a bimby, coloquem-nos numa batedeira e batam tudo muito bem, até ficarem todos incorporados, formando uma massa líquida. Depois, juntar a farinha e o fermento e voltar a bater até obter uma massa, desta vez, densa.

Eu usei formas de silicone, que evitam que tenha de usar mais gordura para untar e garantem que os queques não colam, mas se não as tiverem podem untar com margarina e polvilhar com farinha. Verter o preparado para as formas e levar ao forno durante 20 minutos (este tempo é indicativo).

Deixem arrefecer porque queques quentes dão dor de barriga.

Quando arrefecerem estão prontos para comer, levar, partilhar, guardar para o dia seguinte ou então comer tudo de uma vez.

Vá! Já prá mesa que o último a chegar come o caroço do abacate.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bodião no forno e a empreitada para deixar de comer peixe

O bodião é um peixe que se encontra facilmente na Madeira pois o seu habitat preferencial é  junto á costa em toda a orla rochosa, em locais com muitas algas e também dentro dos portos. A sua cor varia entre o vermelho e o castanho sendo que identifica se é fêmea ou macho, respetivamente.

A sua carne é muito branca e densa e é dos peixes que mais gosto. Tem um sabor muito próprio que me leva à minha herança gastronómica. Em qualquer restaurante de peixe há bodião. Normalmente é feito grelhado ou então em filetes fritos.

A minha opção de fazer no forno foi por ser mais rápido e também por gostar muito de peixe assado. E vá… porque queria testar esta receita :D
Pré-aquecer o forno a 200º.

Comecei por fazer o tempero do peixe:
Numa trituradora juntei:
-6 tomates secos
- 2 dentes de alho
- 1 pitada de sal
- uma mão cheia de mistura de especiarias
- duas mãos cheias de manjericão fresco
- azeite e vinagre
Tudo triturado até ficar uma pasta.

Coloquei os peixes num tabuleiro de ir ao forno …

Picado ou Picadinho

É só escolher qual o nome que querem dar a este petisco típico da minha terra – a bela e formosa ilha da Madeira.
Curiosamente os pratos típicos da região, tirando a Espada e o Atum, são à base de carne. Não somos produtores mas é uma presença na nossa gastronomia. Exemplo disso é a Espetada a Carne de Vinho e Alhos, o Picado e os deliciosos grelhados (sobretudo de galinha, costeletas de porco e bifes).

O Picado é ideal para um jantar em família ou entre amigos. Numa travessa pequena, média ou grande, colocada no meio da mesa serve de mote para por a conversa em dia enquanto se “pica” à vontade. Os mais gulosos muitas vezes têm de levar com um “já chega” que isto é para todos. Hehehehe
A receita típica varia sendo que a mais consensual é colocar no molho sopa de rabo de boi. Eu não o faço por questões de gosto pessoal.

Como faço o meu picado:
- Carne de vaca da boa e tenra cortada aos cubos temperada com sal, alho e louro;
- Numa frigideira bem quente com um fio de azeite e fritar at…

Peitos de Frango com manteiga de amendoim

A receita é do grande Jamie Oliver, a execução é minha. E este post vai abordar várias temáticas. Aconselha-se uma cadeira confortável, um chá quente e muita paciência, mas vai valer a pena. Confiem 😃

Se calhar falo primeiro de como se faz e depois do resto. O que acham? Acho que ouvi um sim desse lado. Então aqui vai:

Pré-aquecer o forno a 190º na função grelhador.

Ingredientes:
- três peitos de frango
- um limão
- duas colheres de sopa de manteiga de amendoim
- um dente de alho
- malagueta a gosto
- água
- sal
- pimenta
-azeite

Preparação:

Comecei por golpear os peitos de frango e temperei com sal, pimenta, raspas de limão e azeite. Reservei.

Para o molho misturei duas colheres de sopa de manteiga de amendoim, com sumo de meio limão, um alho ralado e um pouco de água.

A água serve para deslaçar o molho que tem de ficar com uma consistência mais cremosa, diria tipo iogurte.
A receita dizia para usar uma frigideira que depois fosse ao forno. Como não tenho usei um tabuleiro de ir ao…